Ranger Splash V6 4.0 1995 com câmbio AT na coluna de direção simplesmente fantástico

Compartilhe

1994 desembarca no Brasil a nova geração de picapes médias, era o início do fim das picapes de grande porte, um novo tempo e novos conceitos

Como já citei em outras matérias, na década de 1990, ocorreu a transição da geração picapes rusticas de grande porte, para os modelos de médio porte, que entregavam uma nova tendência, equipamentos e acabamentos de carros de luxo em um utilitário, e a versão Ranger Splash V6 4.0 1995, é um ótimo exemplo.

O Brasil até o meio da década de 1980, tinha como preferência picapes de grande porte, robustas e com um acabamento básico, o tradicional pé de boi. Mas a nova geração de consumidores de automóveis, que surgiu na segunda metade da década de 1980, buscavam um algo a mais.

No início da década de 1990, com a abertura do mercado para as importações, as montadoras não perderam tempo, modelos como o Ranger Splash V6 4.0 1995, desembarcaram no Brasil, marcando uma nova tendência que dura até os dias de hoje.

Direção hidráulica e ar-condicionado de série, opcional para câmbio automático, que trazia novas tecnologias que permitiam que as picapes, fossem confortáveis e , muito eficientes como utilitários, além de um acabamento que lembravam muito os carros de luxo da época.

Tanto os modelos Ford Ranger, como Chevrolet S-10, e muitos modelos importados, não eram mais apenas veículos exclusivos para o trabalho, haviam se tornado sinônimo de ostentação, e também veículos de lazer.

Desempenho

Estabilidade –  A Ford conseguiu unir conforto e segurança na mesma suspensão, se tratando de um modelo importado, fazia a diferença.

Motor –  O motor 4.0 V6 de 162 cv, era de torque forte, macio e uniforme, digno de uma picape de luxo, destinada a área urbana ou em serviços leves na zona rural.

Câmbio –  O câmbio automático na coluna de direção, lembrava os modelos da década de 1970, mas com uma nova tecnologia, bem mais preciso e confiável.

Retomadas e ultrapassagens – Era eficiente e seguro, mesmo com carga máxima de 650 kg, perdia pouco fôlego.

Consumo –  Para um utilitário de médio porte a gasolina, pesando 1469 kg, fazer 8,2 km/l na cidade, era considerado uma ótima média para a época, mais detalhes na ficha técnica no final do post.

Acabamento Externo

Faróis –  De lentes planas, chanfrado nas extremidades.

Setas dianteiras – Embutidas no mesmo conjunto dos faróis;

Para – choques –  Envolventes na corda carroceria;

Faróis de neblina – Não;

Grade de ar do motor – De plástico, com o logo, Ford ao centro;

Retrovisor Externo – Panorâmico com ajuste elétrico interno;

Frisos – Adesivo personalizado, com o logo “Splash”;

Rodas – Cromadas, 255/70 R14;

Maçanetas – Embutidas na porta na cor grafite;

Logo – “Splash” na tampa da carroceria;

Lanterna Traseira – Tricolor, com luz de ré;

Bagageiro – Carroceria de aço;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Não;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com diversos mostradores em escala 180°;

Conta – giros – Não;

Acabamento do painel – Em vinil nas cores, bege e grafite;

Volante – Espumado de 4 raios;

Sistema de som – Sim;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Sim;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Sim;

Relógio – Digital, no sistema de som padrão Ford;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Elétrico;

Sistema de travamento das portas – Elétrico;

Ajuste dos retrovisores externos – Elétrico;

Acabamento dos bancos – Em fino tecido aveludado;

Acabamento das portas – Em vinil e carpete;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – N/D;

Encosto de cabeça – Para dois passageiros;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Não;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Carroceria em aço;

Ficha Técnica – Ranger Splash V6 4.0 1995

Carroceria – Picape;

Porte – Médio;

Portas – 2;

Motor –  Cologne 4.0;

Cilindros – 6 em V;

Posição – Longitudinal;

Peso Torque – 48,3 kg/kgfm;

Tração – Traseira;

Combustível – Gasolina;

Alimentação –  Injeção Multiponto;

Direção – Hidráulica;

Câmbio – Automático, com alavanca na coluna de direção;

Embreagem – Conversor de torque;

Freios – Freio a disco ventilado nas rodas dianteiras e tambor nas rodas traseiras;

Peso – 1469 kg;

Comprimento – 4674 mm;

Distância entre-eixos – 2743 mm;

Potência – 162 cv;

Cilindrada – 2958 cm³;

Torque máximo – 30,4 kgfm a 3000 rpm;

Potência Máxima – 4200 RPM;

Aceleração de 0 a 100 – 10,8 Segundos;

Velocidade máxima – 171 km/h;

Consumo: Cidade 8,2 km/l – Estrada 10,3 km/l;

Autonomia: Cidade 508 km – Estrada 639 km;

Porta malas – 1060 Litros;

Carga útil – 650 kg;

Tanque de combustível – 62 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 176.085,00 – Valor estimado para pessoa física.

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.joi

Deixe uma resposta