Escort XR3 Conversível 1987 a era dos para – choques envolventes

Ele chegou ao mercado em abril de 1985, passou a ser o carro nacional mais caro, superando Opala Diplomata e Alfa Romeo 2300, em 1987 ganhou novo visual externo e novo painel

Em 1985 embalada pelo estrondoso sucesso do XR3, a Ford coloca no mercado o primeiro conversível nacional de série, de olho no sucesso dos conversíveis fora de série das décadas de 1970 e 1980, Puma e Miura, a Ford lança o seu modelo, dois anos depois chega ao mercado a nova versão Ford Escort XR3 conversível 1987, com para – choques envolventes, novo desenho nas rodas de liga leve, e um painel com novo visual e um novo upgrade no motor CHT, com 3,1 CV a mais de força.

Uma das questões de mercado que mais chamava a atenção no conversível da Ford, era o preço, como era um modelo que parte de sua produção era terceirizada pela Karmann Ghia a carroceria era enviada pela Ford onde recebia a modificação e depois retornava a montadora, para a montagem final, o preço se tornou estratosférico, superando Opala Diplomata e Alfa Romeo 2300, tanto no preço de compra como nas manutenções preventivas e corretivas, mas incrivelmente o projeto deu certo, conquistou o mercado e se tornou o carro da classe alta glamourosa do Brasil.

Desempenho

Em 1987 o XR3 conversível ganha um pouco mais de fôlego no velho CHT, passa a entregar 86 CV, indo de 0 a 100 em 13,4 segundos e velocidade final real de 158 Km/h.

Os problemas da suspensão muito macia, e a má distribuição de peso da família Escort ainda ainda estava presente em 1987, a carroceria conversível ainda tinha o agravante de ser menos aerodinâmica e menos estável que a convencional, fazendo com que o carro fosse bastante instável em curvas de alta.

Acabamento Externo

Frene com faróis de lentes planas, boleados nas bordas, embutido no mesmo conjunto com as setas;

Para – Choques envolventes na cor preto, com um fino friso vermelho;

Luz de longo alcance acima do para – choque dianteiro;

Retrovisores na cor preto, com controle elétrico interno;

Rodas de liga – leve 185/60 R14;

Capota em vinil;

Spoiler no roda – pé de toda a lateral do carro;

Friso lateral emborrachado com vinco vermelho, dando um ar mais esportivo;

Lanternas traseiras tricolor, exclusivas da versão conversível;

Logo Escort XR3, na tampa do porta – malas.

Acabamento Interno

Painel com mostradores bem localizados + Conta – giros;

Alavancas de comandos muito bem localizadas, próximo a mão do motorista;

Volante a família Escort espumado de dois raios;

Rádio toca fitas digital Philco Ford, AM/FM.

Acendedor de cigarros e cinzeiro no console do painel;

Ar – condicionado;

Ar – quente;

Ventilador de três velocidades;

Relógio digital no teto;

Acabamento de bancos e portas em tecido aveludado, em tons cinza e vermelho;

Encosto de cabeça com regulagem de altura no banco dianteiro;

Acionamento dos vidros traseiro, manual basculante;

Vidros e travas elétricas;

Ajuste dos retrovisores, elétricos;

Porta malas e assoalho acarpetados.

Ficha Técnica – Escort XR3 conversível 1987

Carroceria Conversível;

Porte Médio;

2 portas;

Motor CHT 1.6;

Cilindros 4 em linha;

Transversal;

Tuchos mecânicos;

Tração Dianteira;

Combustível álcool;

Carburador;

Direção Simples;

Câmbio manual de 5 marchas;

Embreagem monodisco a seco;

Freios a disco ventilado nas rodas dianteiras e tambor nas rodas traseiras;

Peso 990 KG;

Potência 86 CV;

12,9 kgfm a 4000 rpm;

Potência Máxima 5600 RPM;

De 0 a 100 – 13,4 Segundos;

Velocidade máxima 158 KM/h;

Consumo na Cidade 6,7 KM/L – Estrada 11 KM/L;

Autonomia: Cidade 435,5 KM – Estrada 715 KM;

Porta malas 212 Litros;

Carga útil 324;

Tanque de combustível 48 Litros;

Motor Tudo – Ford Escort XR3 conversível 1987

Carros Clássicos Brasil – Escort Conversível XR3

2 comentários sobre “Escort XR3 Conversível 1987 a era dos para – choques envolventes”

  1. Essa virada de 1986 para 1987 os veículos das marcas trocaram o parachoque de ferro pelos envolventes de plástico injetado. Além de reformulaçes no painel e design de de farol e lanternas. Bons tempos

Deixe uma resposta