Uno ELX 94, o primeiro passo rumo ao desempenho ideal

Compartilhe

O Uno ELX 94, tanto nas carrocerias 4 e 2 portas, foi um divisor de águas entre os populares 1.0 no Brasil. Até o ano de 1993, mesmo na geração Mille eletrônic também carburada, sair de uma concessionária com uma unidade zero km, independente da marca ou modelo, despertava três sentimentos.

Entre os anos de 1990 e 1993, os carros 1.0 mudaram completamente o mercado nacional, tanto na engenharia dos propulsores, como na política de compra. Chegava a era dos populares, e das gigantescas facilidades de financiamento para compra sem entrada em 60 vezes, em algumas concessionárias em até 72 prestações.

A nova realidade despertava três sentimentos, 1 – A gostosa sensação de finalmente conseguir comprar um carro zero km, 2 – Ao acelerar você sentia o carro amarrado, nada elástico com a sensação que um dia ele te deixaria no meio do caminho, 3 – Ao olhar a espessura do carnê das prestações e lembrar que 60 vezes correspondem a 5 anos, era um sentimento não tão animador.

Independente da montadora, marca ou modelo, entre 1990 e 1993, todos os modelos eram resistente exigiam pouca manutenção, mas eram lentos e amarrados, tanto na cidade como na estrada. A montadora italiana foi a primeira a conseguir desenvolver um modelo 1.0 um pouco mais elástico, tirando a sensação do motorista de que as válvulas sairiam pelo escapamento de tanto esticar as marchas para o carro andar.

O Uno ELX 94, ainda era carburado, mas chegou com um conjunto de motor e câmbio mais elástico que de seus antecessores, e ainda oferecia opcional para ar-condicionado. Dirigir um modelo 1.0 na cidade se tornou bem menos incomodo, na estrada também houve uma evolução significativa, ganhou a mais 16 km/h de velocidade final e ficou 6 segundos mais ágil em aceleração de 0 a 100, em relação a versão do ano anterior.

Desempenho

Estabilidade –  Com a mesma estrutura desde seu lançamento em 1984, era muito eficiente em curvas de alta, em retas e em altas velocidades, mesmo com o piso molhado.

Motor –  Utilizando o motor Fiat Fiasa 1.0, a gasolina de 56,1 cv, era muito confiável e de manutenção descomplicada.

Câmbio –  O câmbio manual de 5 velocidade, não tinham engates muito precisos, mas compensava por ser elástico e resistente.

Retomadas e ultrapassagens – O motor Fiasa 1.0 se comportava muito bem, sem falhas, respondia muito bem ao simples toque ao pedal do acelerados. Mas como todo carro 1.0, com o ar-condicionado ligado, e/ou com 5 adultos e porta malas cheio, era sempre bom negociar bem as ultrapassagens.

Consumo –  Para um motor 1.0 a gasolina, de um carro que pesava 860 kg, fazer 10,2 km/l na cidade, era dentro do esperado para a época. O ponto negativo ficava para o consumo com o carro pesado, três adulto e porta malas cheio, consumia bem mais que os esperado. Mais detalhes na ficha técnica no final do post.

Acabamento Externo

Faróis –  Retangular de lentes planas;

Setas dianteiras – Embutidas no mesmo conjunto dos faróis;

Para – choques –  Envolventes na cor grafite;

Faróis de neblina – Não;

Grade de ar do motor – Em lâminas de plástico na horizontal na cor da carroceria;

Retrovisores Externos – Panorâmico com ajuste mecânico interno;

Frisos – Não;

Rodas – Rodas de aço 165/70 R13;

Maçanetas – Na cor grafite;

Logo – “Uno ELX” na tampa do porta malas;

Lanterna Traseira – Tricolor com luz de ré;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Sim;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com mostradores básicos em escala circular;

Conta – giros – Não;

Acabamento do painel – Em vinil;

Volante – Espumado de 4 raios;

Sistema de som – Opcional;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Opcional;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Não;

Relógio – Digital;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Manual basculante;

Sistema de travamento das portas – Mecânico;

Ajuste dos retrovisores externos – Mecânico interno;

Acabamento dos bancos – Tecido;

Acabamento das portas – Em vinil e tecido;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Sem acessórios;

Encosto de cabeça – Para dois passageiros nos bancos dianteiros, com ajuste de altura;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Sim;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Acarpetado;

Ficha Técnica – Uno ELX 94 – 4 portas

Carroceria – Hatch;

Porte – Compacto;

Portas – 2;

Motor –  Fiasa 1.0;

Cilindros – 4 em linha;

Válvulas por cilindro – 2;

Posição – Transversal;

Combustível – Gasolina;

Potência – 56,1 cv;

Peso Torque – 104,9 kg/kgfm;

Cilindrada – 994 cm³;

Torque máximo – 8,2 kgfm a 3250 rpm;

Potência Máxima – 6000 rpm;

Tração – Dianteira;

Alimentação –  Carburador;

Direção – Simples;

Câmbio – Manual de 5 velocidades com alavanca no assoalho;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Freio a disco sólido nas rodas dianteiras e tambor nas rodas traseiras;

Peso – 860 kg;

Suspensão dianteira – Independente, McPherson – Mola helicoidal;

Suspensão traseira – Independente, McPherson – Feixe de molas semielípticos;

Comprimento – 3644 mm;

Distância entre-eixos – 2361 mm;

Largura – 1548 mm;

Altura – 1445 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 18,2 Segundos;

Velocidade máxima – 149 km/h;

Consumo: Cidade 10,2 km/l – Estrada 14 km/l;

Autonomia: Cidade 510 km – Estrada 700 km;

Porta malas – 290 Litros;

Carga útil – 400 kg;

Tanque de combustível – 50 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 70.199,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.

Deixe um comentário