Chevette 88, o único compacto com tração traseira, ganha versão SL/E

Compartilhe

O Chevette 88 na carroceria sedã, ganha nova versão SL/E, e com o fim do irmão hatch em 1987, passa a ser o único modelo compacto em território brasileiro ao lado do SW Marajó, com tração traseira, e opção para câmbio automático. No mesmo ano, tanto o Chevette quanto o SW Marajó, também se tornam os carros nacionais mais baratos.

Em 1988 o Chevette na versão SL/E se tornou uma compra muito interessante, o carro nacional mais barato, oferecia tração traseira, um acabamento interno bonito e de qualidade, painel de fácil visualização, e na configuração com motor a álcool fazia quase 8 km/l na cidade.

Os modelos compactos nas versões de entrada em 1988 não tinham nada de populares. A VW oferecia o Gol “C” equipado com o motor AP 1.6 e com o novo painel, mas era o hatch compacto mais caro do Brasil, o VW Voyage era disponibilizado na versão de entrada na configuração CL AP 1.6, custava em média 35% a mais que o compacto da Chevrolet.

A Fiat oferecia o Uno S 1.3, com uma estrutura moderna, ágil e com uma ótima posição para dirigir, mas o modelo estava em ascensão, e a versão mais barata custava em média 5% a mais que o Chevette sedã SL/E, o irmão Fiat Prêmio na versão S 1.3 em média 8% a mais. Já a Ford oferecia no mercado apenas modelos de médio porte, partindo do Escort Standard ou L, custando em média 75% a mais que um Chevette.

O Chevette 88 em todas as suas versões emplacou em 12 meses 56.301 unidades, bons números para um compacto considerado desatualizado em relação aos seus principais concorrentes.

A unidade da nossa matéria, é um Chevette SL/E 1.6/S 1988 a álcool na cor Vermelho Bonanza, um exemplar nunca restaurado com pintura 100% original de fábrica, e apenas 9000 km rodados, destinado a colecionadores. Equipado com o motor de 82 cv, torque máximo de 12,3 kgfm a 3200 rpm, com velocidade final real de 157 km/h e aceleração de 0 a 100 em 13,9 segundos.

Desempenho

Estabilidade –  O conjunto do projeto, dava ao carro uma ótima estabilidade, com um peso muito bem distribuído e tração traseira, era muito eficiente em curvas de alta, em retas em velocidades acima de 140 km/h, se mantinha bastante equilibrado.

Motor –  Utilizando o motor Chevrolet 1.6/S de 82 cv, era eficiente na cidade e bastante confiável, mas o ponto negativo ficava para pouca elasticidade do conjunto motor e câmbio.

Câmbio –  O câmbio manual de 5 velocidades, tinha engates precisos e macios, e exigia poucas trocas de marchas na área urbana, permitindo ao motorista ficar em longos períodos na terceira marcha em baixa rotação.

Retomadas e ultrapassagens – Cumpria com seu papel para um carro popular da década de 1980, com aceleração de 0 a 100 em 16,9 segundos.

Consumo –  Para um motor 1.6 a álcool fazer 8 km/l na cidade era uma boa média para a década de 1980, mais detalhes na ficha técnica no final do post.

Acabamento Externo

Faróis –  Faróis quadrados de lentes planas;

Setas dianteiras – Embutidas no mesmo conjunto dos faróis;

Para – choques –  Em aço carbono com forração em vinil;

Faróis de neblina – Não;

Grade de ar do motor – De plástico na cor grafite, com frisos na horizontal;

Retrovisores Externos – Panorâmicos com ajuste mecânico interno;

Frisos – Emborrachado em toda a extensão lateral do carro, com detalhe metálico e o logo “Chevette SL/E”;

Rodas – 175/70 R13;

Maçanetas – Na cor grafite;

Logo – “1.6/S Álcool”, Na tampa do porta – malas;

Lanterna Traseira – tricolor com luz de ré;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Não;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com mostradores básicos em escala quadrada;

Conta – giros – Não;

Acabamento do painel – Em vinil na cor grafite;

Volante – Espumado de dois raios;

Sistema de som – Opcional;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Não;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Não;

Relógio – Digital;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Manual basculante;

Sistema de travamento das portas – Mecânico;

Ajuste dos retrovisores externos – Mecânico;

Acabamento dos bancos – Em tecido;

Acabamento das portas – Em courvin e tecido;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Sim;

Banco traseiro – Sem acessórios;

Encosto de cabeça – Para dois passageiros, com regulagem de altura nos bancos dianteiros;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Sim;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Acarpetado;

Ficha Técnica – Chevette 88 – Na versão SL/E

Carroceria – Sedã;

Porte – Compacto;

Portas – 2;

Motor –  Chevrolet 1.6/S;

Cilindros – 4 em linha;

Válvulas por cilindro – 2;

Posição – Longitudinal;

Combustível – Álcool;

Potência – 82 cv;

Peso Torque – 76,8 kg/kgfm;

Cilindrada – 1599 cm³;

Torque máximo – 12,3 kgfm a 3200 rpm;

Potência Máxima – 5600 rpm;

Tração – Traseira;

Alimentação –  Carburador;

Direção – Simples;

Câmbio – Manual de 5 velocidades com alavanca no assoalho;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Freio a disco sólido nas rodas dianteiras e tambor nas rodas traseiras;

Peso – 945 kg;

Suspensão dianteira – Independente, braços sobrepostos – Mola helicoidal;

Suspensão traseira – Eixo rígido – Mola helicoidal;

Comprimento – 4193 mm;

Distância entre-eixos – 2395 mm;

Largura – 1570 mm;

Altura – 1324 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 16,9 Segundos;

Velocidade máxima – 150 km/h;

Consumo: Cidade 8 km/l – Estrada 12 km/l;

Autonomia: Cidade 429,2 km – Estrada 638 km;

Porta malas – 323 Litros;

Carga útil – Não informado;

Tanque de combustível – 58 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 72.500,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.

Deixe um comentário