Fusca 1600 1995 em meio a importados e aos modernos 1.0 populares ele sobrevivia

Compartilhe

O famoso Fusca Itamar, trazia basicamente a mesma estrutura desde do início da década de 1950, ao longo das décadas, recebeu importantes atualizações, principalmente no chassi, suspensão, e no conjunto motor e câmbio, a versão Fusca 1600 1995, era uma das versões no retorno do besouro ao mercado, a pedido do presidente Itamar.

Entre os anos de 1993 e 1996 foram emplacados aproximadamente 47.000 unidades, um número baixo para um modelo popular, que tinha preço reduzido e isenções de impostos, em comparação ao último modelo produzido em 1986, o Fusca tinha diversas mudanças estruturais.

Freios a disco na dianteira com duplo circuito por eixo;

Barras estabilizadoras dianteira e traseira;

Ignição eletrônica e dupla carburação com sistema de reaproveitamento de gases;

Câmbio de 4 velocidades à frente modernizado e relação de diferencial mais longo;

Cinto de segurança retrátil de três pontos;

Bancos dianteiros com encosto para cabeça e reclináveis;

Luz de ré;

Pisca-alerta com acionamento na coluna de direção;

Limpador de duas velocidades com acionamento na coluna de direção;

Para-brisa laminado degradê;

Pintura metálica e para-choques na cor do veículo ;

Pneus radiais sem câmara;

Acendedor de cigarros elétrico;

Desembaçador elétrico do vigia traseiro (opcional);

Luz de longo alcance (opcional);

Vidros verdes (opcional);

Escapamento em saída única com catalisador;

Motor 1.6 melhorado a gasolina ou a álcool com 58,7 cv;

Direção com trava na coluna;

Acabamento interno em carpete (Nos forros laterais era opcional) e tecido nos bancos;

Mesmo com tantas inovações, a estrutura já ultrapassada do Fusca, esbarrou em um mercado já bastante atualizado, em meio a Chevrolet Corsa, Fiat Uno e Gol Bola, que ofereciam diversas opções de modelos, as vendas não decolaram.

Desempenho

O motor VW Box 1.6, modelo tork, ganhava fôlego e agilidade com as adaptações para a década de 1990, utilizando um silencioso com catalizador, na saída do escapamento, ficou com um nível de ruído mais baixo.

Na estrada era mais eficiente e seguro em ultrapassagens e retomadas, indo de 0 a 100 em 14,3 segundos, e velocidade final de 140,2 km/h.

O desempenho em curvas de alta e a estabilidade em retas era basicamente a mesma do modelo do final da década de 1980, com exceção das versões equipadas com amortecedores tubo gás, que dava ao besouro um pouco mais de eficiência.

Acabamento Externo

Frente com faróis redondos de lentes planas, embutidos em moldura cromada;

Setas dianteiras sobre os para – lamas com corpo de acrílico;

Para – choques em lâminas de aço carbono, cromados;

Luzes de longo alcance, sobre os para – choques dianteiros – Opcional;

Rodas de aço tradicionais Família 1600;

Retrovisor preto de plástico estilo raquete, com ajuste manual;

Maçanetas na cor grafite;

Adesivo amarelo em toda a extensão lateral do carro;

Lanternas traseiras tricolor com Luz de ré, “Fafá”;

Logo “Volkswagen” e “Fusca” na tampa do motor;

Acabamento Interno

Painel com acabamento em plástico, mostradores básicos em escala quadrada;

Volante de dois raios, de plástico injetado;

Acendedor de cigarros e cinzeiro embutido no painel;

Ventilador;

Acabamento de portas em vinil, em tons cinza;

Acabamento dos bancos em tecido plástico cinza;

Encosto de cabeça no banco dianteiro com regulagem de altura;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro;

Assoalho acarpetado.

Ficha Técnica – Fusca 1600 1995

Carroceria VW;

Porte Compacto;

2 portas;

Motor VW Box 1600 refrigerado a ar – modelo Tork;

Cilindros 4 opostos;

Longitudinal;

Tuchos Mecânicos;

Tração Traseira;

Combustível Gasolina;

Carburador;

Direção Simples;

Câmbio manual de 4 marchas;

Embreagem monodisco a seco;

Freios a disco sólido nas rodas dianteiras e tambor nas rodas traseiras;

Peso 796 kg;

Potência 58,7 cv;

11,9 kgfm a 2800 rpm;

Potência Máxima 4300 rpm;

De 0 a 100 – 14,3 Segundos;

Velocidade máxima 140,2 km/h;

Consumo na Cidade 8,4 km/l – Estrada 9,7 km/l;

Autonomia: Cidade 344,4 km – Estrada 397,7 km;

Porta malas 141 Litros;

Carga útil Não informado;

Tanque de combustível 41 Litros;

Preço atualizado – R$ 49.540,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

Motor Tudo – Fusca 1600 1995

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.

Carros Clássicos Brasil – Fusca Itamar

6 comentários sobre “Fusca 1600 1995 em meio a importados e aos modernos 1.0 populares ele sobrevivia”

    1. O Motor Tudo NÃO trabalha com vendas ou qualquer outro tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros, leia a matéria na integra com atenção que entenderá. Obrigado

  1. bom dia foi o primeiro carro zero que eu tirei na minha vida fusca 1.995, verde taiti, fiquei 03 anos com ele. o pessoal me criticava porque você não tirou um Corsa, um Fiat Uno zero foi tirar um Fusca. e foi um grande prazer. fiquei com ele 03 anos apenas, tive um problema na coluna e infelizmente precisei vender. mas fiquei muito feliz nesses 03 anos nunca me deixou na mão e andava pra caramba.

  2. A melhor versão que tivemos aqui no Brasil ! Tenho um igual ao da matéria cor verde Taiti ano 95/95 gasolina com 77.530 km originais.Muito gostoso de dirigir .
    Tenho visto suas matérias no Memória Volks Br ! Muito legais!

  3. Uma colega de trabalho, naqueles tempos da década de 1990 teve um. Ela gostava do carro, apesar de haver outras opções mais modernas, naqueles tempos. Depois, acabou trocando por um Gol com arrefecimento a água, e finalmente por um Escort Hobby 1.0. Sei que, há pouquíssimo tempo, viajando para o interior de São Paulo, mais especificamente a região de Águas de Lindóia, vi muitos Fuscas e carros mais antigos rodando por lá, em excelente estado, alguns com interior todo moderno, com bancos de couro. Eis um carro bastante resistente, o Fusca, que atravessa décadas, e a tração traseira é excelente para enfrentar estradas de terra e caminhos mais difíceis.

Deixe uma resposta