Maverick Super GT 1976 – 199 CV e 190 km/h de velocidade final real

A fera da década de 1970 que faz sucesso até hoje, um dos colecionáveis mais procurados e mais caros do mercado

A pós três anos de produção, o Maverick Super GT 1976, ainda tinha em seu DNA as mesmas características de seu lançamento, baixo nível de ruído interno, confortável e muito ágil.

Indo de 0 a 100 em 10,8 segundos e velocidade final real de 190 km/h, a fera da Ford conseguia ser uma espécies de hibrido das versões luxo e esporte, para muitos um beberrão compulsivo, mas quem conseguia pagar o valor de um modelo de alto custo na década de 1970, não se importava muito com o consumo.

Do luxo absoluto ao lixo, e sua ressurreição como um dos modelos mais colecionáveis e caros do Brasil. Entre os anos de 1973 e 1978 apenas consumidores da classe alta nacional conseguiam adquirir um modelo 0 km, no último ano de produção em 1979/1980, seu preço despencou já não era mais o glamouroso das ruas.

Entre os anos de 1983 e 1995 quando o Brasil ainda não tinha a cultura de carros clássicos mais divulgada e com tantos seguidores como hoje, era bastante comum ver modelos Ford Maverick abandonados em garagens e terrenos baldios, enferrujados, e custando literalmente o preço de ferro velho.

No final da década de 1980 o preço de um modelo abandonado, custava R$ 0,18 o kg, pesando 1390 kg, um Maverick saía em média por R$ 250,00 “reais” em valores atualizados. Hoje um modelo devidamente restaurado não sai por menos de $ 50.000 dólares.

Desempenho

Estabilidade –  O conjunto, carroceria, chassi e suspensão, era considerado eficiente para a época, mas com um V8 debaixo do capô, aliado a uma suspensão muito macia, e um sistema de direção hidráulica não muito preciso, era bom o motorista sempre estar atento em altas velocidades.

Motor –  Utilizando o motor Windsor 302 V8, era o modelo dentro de seu seguimento com a manutenção mais barata e descomplicada da época.

Câmbio –  O câmbio manual de 4 velocidades, cumpria seu papel para a época, deixando o carro confortável e gostoso de dirigir.

Retomadas e ultrapassagens – Com um conjunto de motor e câmbio extremamente saudável e indo de 0 a 100 em 10,8 segundos, era seguro e eficiente.

Consumo –  Em 1976 a crise do petróleo havia sido oficialmente anunciada, mesmo assim utilizar 4,5 km/l na cidade, não era um incomodo para quem podia investir em um modelo de alto custo, mais dados na ficha técnica no final do post.

Acabamento Externo

Faróis –  Redondos de lentes boleadas.

Setas dianteiras – Embutidas a baixo do para choque;

Para – choques –  Em lâmina de aço carbono cromadas;

Faróis de neblina – Não;

Grade de ar do motor – De plástico com frisos na horizontal e vertical e o “Brasão Ford ao centro”;

Retrovisor Externo – Preto estilo GT, com ajuste manual;

Frisos – Faixa preta em toda a extensão lateral da carroceria, com o logo “302 V8”;

Rodas – Tradicionais da família Ford Maverick, com calotas cromadas;

Maçanetas – Cromadas;

Logo – “Maverick GT” na lateral dos para – lamas dianteiros;

Lanterna Traseira – Bicolor com luz de ré;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Não;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com mostradores em escala circular;

Conta – giros – Sim;

Acabamento do painel – Em couro e metal preto;

Volante – Esportivo de três raios, com acabamento em couro costurado a mão;

Sistema de som – Radio AM Ford Philco;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Opcional;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Não;

Relógio – Analógico, no console da alavanca de marchas;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Manual basculante;

Sistema de travamento das portas – Mecânico;

Ajuste dos retrovisores externos – Manual;

Acabamento dos bancos – Em vinil;

Acabamento das portas – Em vinil com detalhes cromados;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Sem acessórios;

Encosto de cabeça – Não;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Não;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Acarpetado;

Ficha Técnica – Maverick Super GT 1976

Carroceria – Coupé;

Porte – Grande;

Portas – 2;

Motor –  Windsor 302 5.0 V8 ;

Cilindros – 8 em V;

Posição – Longitudinal;

Peso Torque – 34,73 kg/kgfm;

Tração – Traseira;

Combustível – Gasolina;

Alimentação –  Carburador;

Direção – Hidráulica;

Câmbio – Manual de 4 velocidades, com alavanca no assoalho;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Freio a disco ventilado nas rodas dianteiras e tambor nas rodas traseiras;

Peso – 1390 KG;

Comprimento – 4580 mm;

Distância entre-eixos – 2619 mm;

Potência – 199 CV;

Cilindrada – 4945 cm³;

Torque máximo – 39,5 kgfm a 2400 rpm;

Potência Máxima – 4600 RPM;

Aceleração de 0 a 100 – 10,8 Segundos;

Velocidade máxima – 190 km/h;

Consumo: Cidade 4,5 km/l – Estrada 6 km/l;

Autonomia: Cidade 450 km – Estrada 600 km;

Porta malas – 417 Litros;

Carga útil – Não informado;

Tanque de combustível – 100 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 157.235,00.

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.

Please follow and like us:

Deixe uma resposta