Fusca 1966 último ano do motor 1200

O modelo mais emplacado do Brasil, entra na segunda metade da década de 1960 com poucas mudanças, na mecânica e no visual

O Fusca 1966 chega na segunda metade da década com upgrade na caixa de câmbio, a quarta marcha fica mais longa, e no visual perde o brasão Volkswagen Wolfsburg, também no mesmo ano chega ao fim do motor 1200.

Ainda líder absoluto em vendas no Brasil, o besouro da montadora alemã, já dava seus primeiros sinais de que deveria ganhar mais fôlego, o motivo não era apenas aumentar o desempenho do modelo, mas também diminuir gastos com manutenções corretivas.

Mas a questão principal no ponto final na produção do motor 1200, foi o aumento nas manutenções corretivas com o veículo ainda na garantia.

Com usuários mais adaptados ao modelo, avenidas mais rápidas nos grandes centros, e o habito de viagens mais longas, se tornarem parte do dia a dia do brasileiro, a chegada do motor VW 1300, trazia mais fôlego e um tempo de vida útil maior, assim diminuindo as visitas inesperadas ao mecânico.

Desempenho – Motor Boxer 1200

Estabilidade – O conjunto carroceria, chassi e suspensão, era relativamente eficiente, considerando a tecnologia da época. Em curvas de alta com o piso molhado era sempre bom o motorista ficar atendo a saídas de pista, em retas se mantinha estável em velocidades acima de 80 KM/h.

Motor – O motor Volkswagen Boxer 1200, era de manutenção descomplicada e de baixo custo, mas em meses mais quentes, era necessário estar em dia com as manutenções de platinado e bobina.

Câmbio – Como já citado em 1966 com o novo upgrade no câmbio deu um torque mais suave em velocidade final, no restante, continuava com engates eficientes.

Retomadas e ultrapassagens – Atendia as expectativas para um compacto da década de 1960, mas era sempre bom o motorista negociar bem as ultrapassagens.

Consumo – A versão 1200 era o que chamamos hoje de consumo de carro popular, com ótimos 9 KM/L na cidade, conforme ficha técnica no final da matéria.

Acabamento Externo

Faróis –  Redondos, de lentes boleadas, embutidos em uma moldura cromada.

Setas dianteiras – Acima dos para – lamas;

Para – choques –  Cromados, estilo cabides;

Grade de ar do motor – Frisada abaixo do vidro traseiro;

Retrovisores – Cromado estilo raquete;

Frisos – Cromados em toda a extensão do carro;

Rodas – Rodas de aço tradicionais da família Fusca, com lindas calotas cônicas cromadas;

Maçanetas – Cromadas;

Logo – “VW” no capô dianteiro;

Lanterna Traseira – Bicolor sem luz de ré;

Bagageiro – Opcional;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Não;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com mostradores básicos em escala circular, embutidos em uma moldura cromada;

Acabamento do painel – Em metal nas cores verdes claro e escura;

Volante – De plástico injetado de dois raios;

Sistema de som – Não;

Ventilador – Não;

Ar – condicionado – Não;

Ar –  quente – Não;

Luz de leitura – Não;

Relógio – Não;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Manual basculante;

Sistema de travamento das portas – Mecânico;

Ajuste dos retrovisores externos – Manual;

Acabamento dos bancos – Em vinil;

Acabamento das portas – Em vinil;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Sem acessórios;

Encosto de cabeça – Não;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Não;

Assoalho – Emborrachado;

Porta-malas – Emborrachado;

Ficha Técnica – Fusca 1966 Motor 1200

Carroceria – Sedã;

Porte – Compacto;

Portas – 2;

Motor – VW Boxer 1200;

Cilindros – 4 Opostos;

Posição – Longitudinal;

Tuchos – Mecânicos;

Tração – Traseira;

Combustível – Gasolina;

Alimentação –  Carburador;

Direção – Simples;

Câmbio – Manual de 4 velocidades, alavanca no assoalho;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Freio a tambor nas quatro rodas;

Peso – 780 KG;

Comprimento – 4070 mm;

Distância entre-eixos – 2400 mm;

Potência – 36 CV;

Cilindrada – 1192 cm³;

Torque máximo – 8,7 kgfm a 2800 rpm;

Potência Máxima – 4600 RPM;

Aceleração de 0 a 100 – 49 Segundos;

Velocidade máxima – 103 KM/h;

Consumo: Cidade 9 KM/L – Estrada 13 KM/L;

Autonomia: Cidade 293 KM – Estrada 490 KM;

Porta malas – 141 Litros;

Carga útil – 380 KG;

Tanque de combustível – 41 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 54.238,00.

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.

Please follow and like us:

8 comentários sobre “Fusca 1966 último ano do motor 1200”

  1. boa tarde
    show o material apresentado
    uma pergunta gostaria saber qual e a combinação de cores utilizada nesta joia um sei que é o verde amazonas mas a outra cor não sei

  2. Carro clássico. Há quem modernamente, o equipe com motor 1.8. Muito parecido com o de uma vizinha da minha tia, cuja casa, mais antiga, não possuía garagem, e ela o guardava no espaçoso quintal da família. Eu, criança e fã de filmes policiais, me inspirei, dobrei um araminho e abri o Fusca da Dona Tereza. Eu me senti o máximo. Infelizmente, em uma época na qual o furto de veículos era muito menor, os carros eram vulneráveis demais nesse aspecto. Faziam a alegria dos meliantes. A ligação direta, também, era praxe, sem precisar de chave. Isso depois aumento muito o valor do seguro dos Volkswagens em geral, serem os carros mais visados para furto.

  3. O exemplar mostrado é muito bonito, sem duvida, mas apresenta VÁRIAS modificações em relação ao original e que não eram oferecidas nem como opcional.

  4. Estou trabalhando num projeto de um 1966 e vai me ajudar muito em refazer ou melhor trazer a vida meu amado fusquinha 1966. Gratidão pelas preciosas informações disponibilizadas.

      1. Eu lembro que o Fusca “66 modelinho” era assim denominado por ter o vidro traseiro maior, e o limpador de parabrisas parar para o lado esquerdo do motorista, mas ainda com motorização de 1200cc e bateria de 6 volts. Possui um 1967 da cor BEJE NILO, com interior vermelho e 6 volts. Nunca esqueço, meu primeiro carro, isso em 1972.

Deixe uma resposta