Fiat Tipo 1.6 1994 com altos e baixos

Em setembro de 1993 chega ao Brasil o Fiat Tipo importado da Europa, mais parecia um Fia Uno maior, porém agradou muito o público brasileiro.

Com uma estrutura moderna, e um visual bastante atraente seu sucesso foi imediato, e se tornou o carro importa mais emplacado do Brasil.

Em janeiro de 1995, o Fait Tipo assumiu o topo de carro mais vendido em solo brasileiro desbancando o badalado VW Gol que ficou na ponta por pouco mais de 10 anos.

Os primeiros modelos a serem comercializados no Brasil deixaram um pouco a desejar, um hatch de médio porte que na versão 1.6 com injeção monoponto, que chegava no máximo a 160 km/h e de 0 a 100 em modestos 15 segundos, números da montadora e dos testes da Revista Quatro Rodas da época.

Outro problema eram os freios, que tinham um espaço de frenagem maior do que se esperava. Mas outros atributos compensavam, número de equipamentos de série e opcionais, mesmo sendo um médio tinha preço das versões intermediárias dos nacionais modelos compactos.

Seu fim foi decretado quando iniciou a produção no Brasil, na fábrica de Betim MG. O carro ganhou mais 10 cv saltando para 92 cv, e airbag frontal para o motorista e injeção multiponto, mas ganhou um triste apelido “Fiat Lux”.

O motivo foram os constantes incêndios em unidades zero km, que se iniciava no tubo convergedor de ar quente do motor ou na direção hidráulica, o fluido vazava e pingava no início do escapamento, dando origem aos incêndios.

Desempenho

Estabilidade –  O conjunto, carroceria, chassi e suspensão, dava ao carro uma ótima estabilidade, aos moldes do irmão Fiat Uno, tinha uma ótima aerodinâmica e uma suspensão mais rígida.

Imagens Século 20 Veículos de Coleção

O motor – Equipado com o motor Fiat Sevel 1.6 a gasolina de 82 cv, faltava fôlego para o carro, mas era confiável e com um desempenho para quem não exigia um algo a mais.

Imagens Século 20 Veículos de Coleção

Câmbio –  O câmbio manual de 5 velocidades, era de engates macios e precisos, foi um dos primeiros modelos da Fiat em solo brasileiro com um câmbio a altura de VW e Chevrolet.

Retomadas e ultrapassagens – Mesmo sendo um modelo que pesava 1100 kg, era segor e eficiente com aceleração de 0 a 100 em 15 segundos.

Consumo –  Para um modelo médio com motor 1.6, fazer 9,2 km/l na cidade estava dentro do esperado.

Acabamento Externo

Faróis –  Retangulares de lentes boleadas;

Setas dianteiras – Embutidas no mesmo conjunto dos faróis;

Para – choques –  Envolventes na cor preto;

Faróis de neblina – Não;

Grade de ar do motor – Em lâminas na horizontal com moldura na cor da carroceria;

Retrovisores Externos – Panorâmicos com controle mecânico interno;

Frisos – Emborrachado em toda a extensão lateral do carro;

Rodas – 175/65 R14;

Maçanetas – Na cor grafite;

Logo – “Tipo 1.6 i.e”, Na tampa do porta–malas;

Lanterna Traseira – Fumê tricolor com luz de ré;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Sim;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com mostradores em escala circular;

Conta – giros – Sim;

Acabamento do painel – Em vinil em tons grafite;

Volante – Espumado de quatro raios;

Sistema de som – Sim;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Sim;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Sim;

Relógio – Sim;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Elétrico;

Sistema de travamento das portas – Elétrico;

Ajuste dos retrovisores externos – Mecânico interno;

Acabamento dos bancos – Em tecido plástico;

Acabamento das portas – Em vinil e tecido;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Sem acessórios;

Encosto de cabeça – Vazado para dois passageiros;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Sim;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Acarpetado;

Ficha Técnica – Fiat Tipo 1.6 1994

Carroceria – Hatch;

Porte – Médio;

Portas – 4;

Motor –  Fiat Sevel 1.6;

Cilindros – 4 em linha;

Válvulas por cilindro – 2;

Posição – Transversal;

Combustível – Gasolina;

Potência – 82 cv;

Peso Torque – 82,71 kg/kgfm;

Cilindrada – 1580 cm³;

Torque máximo – 13,3 kgfm a 3000 rpm;

Potência Máxima – 5750 rpm;

Tração – Dianteira;

Alimentação –  Injeção Monoponto;

Direção – Hidráulica;

Câmbio – Manual de 5 velocidades com alavanca no assoalho;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Freio a disco sólido nas rodas dianteiras e tambor nas rodas traseiras;

Peso – 1100 kg;

Suspensão dianteira – Independente, McPherson – Mola helicoidal;

Suspensão traseira – Independente, braço arrastado – Mola helicoidal;

Comprimento – 3958 mm;

Distância entre-eixos – 2540 mm;

Largura – 1700 mm;

Altura – 1445 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 15 Segundos;

Velocidade máxima – 160 km/h;

Consumo: Cidade 9,2 km/l – Estrada 13 km/l;

Autonomia: Cidade 506 km – Estrada 715 km;

Porta malas – 246 Litros;

Carga útil – 420 kg;

Tanque de combustível – 55 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 65.871,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.

Please follow and like us:

Um comentário sobre “Fiat Tipo 1.6 1994 com altos e baixos”

  1. O carro era bom e confortável. Alguns pegaram fogo……

Deixe uma resposta