Astra 95 O hatch da Chevrolet que atingia 193 km/h de velocidade final real

Um Belga utilizando o tradicional motor família II que fazia sucesso aqui no Brasil desde a era Monza, o Opel Astra chegou com uma estrutura muito moderna, rápido eficiente, mas durou pouco

O provável substituto do Kadett, o Astra 95, foi uma troca bastante interessante entre a filial Chevrolet Brasil e a Opel da Bélgica, com o dólar estável e taxas de importações com valores aceitáveis, a montadora viu uma maneira de ter um modelo mais atualizado no seguimento dos hatchs médios.

Mas algumas adaptações foram necessárias, o motor do modelo na Europa teria que sofrer diversas adaptações para rodar aqui no Brasil, a adaptação a má qualidade de nossa gasolina e tecnologia de peças de reposição que para a monta ainda não eram interessante desenvolver por aqui, fizeram o Astra receber o já conhecido motor Chevrolet família II 2.0.

A filial do Brasil enviava o motor para a Bélgica, lá era montado e o carro chegava por aqui prontinho para o uso.

O Astra 95 trouxe algumas inovações, barras de segurança nas portas e um acabamento interno com a mesma qualidade dos modelos europeus.

Desempenho

Estabilidade –  O conjunto, carroceria, chassi e suspensão, era muito eficiente e equilibrado, o carro se comportava muito bem em curvas de alta, e em retas em velocidades acima de 160 km/h se mantinha estável sem balanços repentinos.

Motor –  Utilizando o motor Chevrolet Família II 2.0 de 116 CV, era rápido e muito confiável, em altas rotações tinha um torque bastante suave sem passar vibração para a carroceria.

Câmbio –  O câmbio manual de 5 velocidades, sem dúvida era um dos melhores do mercado, muito macio e de engates precisos.

Retomadas e ultrapassagens – Com um câmbio preciso e um motor com muito fôlego, aliado a uma estrutura bastante equilibrada, era seguro e muito eficiente.

Consumo –  Para um motor de 4 cilindros a gasolina de um carro de médio porte, fazer 14,1 km/l na estrada, era considerado dentro dos padrões para a década de 1990, maiores detalhes na ficha técnica no final do post.

Acabamento Externo

Faróis –  Chanfrados de lentes levemente boleadas;

Setas dianteiras – Embutidas no mesmo conjunto com os faróis;

Para – choques –  Envolventes na cor preto;

Faróis de neblina – Opcional;

Grade de ar do motor – Em lâminas de plástico na horizontal, com moldura na cor da carroceria;

Retrovisores Externos – Panorâmicos, com ajuste elétrico interno;

Frisos – Emborrachados em toda a extensão lateral do carro;

Rodas – Rodas de aço 175/65 R14;

Maçanetas – Embutidas nas portas na cor grafite;

Logo – “AStra GLS”, na tampa do porta malas;

Lanterna Traseira – Tricolor com luz de ré;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Sim;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com mostradores em escala circular, e ajuste elétrico de altura dos faróis;

Conta – giros – Sim;

Acabamento do painel – Em vinil na cor preto;

Volante – Espumado de três raios;

Sistema de som – Rádio AM/FM digital com memória e mostrador digital;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Sim;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Sim;

Relógio – Digital, junto aos mostradores do rádio;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Elétricos nas portas dianteiras e manual basculante nas portas traseiras;

Sistema de travamento das portas – Elétrico;

Ajuste dos retrovisores externos – Elétrico;

Acabamento dos bancos – Em tecido plástico;

Acabamento das portas – Em vinil e tecido plástico;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Rebatível, com cinto de segurança de três pontos para dois passageiros;

Encosto de cabeça – Vazados, para dois passageiros nos bancos dianteiros;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Sim;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Acarpetado;

Ficha Técnica – Astra 95 2.0

Carroceria – Hatch;

Porte – Médio;

Portas – 4;

Motor –  Família II Chevrolet 2.0 – Código F17-5 Plus WR;

Cilindros – 4 em linha;

Posição – Transversal;

Peso Torque – 65,66 kg/kgfm;

Tração – Dianteira;

Combustível – Gasolina;

Alimentação –  Injeção Multiponto;

Direção – Hidráulica;

Câmbio – Manual de 5 velocidades, alavanca no assoalho;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Freio a disco ventilado nas rodas dianteiras e tambor nas rodas traseiras;

Peso – 1136 kg;

Comprimento – 4020 mm;

Distância entre-eixos – 2510 mm;

Potência – 116 CV;

Cilindrada – 1998 cm³;

Torque máximo – 17,3 kgfm a 2800 rpm;

Potência Máxima – 5200 RPM;

Aceleração de 0 a 100 – 10,4 Segundos;

Velocidade máxima – 193 km/h;

Consumo: Cidade 10,5 km/l – Estrada 14,1 km/l;

Autonomia: Cidade 546 km – Estrada 733,2 km;

Porta malas – 329 Litros;

Carga útil – 495 kg;

Tanque de combustível – 52 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 102.234,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.

Please follow and like us:

Um comentário sobre “Astra 95 O hatch da Chevrolet que atingia 193 km/h de velocidade final real”

  1. Pensei em comprar um, na época. Em 1996, tinha um Kadett SL/E 1.8 EFI, muito bom, e em 1999, meu sonho era um Kadett GSi ou um Astra desses. Sorte que não comprei, porque tinha outras prioridades na época, e me dediquei a elas. Um tio teve um Astra, dessa mesma cor que o da matéria, e ante a depreciação, disse ter se arrependido amargamente de ter comprado o carro. Tem que tomar cuidado para não entrar em barcas furadas. Como depois mudei para a linha Fiat, antes do Siena, cogitei ter um Brava, que saiu de linha, embora na concessionária mentiram descaradamente dizendo que isso não aconteceria. Claro, não queriam perder as vendas.

Deixe uma resposta