SP 2 Volkswagen, um raro colecionável que quase foi 100% extinto na década de 1980

Compartilhe

O SP 2 Volkswagen da nossa matéria, sem dúvida foi um dos projetos mais importantes produzidos em solo brasileiro. Desenvolvido no departamento de estilo da fábrica de São Bernardo do Campo (SP), o esportivo foi desenhado e projetado por brasileiros.

Durante sua saga entre 1972 e 1976, foi posicionado pela montadora como um um esportivo compacto, apesar de ter a mesma distância entre eixos do VW Fusca, e 259 mm a menos de comprimento, que o médio Ford Corcel 1 GT. Economicamente figurava no mercado como modelo de médio porte.

Um cupê refrigerado a ar, com motor Boxer 1.7 e um câmbio desenvolvido especificamente para o SP2, o chamado câmbio longo, quando você esticava as marchas parecia que não teria mais fim. Após ser descontinuado em 1976, um de seus maiores predicados, seu câmbio único, quase leva o carro durante a década de 1980, a total extinção.

Durante a década de 1980, o SP2 entrou para o grupo de carros usados, pouco procurado nas lojas, para muitos comerciantes não era um bom negócio. Mas com a explosão de Fuscas e VW Brasília preparados para competição, principalmente em São Paulo, com o famoso rachão em interlagos, ou nas madrugadas nas principais avenidas dos grandes centros. A procura por motores 1.7 boxer e principalmente câmbios de SP2 aumentaram consideravelmente.

Muitos exemplares já bem desvalorizados, em exposição para serem vendidos em lojas de carros usados, eram comprados desmontados e seu câmbio utilizado em conjunto com motores 1600 modificados para competição.

A procura era tão grande que chegou ao ponto de não haver mais disponível no mercado câmbio de SP2 para venda. Então iniciou a busca por unidades perdidas em ferro velho, onde o carro era comprado a preço de sucata apenas para utilizar o câmbio.

Mas curiosamente, alguns exemplares sobreviveram, guardados por fãs, ou simplesmente esquecidos em garagens ou em celeiros. Durante a década de 1990, com a chegada no Brasil da febre dos restauradores, e com o mercado dos colecionáveis crescendo, eles reapareceram. Hoje um exemplar em estado originalidade muito próximo de uma unidade de fábrica passa fácil dos R$ 200.000,00.

A unidade da nossa matéria, é um SP 2 Volkswagen, do ano de 1974, na cor prata, equipado com o motor Boxer 1.7 de 75 cv, torque máximo de 13 kgfm a 3400 rpm, velocidade final real de 161 km/h e aceleração de 0 a 100 em 17,4 segundos. Quanto ao consumo, fazia na cidade 6,9 km/l e na estrada 10,9 km/l.

Acabamento Externo

Faróis –  Duplos na horizontal, de lentes boleadas, embutidos com recuo;

Setas dianteiras – Embutidas embutidas no para – choque;

Para – choques –  Em lâminas de aço carbono na cor grafite;

Faróis de neblina – Não;

Grade de ar do motor – Entrada de ar forçado, nos para – lamas traseiros;

Retrovisores Externos – Cromados estilo raquete;

Frisos – Adesivo em toda a extensão lateral do carro;

Rodas – Rodas de aço 185/80 R14;

Maçanetas – Cromadas;

Logo – “VW-SP2” na tampa do porta malas;

Lanterna Traseira – Em cor única;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Não;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com diversos mostradores em escala circular;

Conta – giros – Sim;

Acabamento do painel – Em couro e madeira;

Volante – Esportivo de três raios, com acabamento em couro costurado a mão;

Sistema de som – Sim;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Não;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Sim;

Relógio – Analógico;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Manual basculante;

Sistema de travamento das portas – Mecânico;

Ajuste dos retrovisores externos – Manual;

Acabamento dos bancos – Em couro;

Acabamento das portas – Em couro;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Sem acessórios;

Encosto de cabeça – Para dois passageiros, nos bancos dianteiros com regulagem de altura;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Não;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Acarpetado;

Ficha Técnica – SP 2 Volkswagen – Do ano de 1974

Carroceria – Cupê;

Porte – Compacto;

Portas – 2;

Motor –  VW Boxer 1.7 refrigerado a ar;

Cilindros – 4 opostos horizontalmente;

Válvulas por cilindro – 2;

Posição – Longitudinal;

Combustível – Gasolina;

Potência – 75 cv;

Peso Torque – 68,5 kg/kgfm;

Cilindrada – 1678 cm³;

Torque máximo – 13 kgfm a 3400 rpm;

Potência Máxima – 5000 rpm;

Tração – Traseira;

Alimentação –  Carburador;

Direção – Simples;

Câmbio – Manual de 4 velocidades alongado com alavanca no assoalho;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Freio a disco sólido nas rodas dianteiras e tambor nas rodas traseiras;

Peso – 890 kg;

Suspensão dianteira – Independente, braço arrastado – Barra de torção;

Suspensão traseira – Independente semi eixo-oscilante – Barra de torção;

Comprimento – 4212 mm;

Distância entre-eixos – 2400 mm;

Largura – 1610 mm;

Altura – 1158 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 17,4 Segundos;

Velocidade máxima – 161 km/h;

Consumo: Cidade 6,9 km/l – Estrada 10,9 km/l;

Autonomia: Cidade 276 km – Estrada 436 km;

Porta malas – 141 Litros;

Carga útil – 245 kg;

Tanque de combustível – 40 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 132.990,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos.

Deixe um comentário