VW Golf GTi 1.8 Turbo AT 2001 o que é novidade no Brasil já existia na Europa

Compartilhe

No início dos anos 2000, os modelos chamados esportivos já mostravam sua nova cara, perderam os adereços que os identificavam como esportivos e passaram a ter um visual mais discreto.

Na Europa os modelos compactos e de médio porte, já eram produzidos em série com motores Turbo, por aqui a coisa só chegou e começou a se popularizar a pouco tempo.

A versão VW Golf GTi 1.8 Turbo automática aqui da matéria, ilustra muito bem a nova tendência de mercado que iria se formar nos anos seguintes aqui no Brasil, modelos com visual mais discreto, e a tendência de turbo em modelos compactos e médios.

O GTi 1.8 Turbo, mesmo na configuração com câmbio automático, conseguia entregar um desempenho bem a frente do modelo 2.0 com aspiração natural.

Porém voltamos a mesma questão que sempre abordamos sobre carros que desembarcam em solo brasileiro trazendo novas tecnologias. Modelos de auto custo, ainda pouco conhecidos por profissionais e com restrição de reposição de peças.

A unidade zero km era simplesmente fantástica, entregava eficiência e um ótimo desempenho, mas como seminovo, era um modelo de alto custo, que exigia um investimento considerável por parte do proprietário para manter as manutenções preventivas e corretivas.

Desempenho

Estabilidade –  O conjunto, carroceria, chassi e suspensão, era muito eficiente e equilibrado, conseguia unir segurança e conforto, a altura de modelos de elite como os médios da família Audi.

Motor –  Utilizando o motor Volkswagen EA-113 1.8 de 20 válvulas, com aceleração de 0 a 100 de 8,9 segundos, era robusto e muito ágil.

Câmbio –  O câmbio automático de 4 marchas, tirava um pouco da esportividade, mas entregava conforto e confiança.

Retomadas e ultrapassagens – O motor EA-113 1.8 Turbo tinha muito fôlego, era elástico e respondia rápido ao acelerador, mesmo com câmbio automático, era seguro e eficiente.

Consumo –  Para um motor 1.8 Turbo a gasolina de um carro de médio porte, fazer 5,9 km/l na cidade, era considerado dentro dos padrões para a época.

Acabamento Externo

Faróis –  Retangulares de lentes boleadas nas extremidades;

Setas dianteiras – Embutidas dentro do conjunto de lentes dos faróis;

Para – choques –  Envolventes na cor da carroceria;

Faróis de neblina – Não – Luz de longo alcance embutida nos conjunto de lentes dos faróis;

Grade de ar do motor – Em lâminas de plástico na horizontal, na cor da carroceria;

Retrovisores Externos – Panorâmicos, com ajuste elétrico interno;

Frisos – Emborrachados em toda a extensão lateral do carro;

Rodas – Rodas de liga-leve 205/70 R15;

Maçanetas – Na cor da carroceria;

Logo – “GTi” Na tampa do porta – malas;

Lanterna Traseira – Tricolor fumê com luz de ré;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Sim;

Limpador do vidro traseiro – Sim;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com mostradores em escala circular – Computador de bordo e sensor de chuva;

Conta – giros – Sim;

Acabamento do painel – Em vinil na cor grafite;

Volante – Espumado de três raios;

Sistema de som – Sim;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Sim;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Sim;

Relógio – Digital, junto com os mostradores;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Elétrico nas 4 portas;

Sistema de travamento das portas – Elétrico central;

Ajuste dos retrovisores externos – Elétrico;

Acabamento dos bancos – Em couro;

Acabamento das portas – Em couro;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Cinto de segurança de três pontos e encosto de cabeça para dois ocupantes e apoio para o braço;

Encosto de cabeça – Para quatro passageiros;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Sim;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Acarpetado;

Ficha Técnica – VW Golf GTi 1.8 Turbo AT 2001

Carroceria – Hatch;

Porte – Médio;

Portas – 4;

Motor –  EA-113 1.8 Turbocompressor;

Cilindros – 4 em linha;

Válvulas por cilindro – 5;

Posição – Transversal;

Combustível – Gasolina;

Potência – 150 cv;

Peso Torque – 61,2 kg/kgfm;

Cilindrada – 1781 cm³;

Torque máximo – 21,4 kgfm a 1750 rpm;

Potência Máxima – 5700 rpm;

Tração – Dianteira;

Alimentação –  Injeção Multiponto;

Direção – Hidráulica;

Câmbio – Automático de 4 marchas com alavanca no assoalho;

Embreagem – Conversor de torque;

Freios – Freio a disco ventilado nas rodas dianteiras e disco sólido nas rodas traseiras;

Peso – 1309 kg;

Suspensão dianteira – Independente, McPherson – Mola helicoidal;

Suspensão traseira – Eixo torção – Mola helicoidal;

Comprimento – 4149 mm;

Distância entre – eixos – 2515 mm;

Largura – 1735 mm;

Altura – 1459 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 8,9 Segundos;

Velocidade máxima – 199 km/h;

Consumo: Cidade 5,9 km/l – Estrada 7,9 km/l;

Autonomia: Cidade 325 km – Estrada 435 km;

Porta malas – 330 Litros;

Carga útil – 468 kg;

Tanque de combustível – 55 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 135.020,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros

Deixe uma resposta