Gol GTi 91 O mesmo Gol quadrado mas de frente nova

Atendendo as legislações norte-americanas para a exportação do irmão Voyage/Fox, ganha nova frente e se torna mais estável

Ele foi apresentado no salão do automóvel no final de 1988, já como modelo 1989, o primeiro Gol quadrado injetado teve seus altos e baixo nos dois primeiros anos de produção, mas a versão Gol GTi 91, além de trazer novo visual foi a mais estável até aquele ano.

Com nova grade de ar do motor, novos faróis mais estreitos e as setas dianteiras com refletivo lateral âmbar, passa a ter novo visual, tudo para atender a legislação do Tio Sam, na exportação do Voyage/Fox, mas sem dúvida a mudança mais significativa ficou de baixo do capô com o acerto do sistema de alimentação.

Entre os anos de 1989 e 1990, os primeiros carros nacionais não apenas da Volkswagen mas também da família Chevrolet, apresentavam problemas de adaptação do sistema de injeção eletrônica, consumo acima do esperado, e falhas ao ligar o carro e em retomadas, alguns culpam a má qualidade da nossa gasolina, outros dizem que o moderno sistema demorou a se adaptar aos motores nacionais.

Entre mortos e feridos a montadora Volkswagen conseguiu acertar o problema já no final de 1990, a versão Gol GTi 91, chegou mais robusta deixando para trás o difícil início do pioneirismo do sistema Injetado no Brasil.

Desempenho

Estabilidade –  O conjunto, carroceria, chassi e suspensão, do Gol quadrado ainda era a melhor do mercado ao lado do Fiat Uno e Chevrolet Kadett, seguro e muito eficiente, tanto em curvas de alta, como em retas em velocidades acima de 180 km/h.

Motor –  Utilizando o motor Volkswagen AP 2.0i de 120 CV atingia velocidade final real de 181 km/h, conforme ficha técnica da montadora, era robusto e de respostas rápidas. Mas alguns entendidos da época, afirmavam que na prática o carro tinha por volta de 125 ou 127 CV e chegava e atingir velocidade final real acima de 190 km/h.

Câmbio –  O câmbio manual de 5 velocidades, era um dos melhores do mercado, com relações curtas, respostas muito rápidas e engates precisos, mesmo nas trocas rápidas de era muito macio e eficiente.

Retomadas e ultrapassagens – O motor AP 2.0i tinha muito fôlego, era elástico e respondia rápido ao acelerador.

Consumo –  Para um motor de 4 cilindros a gasolina de um carro de compacto, se esperava um consumo mais moderado, mas se tratando de um esportivo com motor 2.0, mesmo sendo injetado 8,7 km/l na cidade estava de bom tamanho.

Acabamento Externo

Faróis –  Retangulares de lentes planas;

Setas dianteiras – Embutidas no mesmo conjunto com os faróis refletivo lateral âmbar;

Para – choques –  Envolventes bicolor;

Faróis de neblina – Embutido no para – choque dianteiro, acompanhando as linhas do carro;

Grade de ar do motor – Em lâminas de plástico na horizontal, com moldura na cor grafite;

Retrovisores Externos – Panorâmicos, com ajuste elétrico interno na cor do carro;

Frisos – Largo friso lateral emborrachados em toda a extensão do carro;

Rodas – Rodas de aço 185/60 R14;

Maçanetas – Na cor grafite;

Logo – “GTi” na tampa do porta malas;

Lanterna Traseira – Tricolor fumê com luz de ré;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Sim;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com mostradores em escala circular e indicadores em vermelho, dando um ar mais esportivo;

Conta – giros – Sim;

Acabamento do painel – Em vinil na cor grafite;

Volante – Espumado estilo quatro bolas;

Sistema de som – Sim;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Sim;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Sim;

Relógio – Digital, junto com os mostradores;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Elétricos;

Sistema de travamento das portas – Elétrico;

Ajuste dos retrovisores externos – Elétrico;

Acabamento dos bancos – Em tecido plástico em tons cinza e amarelo;

Acabamento das portas – Em vinil e tecido aveludado;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Sem acessórios;

Encosto de cabeça – Para dois passageiros, nos bancos dianteiros com regulagem de altura;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Sim;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Acarpetado;

Ficha Técnica – Gol GTi 91

Carroceria – Hatch;

Porte – Compacto;

Portas – 2;

Motor –  AP 2.0i;

Cilindros – 4 em linha;

Posição – Longitudinal;

Peso Torque – 58,57 kg/kgfm;

Tração – Dianteira;

Combustível – Gasolina;

Alimentação –  Injeção Multiponto;

Direção – Simples;

Câmbio – Manual de 5 velocidades, alavanca no assoalho;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Freio a disco ventilado nas rodas dianteiras e tambor nas rodas traseiras;

Peso – 1025 kg;

Comprimento – 3849 mm;

Distância entre-eixos – 2358 mm;

Potência – 120 CV;

Cilindrada – 1984 cm³;

Torque máximo – 17,5 kgfm a 3000 rpm;

Potência Máxima – 5600 RPM;

Aceleração de 0 a 100 – 9,2 Segundos;

Velocidade máxima – 181 km/h;

Consumo: Cidade 8,7 km/l – Estrada 13,6 km/l;

Autonomia: Cidade 408,9 km – Estrada 639,2 km;

Porta malas – 146 Litros;

Carga útil – 345 kg;

Tanque de combustível – 47 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 85.165,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.

Please follow and like us:

Deixe uma resposta