Peugeot 406 Coupé, com a carroceria desenvolvida nos estúdios Pininfarina

Compartilhe

O Peugeot 406 Coupé, foi uma das variações de carroceria do projeto da montadora francesa para substituir o 405 em 1995. Inicialmente nas carrocerias sedã e SW, posteriormente a carroceria Coupé desenvolvida nos estúdios Pininfarina, famosa em fazer projetos para o grupo Fiat/Ferrari, além de outras montadoras como, Lancia, General Motors, e Chery.

Aqui no Brasil todas as variações do modelo 406, chegaram para corrigir alguns erros de marketing da montadora ocorridos no início da década de 1990, ao subestimar o mercado brasileiro e as montadoras de elite que também haviam desembarcado por aqui, e principalmente as chamadas 4 nacionais Fiat, Ford, Chevrolet e Volkswagen.

Como já citado em outras matérias, a Peugeot ao desembarcar no Brasil em 1992/93, exigia de suas concessionárias, vendas em massa, para alcançar imediatamente o mesmo número de unidades emplacadas dos modelos médios em solo brasileiro como Fiat Tempra, VW Santana e Chevrolet Monza/Vectra/Kadett. Utilizando um marketing no mínimo curioso. Que modelos como o 405 entregavam a mesma qualidade e quantidade de equipamentos de exemplares de elite como Audi e BMW, a preço de modelos médios como as versões top de linha do Chevrolet Monza.

Na prática, eram carros que lá na França, já considerados com tecnologia ultrapassada, e aqui no Brasil utilizavam equipamentos e tecnologia já conhecidas no velho e ultrapassado projeto do VW Santana, como freios ABS e injeção eletrônica multiponto. Os modelos franceses ainda tinham um preço bem salgado, e as manutenções assim como suas peças, eram de valores de carros de Elite como BMW e Audi.

Voltando a falar do Peugeot 406 Coupé, a nova geração de modelos médios e de grande porte da montadora francesa, a partir da segunda metade da década de 1990, veio para colocar ordem no catálogo da fábrica, modelos de alto custo, porém com qualidade equivalente.

A unidade da nossa matéria, é um, Peugeot 406 Coupé Pininfarina do ano de 1999, com o motor ES9J4S 3.0 V6 que a partir do segundo semestre de 1999 passou a ter potência de 207 cv , com torque máximo de 29 kgfm a 3750 rpm, velocidade final real de 232 km/l e aceleração de 0 a 100 em 9,5, e Suspensão eletrônica com regulagem esportiva.

Desempenho

Estabilidade –  O conjunto do projeto, era muito eficiente. A suspensão mais rígida dava ao carro o equilíbrio de um verdadeiro esportivo.

Motor –  Utilizando o motor ES9J4S 3.0 V6 de 207 cv, era robusto e muito ágil.

Câmbio –  O câmbio Automático de 4 velocidades, entregava conforto sem perder a esportividade.

Retomadas e ultrapassagens – Com bastante fôlego e respostas imediatas ao pedal do acelerador, era seguro e eficiente.

Consumo –  O consumo estava dentro do esperado para um modelo 3.0 V6 da década de 1990 6,7 km/l na cidade. Mais detalhes na ficha técnica no final do post.

Acabamento Externo

Faróis –  Com luzes de longo alcance e lanternas, embutidas dentro de um mesmo conjunto, com uma lente que seguiam as linhas do carro;

Setas dianteiras – Embutidas no mesmo conjunto dos faróis;

Para – choques –  Envolventes na cor da carroceria;

Faróis de neblina – Sim;

Grade de ar do motor – Abaixo dos para – choque;

Retrovisores Externos – Panorâmicos, com ajuste elétrico interno;

Frisos – Emborrachados em toda a extensão lateral do carro;

Rodas – Rodas de liga-leve 215/55 R16;

Maçanetas – Embutidas;

Logo – “406” Na tampa do porta – malas;

Lanterna Traseira – Bicolor acompanhando as linhas do carro;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Não;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com diversos mostradores em escala circular + Computador de bordo;

Conta – giros – Sim;

Acabamento do painel – Em vinil e couro, em tons grafite e cinza;

Volante – Espumado de 4 raios, com acabamento em couro;

Sistema de som – Sim;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Digital;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Sim;

Relógio – Digital;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Elétrico;

Sistema de travamento das portas – Elétrico;

Ajuste dos retrovisores externos – Elétrico;

Acabamento dos bancos – Em couro;

Acabamento das portas – Em vinil e couro;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Com cinto de segurança de três pontos e encosto de cabeça para dois passageiros;

Encosto de cabeça – Para quatro passageiros;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Sim;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Acarpetado;

Ficha Técnica – Peugeot 406 Coupé

Carroceria – Cupê;

Porte – Grande;

Portas – 2;

Motor – 3.0;

Cilindros – 6 em V;

Válvulas por cilindro – 4;

Posição – Transversal;

Combustível – Gasolina;

Potência – 207 cv;

Peso Torque – 51,0 kg/kgfm;

Cilindrada – 2946 cm³;

Torque máximo – 29 kgfm a 3750 rpm;

Potência Máxima – 6000 rpm;

Tração – Dianteira;

Alimentação –  Injeção Multiponto;

Direção – Hidráulica;

Câmbio – Automático de 4 marchas;

Embreagem – Conversor de torque;

Freios – Freio ABS a disco ventilado nas rodas dianteiras e disco sólido nas rodas traseiras;

Peso – 1478 kg;

Suspensão dianteira – Independente, McPherson – Mola helicoidal;

Suspensão traseira – Independente, multibraços – Mola helicoidal;

Comprimento – 4615 mm;

Distância entre – eixos – 2700 mm;

Largura – 1780 mm;

Altura – 1354 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 9,5 Segundos;

Velocidade máxima – 232 km/h;

Consumo: Cidade 6,7 km/l – Estrada 10,7 km/l;

Autonomia: Cidade 469 km – Estrada 749 km;

Porta malas – 390 Litros;

Carga útil – 452 kg;

Tanque de combustível – 70 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 394.990,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.

Deixe um comentário