Opala Comodoro 4100 1979 O top de linha da década de 1970

Compartilhe

Luxo, glamour e muito conforto a 190 km/h

A versão Comodoro fazia seu último ano como top de linha da família Opala, entregando muita eficiência e luxo.

Em 1978 a Chevrolet apresenta no salão do automóvel o Opala Diplomata, mas a produção em série só começou em 1980, o Opala Comodoro 4100 1979, fazia sua despedida no ano seguinte, seria reposicionado pela montadora.

O modelo aqui do post é uma versão monocromática, com teto em vinil preto, uma bela combinação de cor e estilo. A briga contra os poderosos Dodges, Ford Landau e Ford Maverick, estava a todo o vapor, mas o modelo da Chevrolet, além de ser o mais vendido, também era o mais equilibrado da categoria.

1979 foi um ano marcado pela certeza de que os preços dos combustíveis nunca mais baixariam, a crise do petróleo veio no meio da década de 1970 e deixou marcas irreversíveis, quanto maior e mais potente o carro, menos mercado ele tinha.

Não foi apenas a beleza e o luxo que fizeram o Opala se destacar na era dos muscle cars, mas o equilíbrio entre força e consumo, deixaram o Opalão com uma ótima relação custo benefício dentro do segmento.

Desempenho

Estabilidade – O conjunto, carroceria, chassi e suspensão, era o mais eficiente da categoria, relativamente estável em curvas de alta. Em retas em velocidades acima de 160 km/h, com uma direção hidráulica não muito precisa, era bom o motorista ficar atento a balanços repentinos.

Motor – Utilizando o motor Chevrolet 4100 Chevrolet de 171 cv, era robusta e muito eficiente.

Câmbio – O câmbio de 3 velocidades, era eficiente e macio nas trocas, mesmo em trocas mais rápidas mantinha uma boa performance, porém na cidade se tornava menos eficiente que o modelo com câmbio no assoalho.

Retomadas e ultrapassagens –  Era seguro e entregava o que prometia.

Consumo – Na versão 4100, tinha um consumo considerado dentro dos padrões par a época, mas o grande diferencial, era que mesmo com carga máxima de peso, não havia muito variação no gasto de combustível, conforme ficha técnica no final do post.

Acabamento Externo

Faróis –  Redondos de lentes boleadas, embutidos em uma moldura na cor grafite;

Setas dianteiras – Posicionadas ao lado dos faróis

Para – choques – Em aço carbono, cromados, com faróis de neblina na parte inferior dianteira;

Grade de ar do motor – Subdividida em quatro partes, com molduras cromadas;

Retrovisores – Metálicos, com ajuste manual;

Frisos – Cromados contornando os para – lamas e em toda a extensão do rodapé do carro;

Rodas – De aço tradicionais da família Opala com lindas calotas cromadas;

Maçanetas – Cromadas;

Logo – Na tampa lateral dos para – lamas dianteiros “4100”;

Lanterna Traseira – Dupla Bicolor de lentes redondas, com luz de ré.

Teto Solar – Não;

Bagageiro – Não;

Limpador do vidro traseiro – Não;

Acabamento Interno

Painel – Com mostradores básicos em escala circular + relógio analógico;

Acabamento do painel – Metálico e em vinil marrom;

Volante – Volante de plástico injetado de dois raios, estilo canoa;

Sistema de som – Rádio toca – fitas AM/FM;

Ventilador – De três velocidades;

Ar – condicionado – Sim;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Não;

Relógio – Analógico no painel;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Manual basculante;

Sistema de travamento das portas – Mecânico;

Ajuste dos retrovisores externos – Manual;

Acabamento dos bancos – Aveludado em tons marrons;

Acabamento das portas – Em couro e detalhes aveludado;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Sim;

Banco traseiro – Sem acessórios;

Encosto de cabeça – Não;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Não;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Acarpetado;

Ficha Técnica – Opala Comodoro 4100 1979

Carroceria – Sedã;

Porte – Grande;

Portas – 4;

Motor – Chevrolet 4100 – Cód 250;

Cilindros – 6 em linha;

Posição – Longitudinal;

Tuchos – Mecânicos;

Tração – Traseira;

Combustível – Gasolina;

Alimentação –  Carburador;

Direção – Hidráulica;

Câmbio – Manual de 3 marchas, alavanca na coluna de direção;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Freio a disco sólido nas rodas dianteiras e tambor nas rodas traseiras;

Peso – 1172 kg;

Comprimento – 4671 mm;

Distância entre-eixos – 2667 mm;

Potência – 171 cv;

Cilindrada – 4093 cm³;

Torque máximo – 32,5 kgfm a 2600 rpm;

Potência Máxima – 4800 RPM;

Aceleração de 0 a 100 – 11,7 Segundos;

Velocidade máxima – 190 km/h;

Consumo: Cidade 6 km/l – Estrada 8 km/l;

Autonomia: Cidade 390 km – Estrada 520 km;

Porta malas – 430 Litros;

Carga útil – Não Informado;

Tanque de combustível – 65 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 185.198,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.

Deixe uma resposta