GOL GTi 2.0 1992 a impressionante evolução de um compacto em 12 anos

Compartilhe

A montadora pode ter errado no primeiro motor e câmbio em 1980, mas desenvolveu uma estrutura tão avançada, que mesmo 12 anos depois, ainda utilizou o conjunto de motor e câmbio do valente GTi 2.0

O Gol GTi 2.0 1992, alcançava 185 km/h de velocidade final real, e aceleração de 0 a 100 em 8,8 segundos, mas não era apenas o desempenho que chamava a atenção, o carro era muito robusto, uma suspensão resistente e muito eficiente. O motor em altas rotações tinha um giro muito estável, com uma velocidade de cruzeiro, vista apenas em modelos de luxo de alto custo, se mantendo acima de 170 km/h por longos períodos sem oscilações.

Se analisarmos o conjunto motor e câmbio de 1980, o 1300 a álcool refrigerado a ar, com um desempenho no mínimo bizarro, e olharmos o mesmo carro, entre os anos de 1989 e 1994, já na versão 2.0 injetada, verificamos que o projeto que foi desenvolvido no final da década de 1970, era extremamente eficiente, e a impressionante capacidade da montadora de evoluir, com muita competência seus carros.

O GOL GTi 2.0 1992, aqui da matéria, ainda trazia itens de luxo como; direção hidráulica, ar-condicionado, e trio elétrico. Mas como tudo que entrega qualidade e quantidade, o preço também era de tirar o fôlego, uma unidade zero km, não chegaria a sua garagem por menos de R$ 119.832,00.

Desempenho

Estabilidade –  O projeto, dava ao carro uma ótima estabilidade, mesmo desenvolvido no final da década de 1970, ainda era considerado atualizado para a década de 1990.

Motor –  Utilizando o motor VW AP 2.0 de 112 cv a gasolina, era robusto, rápido e muito confiável, mesmo com carga máxima de peso, praticamente não perdia o fôlego.

Câmbio –  O câmbio manual de 5 velocidades, era de relações curtas, dando ao carro um ar mais esportivo, os engates eram precisos e macios, mesmo em trocas rápidas ainda se mantinha eficiente.

Retomadas e ultrapassagens – Com um motor elástico com muito fôlego, que respondia muito bem ao pedal do acelerador, era um dos modelos em solo brasileiro mais seguro e confiável.

Consumo –  Para um esportivo de pneus largos e motor 2,0, fazer 8,7 km/l na cidade, era um grande virtude, mais informações na ficha técnica no final da matéria.

Acabamento Externo

Faróis –  Faróis retangulares de lentes planas, mudança realizada em 1991 para atender novas legislações norte americanas;

Setas dianteiras – Embutidas no mesmo conjunto dos faróis;

Para – choques –  Envolventes em duas tonalidades de cinza e na cor da carroceria, dando um ar mais esportivo;

Faróis de neblina – Sim, e Luzes de longo alcance posicionadas acima do para – choque dianteiro;

Grade de ar do motor – Com frisos na horizontal na cor grafite;

Retrovisores Externos – Panorâmicos pintados na cor da carroceria, com ajuste elétrico interno;

Frisos – Largo friso emborrachado em toda a extensão lateral do carro, com cores que acompanham o acabamento dos para – choques;

Rodas – De de liga – leve 185/60 R14;

Maçanetas – Na cor grafite;

Logo – “2000 – GTi”, Na tampa do porta–malas;

Lanterna Traseira – Tricolor fumê tradicional do Gol GTi;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Sim;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com botões satélites, com mostradores em escala circular, e indicadores na cor laranja;

Conta – giros – Sim;

Acabamento do painel – Em vinil nas cores cinza e grafite;

Volante – Quatro bolas espumado, com forração em couro;

Sistema de som – Sim;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Sim;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Não;

Relógio – Digital no centro dos mostradores;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Elétrico;

Sistema de travamento das portas – Elétrico;

Ajuste dos retrovisores externos – Elétrico;

Acabamento dos bancos – Recaro, com estampa em diferentes combinações de cores, do cinza ao vermelho;

Acabamento das portas – Em vinil e tecido;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Sem acessórios;

Encosto de cabeça – Vazado para dois passageiros com regulagem de altura nos bancos dianteiros;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Sim;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Acarpetado;

Ficha Técnica – VW Gol GTi 2.0 1992

Carroceria – Hatch;

Porte – Compacto;

Portas – 2;

Motor –  AP 2.0i;

Cilindros – 4 em linha;

Válvulas por cilindro – 2;

Posição – Longitudinal;

Combustível – Gasolina;

Potência – 112 cv;

Peso Torque – 58,6 kg/kgfm;

Cilindrada – 1984 cm³;

Torque máximo – 17,5 kgfm a 3400 rpm;

Potência Máxima – 5600 rpm;

Tração – Dianteira;

Alimentação –  Injeção Multiponto;

Direção – Simples;

Câmbio – Manual de 5 velocidades com alavanca no assoalho;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Freio a disco ventilado nas rodas dianteiras e tambor nas rodas traseiras;

Peso – 1025 kg;

Suspensão dianteira – Independente, McPherson – Mola helicoidal;

Suspensão traseira – Eixo torção – Mola helicoidal;

Comprimento – 3849 mm;

Distância entre-eixos – 2358 mm;

Largura – 1601 mm;

Altura – 1350 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 8,8 Segundos;

Velocidade máxima – 185 km/h;

Consumo: Cidade 8,7 km/l – Estrada 13,6 km/l;

Autonomia: Cidade 409 km – Estrada 639 km;

Porta malas – 146 Litros;

Carga útil – 345 kg;

Tanque de combustível – 47 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 119.832,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.joi

Deixe uma resposta