Chevrolet Opala Diplomata SE 4.1/S 1992

Compartilhe

Opala Diplomata SE 4.1/S no ultimo ano de sua produção, a montadora americana não poupou esforços para dar o melhor do carro de luxo mais badalado do Brasil.

Com um acabamento interno  e externo impecável, na estrada era um verdadeiro navegador silencioso, em 1993 eu cheguei a dirigir por alguns dias o modelo 1992, a impressão que eu tinha na estrada era que estava dirigindo um carro com suspensão a ar, a maciez e o balanço da suspensão após 120 KM/h era incrível, confortável e com uma direção bastante precisa.

Confesso que na cidade eu esperava um pouco mais de agilidade, mas acredito que pelo fato de estar na época acostumado com carros mais leves senti a diferença, o nível de ruido na cidade em comparação ao Monza, era um pouco mais alto, mas na estrada compensava a diferença.

Em 1993 mesmo já fora de linha, o carro chamava muito a atenção por onde passava, ainda tinha status de executivo.

Desempenho

O motor Chevrolet 4.1 de 6 cilindros Cód 250, acompanhava a família Opala desde o início da década de 1970, mas no passar dos anos, recebeu atualizações e importantes upgrades, entre eles, câmbio mais eficiente e atualizado, ignição eletrônica, alternador de alta capacidade, sem contar atualizações em componentes mecânicos internos do motor;

Na cidade era confortável de dirigir, o câmbio manual de 4 velocidades exigia poucas trocas em áreas urbanas, os engates eram macios e muito eficientes;

Na estrada era um verdadeiro navegador silencioso, se mantendo sem oscilação por longos períodos em velocidades acima de 150 KM/h;

Seguro e eficiente em retomadas e ultrapassagens, indo de 0 a 100 em respeitáveis 11,3 segundos, basicamente o desempenho de um esportivo da época;

O conjunto carroceria, chassis e suspensão era único, oferecia segurança com muita eficiência em curvas de alta, mesmo com uma suspensão macia, não perdia a estabilidade;

O ponto negativo ficava para o consumo de combustível, na versão a álcool 3,8 KM/L na área urbana, era o nacional mais beberrão, conforme ficha técnica abaixo.

Acabamento Externo

Para-choques envolventes, na cor do carro.

Faróis embutido na grade com a seta e luz de longo alcance.

Gravata Chevrolet no bico do carro.

Friso lateral emborrachado na cor do carro com o logo Diplomata SE.

Retrovisores elétricos panorâmicos, muito bonitos e eficientes.

Rodas de liga-leve 195/65 R15 exclusivas da família Opala.

Tampa de combustível com proteção em acrílico embutida no meio das lanternas traseiras, um acabamento de primeira.

Lanternas traseiras cumpridas fumê, muito eficientes.

Logo “4.1/S” na tampa do porta malas.

Acabamento interno

Painel com mostradores de fácil visualização em escala circular + conta-giros;

Volante estilo executivo espumado de três raios;

Ajuste de altura do volante;

Acabamento de portas e bancos em fino tecido aveludado;

Encosto de cabeça com regulagem de altura vazado para 4 passageiros;

Apoio para o braço no banco traseiro.

Ajuste dos retrovisores interno elétrico;

Rádio toca fitas digital;

Acendedor de cigarros;

Cinzeiro no console da alavanca do câmbio;

Ventilador;

Ar – quente;

Ar- condicionado;

Vidros e travas elétricas;

Luz de leitura nos bancos dianteiros;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro;

Assoalho e porta malas acarpetados.

Ficha Técnica – Chevrolet Opala Diplomata 4.1/S 1992

Carroceria Sedã;

Porte Grande;

4 portas;

Motor 4.1 Cód 250;

Cilindros 6 em linha;

Longitudinal;

Tuchos Hidráulicos;

Tração Traseira;

Combustível Álcool;

Carburador;

Direção Hidráulica;

Câmbio manual de 5 marchas;

Embreagem monodisco a seco;

Freios a disco ventilado nas rodas dianteiras e disco sólido nas rodas traseiras;

Peso 1375 KG;

Potência 141 CV;

32,8 kgfm – 2500 rpm;

Potência Máxima 3800 RPM;

De 0 a 100 – 10,4 Segundos;

Velocidade máxima 182 KM/h;

Consumo Consumo na Cidade 4,2 KM/L – Estrada 6,8 KM/L;

Autonomia: Cidade 382,2 KM – Estrada 618,8 KM.

Porta malas 376 Litros;

Carga útil – Não informado;

Tanque de combustível 91 Litros;

Motor Tudo – Chevrolet Opala Diplomata SE 4.1/S 1992.

Carros dos anos 90 – Carros Clássicos brasileiros.

Deixe um comentário