Ford Escort RS, 1998, 1.8 16V, a versão com um ar mais jovem

Compartilhe

O Ford Escort RS, chegou com a terceira geração brasileira da família Escort. Em 1998, a versão de entrada era a “GL”, nas carrocerias 2 e 4 portas, o GLX tinha um apelo esporte fino, aos moldes do Escort Ghia da década de 1980, era oferecido apenas na carroceria 4 portas. Já a versão RS tendia para uma versão com um ar mais jovem, oferecendo praticamente os mesmos equipamentos da versão GLX, mas era comercializado apenas na carroceria 2 portas.

Ainda no ano de 1998, todas as versões desde a entrada, até a top de linha, utilizavam exatamente o mesmo motor, o Zetec 1.8 16v. Em 1996 ainda na segunda geração brasileira, a montadora havia substituído o badalado XR3 pela versão esportiva Escort Racer, mas não vingou.

A versão Ford Escort RS, na teoria seria uma espécie de versão esportiva da família do hatch médio da Ford, mas sem um motor mais potente que as demais versões, e sem adereços que o diferenciasse como esportivo, com exceção do aerofólio traseiro, o modelo na prática era uma das versões top de linha com um apelo mais jovem.

Longe da realidade do Escort RS Cosworth europeu, que chegou a ter 2 unidades importadas para o Brasil entre os anos de 1992 e 1993, o modelo oferecia tração integrada, turbocompressor, o motor 2.0 16V preparado pela Cosworth, entregava 220 cv, chegando a 225 km/h de velocidade final real.

Mesmo assim o Ford Escort RS brasileiro, era muito confortável e rápido, com velocidade final real perto dos 200 km/h. Mas como todo multiválvulas, da década de 1990, o modelo exigia as manutenções preventivas em dia, conforme especificado no manual do proprietário. Oficinas mecânicas em geral e até algumas concessionárias, não estavam preparados para orientar os proprietários quanto as manutenções preventivas e corretivas. Poucos profissionais qualificados e a falta de equipamentos para suporte, deixaram modelos como o Ford Escort Zetec 1.8 16V e Fiat Tempra 2.0 16V e Fiat Marea, com fama de eficiente, mas com uma manutenção complicada.

Desempenho

Estabilidade –  Com uma estrutura moderna, e eficiente, era seguro em curvas de alta e em retas em altas velocidades. Mas em velocidades acima de 160 km/h, ainda sofria do chamado efeito flutuante, com a traseira muito leve.

Motor –  Utilizando moderno e eficiente motor Ford Zetec 1.8 16V, era robusto, rápido e gostoso de dirigir. O custo das manutenções preventivas e corretivas, de um modelo zero km, estavam mais para de um carro de luxo de grande porte.

Câmbio –  O câmbio manual de 5 velocidades, era de relações curtas, de engates precisos, deixando o carro divertido de dirigir.

Retomadas e ultrapassagens – Com um motor com muito fôlego, que respondia bem ao pedal do acelerador, mesmo com carga máxima, era seguro e muito eficiente.

Consumo –  Para um motor 1.8 16v de 115 cv a gasolina, fazer 10,3 km/l, era considerado econômico para a época.

Acabamento externo

Faróis –  Faróis de lentes ovaladas;

Setas dianteiras – Embutidas no mesmo conjunto dos faróis;

Para – choques –  Envolventes na cor da carroceria;

Faróis de neblina – Embutidos no para-choque;

Grade de ar do motor – Discretamente embutida entre o capô e o para-choque;

Retrovisores Externos – Panorâmicos pintado na cor da carroceria, com controle elétrico interno;

Frisos – Fino friso na cor da carroceria em toda a extensão do carro;

Rodas – De liga – leve 185/65 R14;

Maçanetas – Na cor grafite;

Logo – “Escort RS”, Na tampa do porta – malas;

Lanterna Traseira – Tricolor com luz de ré;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Sim;

Acabamento interno e Instrumentos

Painel – Com mostradores em escala circular;

Conta – giros – Sim;

Acabamento do painel – Em vinil em tons grafite e cinza;

Volante – Espumado de três raios;

Sistema de som – Sim;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Sim;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Sim;

Relógio – Digital;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Elétrico;

Sistema de travamento das portas – Elétrico;

Ajuste dos retrovisores externos – Interno elétrico;

Acabamento dos bancos – Em tecido aveludado;

Acabamento das portas – Em vinil e tecido aveludado;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Bipartido, com cinto de segurança de três pontos, para dois passageiros;

Encosto de cabeça – Para dois passageiros com regulagem de altura;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Sim;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Acarpetado;

Ficha Técnica – Ford Escort RS – Ano 1998

Carroceria – Hatch;

Porte – Médio;

Portas – 4;

Motor –  Zetec 1.8 16V;

Cilindros – 4 em linha;

Válvulas por cilindro – 4;

Posição – Transversal;

Combustível – Gasolina;

Potência – 115 cv;

Peso Torque – 73,3 kg/kgfm;

Cilindrada – 1796 cm³;

Torque máximo – 16,3 kgfm a 4500 rpm;

Potência Máxima – 5750 rpm;

Tração – Dianteira;

Alimentação –  Injeção Multiponto;

Direção – Hidráulica;

Câmbio – Manual de 5 velocidades com alavanca no assoalho;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Freio a disco ventilado nas rodas dianteiras e tambor nas rodas traseiras;

Peso – 1195 kg;

Suspensão dianteira – Independente, McPherson – Mola helicoidal;

Suspensão traseira – Eixo de torção – Mola helicoidal;

Comprimento – 4136 mm;

Distância entre-eixos – 2525 mm;

Largura – 1700 mm;

Altura – 1350 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 9,8 Segundos;

Velocidade máxima – 196 km/h;

Consumo: Cidade 10,3 km/l – Estrada 14,7 km/l;

Autonomia: Cidade 659 km – Estrada 941 km;

Porta malas – 380 Litros;

Carga útil – Não informado;

Tanque de combustível – 64 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 196.990,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.

Deixe um comentário