fbpx
Pular para o conteúdo

Opala SS Coupé 4.1 1975 O puro sangue da Chevrolet nos anos 1970

Compartilhe

1975 marcou o último ano da versão esportiva SS com motor de 4.1 de 140 cv e torque máximo 29 kgfm, com tuchos hidráulicos.

A partir do segundo semestre do mesmo ano já como modelo 1976, o esportivo da Chevrolet passa a ser equipado com o motor 4.1 de 171 cv e torque máximo de 32,5 kgfm, com tuchos mecânicos.

1975 a família Opala também ganha cara nova, com nova grade de ar e lanternas traseiras redondas dupla, posicionada na horizontal, deixando o carro com um visual mais moderno e melhorando sinalização noturna.

Desempenho

Estabilidade –  O conjunto, carroceria, chassi e suspensão, dava ao carro um equilíbrio, entre os muscle cars da década de 1970, era considerado o mais equilibrado.

Motor –  Utilizando o motor Chevrolet 4.1 cód – 250 de 140 cv, era robusto, e com um giro bastante estável em altas rotações, confiável, mas o custo das manutenções preventivas e corretivas de um modelo 0 km, estavam apenas ao alcance da classe alta.

Câmbio –  O câmbio automático de 4 velocidades, era eficiente, de engates precisos e exigia pouca manutenção, mas as relações eram muito longas para um esportivo.

Retomadas e ultrapassagens – Tinha um motor elástico com muito fôlego, que respondia muito bem ao pedal do acelerador, se tornando seguro e eficiente.

Consumo –  Para um modelo de grande porte de alto custo, com um motor de 6 cilindros fazer em média 5 km/l na cidade estava dentro do esperado para a época, mais detalhes na ficha técnica no final do post.

Imagens Pastore Car Collection.

Imagens Pastore Car Collection.

Imagens Pastore Car Collection.

Imagens Pastore Car Collection.

Imagens Pastore Car Collection.


Acabamento Externo

Frente com faróis redondos, com setas embutidas na lateral.

Grade de ar dianteira com o logo SS em vermelho.

Larga faixa preta no capô dianteiro.

Para-Choques em lamina de aço cromados.

Logo esportivo na lateral do carro SS – 6.

Logo na lateral do para-lama dianteiro “4100”.

Adesivo preto esportivo na lateral traseira representando o efeito Doppler.

Lanternas traseiras duplas na horizontal.

Rodas esportivas R14.

Pneus BF Goodrich Radial T/A 225/60R14.

Imagens Pastore Car Collection.

Imagens Pastore Car Collection.

Imagens Pastore Car Collection.


Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com mostradores em escala circular;

Conta – giros – Sim;

Acabamento do painel – Em vinil e cor preto;

Volante – Esportivo de três raios;

Sistema de som – Sim;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Opcional;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Não;

Relógio – Não;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Manual basculante;

Sistema de travamento das portas – Mecânico;

Ajuste dos retrovisores externos – Manual;

Acabamento dos bancos – Em vinil;

Acabamento das portas – Em vinil;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Sem acessórios;

Encosto de cabeça – Não;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Não;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Acarpetado;

Imagens Pastore Car Collection.

Imagens Pastore Car Collection.

Imagens Pastore Car Collection.

Imagens Pastore Car Collection.

Imagens Pastore Car Collection.

Imagens Pastore Car Collection.

Imagens Pastore Car Collection.

Imagens Pastore Car Collection.

Imagens Pastore Car Collection.


Ficha Técnica – Opala SS Coupé 4.1 1975

Carroceria – Coupé;

Porte – Grande;

Portas – 2;

Motor –  4.1 cód 250;

Cilindros – 6 em linha;

Válvulas por cilindro – 2;

Posição – Longitudinal;

Combustível – Gasolina;

Potência – 140 cv;

Peso Torque – 37,93 kg/kgfm;

Cilindrada – 4092 cm³;

Torque máximo – 29 kgfm a 2400 rpm;

Potência Máxima – 4000 rpm;

Tração – Traseira;

Alimentação –  Carburador;

Direção – Simples;

Câmbio – Manual de 4 velocidades com alavanca no assoalho;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Disco sólido nas rodas dianteiras e tambor nas rodas traseiras;

Peso – 1100 kg;

Suspensão dianteira – Independente, braços sobrepostos – Mola helicoidal;

Suspensão traseira – Eixo rígido, barra Panhard – Mola helicoidal;

Comprimento – 4671 mm;

Distância entre-eixos – 2667 mm;

Largura – 1758 mm;

Altura – 1380 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 13,5 Segundos;

Velocidade máxima – 174 km/h;

Consumo: Cidade 5 km/l – Estrada 7,5 km/l;

Autonomia: Cidade 270 km – Estrada 405 km;

Porta malas – 430 Litros;

Carga útil – Não informado;

Tanque de combustível – 54 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ R$ 191.219,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.


Imagens Pastore Car Collection.

Imagens Pastore Car Collection.

Imagens Pastore Car Collection.

Imagens Pastore Car Collection.

Imagens Pastore Car Collection.



Motor Tudo – Chevrolet Opala SS 4.1 coupé 1975.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.

Carros dos anos 70 – Carros clássicos brasileiros.

2 comentários em “Opala SS Coupé 4.1 1975 O puro sangue da Chevrolet nos anos 1970”

  1. Velhas lembranças, quando o papai tirou este Opala ’83 da concessionária Chevrolet MOTORAUTO de BH, num sábado de manhã, eu estava junto, pra dirigir, coisa que o meu velho não sabia fazer, nem queria saber: o ‘negócio’ dele era passear de carro, de preferência o mais rápido possível.
    O vendedor da MOTORAUTO observou: – “O sr. gosta de carro verde, né doutor! Porque?”.
    O velho, piadista de carteirinha, daqueles que perdem o amigo, mas nunca a piada, respondeu em tom solene:
    – “É por causa da fotossínteseeee…”.
    O vendedor ficou encabulado: – “Ah, é mesmo doutor! A fotossíntese… É, a fotossíntese, é claro…”.
    BONS TEMPOS!
    . . . . .

  2. Excelente carro!
    Em 1984, cerca de dois anos após eu vir morar em SJC, meu velho me telefonou: – “Vou vender o Opala. Quer ficar com ele?”.
    Fiquei com ele. Era um 4100 ’83 coupé a álcool, verde petróleo, motorzão amarelo, cujo prazer de dirigir começava na hora de ligar o carro, pelo ronco inconfundível do motor, super bem equilibrado nos sete mancais de apoio do ‘vira’!
    A bem da verdade, o Opala era meio “alcoólatra”, mas, não há rosa sem espinhos: o grande Churchill igualmente era (alcoólatra) e eu aprecio uma cachacinha mineira ‘de corpo’.
    Nesse carro só faltava um detalhe que o meu velho amigo, ‘Tavinho’ Soffiatto, “DETALHOU” para mim: um dimensionado (escapamento dimensionado), com todos os canos de cada cilindro do mesmo comprimento, de igual diâmetro, sem sequer uma ruga, e COM SCAVENGING PERFEITO!
    Para quem desconhece, scavenging é o processo de extrair a carga de gases da combustão para fora do cilindro e puxar uma nova mistura ar / combustível para o próximo ciclo. Caso o leitor vá a um churrasco enfumaçado é porque a chaminé da churrasqueira não tem o scavenging – a tiragem correta.
    Importante registrar, ‘Tavinho’ Soffiatto é o pai dos dimensionados no Brasil.
    O escapamento “seis-em-dois” não tinha silenciosos, porém só abafadores tipo ‘JK’, três em linha por cano, seis no total; infelizmente ainda não existiam os de aço inox.
    Uma vez instalado o novo escapamento, Soffiatto ligou o carro: o 4100, então, “respirou a plenos pulmões” !!! Em seguida, disse: – “Ficaria ainda melhor com três Weber 40…”.
    Aí, um camarada que se tornou meu amigo, o Márcio Campos, fez psiu para mim: – “Psiu! Vem cá: não precisa dos Weber, joga combustível fora. Melhor é um Holley quadrijet de uns 800 CFM, mas o Edelbrock de Maverick também fica jóia…”.
    Quadrijet num motor seis cilindros em linha? Fiquei por entender: sou mineiro do interior, à época com perto de apenas dois anos em São Paulo.
    O Márcio “Baixinho” explicou: – “É meu! Com coletor OFFENHAUSER. Fica dez-do-brasil! E tem a vantagem de os Holley e os Edelbrock trabalharem bem com álcool, que é o seu caso…”. Com efeito, embora a liga metálica de ambos os carburadores não fosse (hoje eu não sei se é) a Zamak, sua anodização muito bem feita “segurava a onda” da ingrata flegma do álcool daquela época, que desgraçava a vida dos carburadores.
    Dois meses depois, eu no serviço em São José dos Campos, me liga o “Baixinho”: – “Meu: tá na mão o coletor e o quadrijet, quadrijet de “Maveco”, tem de adaptar as bocas do coletor, mas eu sei de um cara que faz…”.
    Resumindo, com o dimensionado Soffiatto, mais o OFFENHAUSER adaptado, mais o Edelbrock de “Maveco”, o Opalão tornou-se FURIOSO! Oportuno observar, na “boinha”, pé relado, ficou um pouco menos alcoólatra.
    Quando, em 1969, meu velho comprou o primeiro Opala lá de casa, um 3800 “De luxo” verde-velho, o cunhado dele, ‘tio’ Zé Eduardo, tinha um Aero-Willys. Meu primo, Raymundinho, “rachador” impenitente de Aero-Willys, disse ao motorista do velho, o Adilson: – “Duvido que ande que nem o Aero !!!”.
    Adilson respondeu: – “Ih, rapaz! Tá dizendo besteira! É até covardia!”.
    ERA ATÉ COVARDIA MESMO.
    . . . . .

Carros antigos

Fusca Oval, a geração CKD importada em parceria com a Brasmotor e a VW Gol GTS 87 o único ano com painel quadrado e um preço muito salgado Porsche 911 verde, o Carrera RS Clone 78, ganha motor 3.3, e novo sistema de alimentação Chevrolet Master 85, a geração JB de 1939 exportada para o Japão Vectra GSi, 2.0 16V SFi, alcançava 210 km/h e ainda fazia na cidade 10,6 km/l Fusca branco, capim e formiga é o que mais tem no Brasil, era um ditado da década de 1970 Caminhonete D10, a arma da GM para enfrentar o Ford F-1000 Elba carro – Chega ao Brasil o SW da família Uno, que tirou o sono dos SW Compacto VW e GM Fiat Oggi CSS 1.4 1984 conheça o Esportivo da Família 147 Vectra Elegance, em 2009 o médio de luxo da Chevrolet ainda causava frisson

CONTATO Fale Com o Motor Tudo no Facebook.

Carros antigos