Voyage Plus 1986 Série Especial o Primeiro ano do AP 1.6

A versão Plus do Voyage Quadrado já havia sido produzida em 1983, mas sem muito sucesso, em 1986 ela voltou com cores diferenciadas e a estréia do motor AP na versão 1.6

Em 1985, a Volkswagen coloca no mercado a primeira geração dos motores AP 1.8, mas a versão 1.6 só chegaria 1 anos depois, o Voyage Plus 1986, também ficou marcado por ser um dos modelos nacionais mais vendido com motor a gasolina, em época em que o Álcool dominava o mercado, era raro as montadoras disponibilizarem unidades a gasolina, sem uma prévia encomenda.

Entre os anos de 1983 e 1986, houve a entre safra de veículos da montadora alemão, muitos proprietários que compraram modelos do final da década de 1970 e início da década de 1980, que começaram a substituir seus carros, que ainda na grande maioria eram a gasolina, tiveram muita dificuldade de se adaptar aos novos VW a Álcool, então a procura a modelos a gasolina voltou a crescer.

O Voyage Plus 1986, na prática era a versão “LS”, com cores metálicas, beje equatorial, Azul e vinho metálico, todos com acabamento interno marrom, e câmbio 4 marchas, a única variação era quanto as calotas, grandes de plástico, ou pequenas cromadas.

Em 1986 o Voyage era disponibilizado nas seguintes versões, Voyage “S”, com câmbio 4 marchas, Voyage LS com câmbio 4 marchas e opcional para 5 marchas, as séries epeciais, Voyage Super 1.8, câmbio 5 marchas e Voyage Plus câmbio 4 marchas.

Desempenho

O novo motor AP 1.6, tinha um torque mais firma que de seu antecessor o MD-270 1.6, mais elástico e robusto, além de 4 CV a mais de força.

O câmbio 4 marchas, aliado a nova geração de motor, deixava o Voyage com um desempenho na cidade a altura dos esportivos nacionais, 12,5 segundos de 0 a 100.

Na estrada, era um dos carros nacionais mais eficiente e seguro em ultrapassagens e retomadas.

O conjunto, carroceria, chassis, e suspensão, do Voyage quadrado, tinha um sintonia muito eficiente, bastante estável em curvas de alta, mesmo com piso molhado e bastante estável em retas acima de 140 Km/h sem balanços ou oscilações.

Acabamento Externo

Frente com faróis quadrados, embutidos em um mesmo conjunto com as setas;

Grade de ar do motor na cor grafite, com frisos na horizontal e logo “1.6” em vermelho;

Para – choques em aço carbono, na cor do carro, com fino friso emborrachado e cantoneiras de plástico estendidas;

Faróis de neblina posicionados, abaixo do para – choque dianteiro;

Retrovisores satélites com ajuste mecânico interno;

Maçanetas na cor grafite, com detalhes cromados;

Rodas de aço, 175/70 R13, tradicionais da família BX, com calotas de plástico, ou cromadas.

Friso emborrachado em toda a extensão lateral do carro;

Lanternas traseiras tricolor;

Acabamento Interno

Painel quadrado com conta + relógio analógico;

Volante de plástico injetado de dois raios;

Ar – quente – opcional;

Acendedor de cigarros e cinzeiro embutido no painel;

Acabamento dos bancos em tecido marrom claro;

Encosto de cabeça com regulagem de altura nos bancos dianteiros;

Assoalho e porta malas acarpetados;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro;

Ficha Técnica – Voyage Plus 1986

Carroceria sedã;

Porte Compacto;

2 portas;

Motor AP 1.6;

Cilindros 4 em linha;

Longitudinal;

Tuchos mecânicos;

Tração Dianteira;

Combustível Álcool;

Carburador;

Direção Simples;

Câmbio manual de 4 marchas;

Embreagem monodisco a seco;

Freios a disco sólido nas rodas dianteiras e tambor nas rodas  traseiras;

Peso 891 KG;

Potência 85 CV;

12,65 kgfm a 3000,

Potência Máxima 5600 RPM;

De 0 a 100 – 12,5 segundos Segundos;

Velocidade máxima 161 KM/h;

Consumo na Cidade 7,7 KM/L – Estrada 11,6 KM/L;

Autonomia: Cidade 423,5 KM – Estrada 638 KM;

Porta malas 382 Litros;

Carga útil – não informado;

Tanque de combustível 55 Litros;

Motor Tudo – Voyage Plus 1986

Carros Clássicos Brasil – Voyage Quadrado

2 comentários sobre “Voyage Plus 1986 Série Especial o Primeiro ano do AP 1.6”

  1. Notei que no veículo, o banco do motorista está com um rasgado natural, o carro existe mesmo conforme a foto? Em que cidade?

    1. Eu apenas faço matérias sobre carros clássicos brasileiros, não trabalho com comércio de carros.

Deixe uma resposta