Suzuki Baleno GLX 1998 mais um compacto importado que tentou a sorte durante a década de 1990

Compartilhe

Entre centenas de importados, compactos e de médio porte, que tentaram um espaço aqui no Brasil, logo após a abertura do mercado para importações, a Suzuki, não ficou de fora, e mandou seu sedã compacto para tentar a sorte em terras brasilis

O sedã compacto, também era oferecido em muitos outros países do continente Africano, Asiático e europeu, mas com diferentes nomes. O mesmo acontecia com a nomenclatura Baleno, a montadora, utilizava em diferentes carros, hatchs e sedãs, compactos e médios, também em diferentes países, podemos até dizer que era um projeto mundial da Suzuki, mas com diversas faces e identidades.

A versão aqui da matéria o Suzuki Baleno GLX 1998, trazia um motor 1.6 16V de 99 cv, transversal, de 13 kgfm a 3200 rpm, com aceleração de 0 a 100 em 11 segundos. A quantidade de equipamentos de luxo e segurança de série, também chamavam a atenção para um compacto; regulagem elétrica do banco do motorista, encosto de cabeça e cinto de segurança de três pontos no banco traseiro, ar-condicionado, direção hidráulica, trio elétrico, abertura interna do porta-malas e tampa do tanque de combustível.

Mesmo com tantas qualidades, em um país onde a guerra dos populares compactos sempre foi muito feroz e desleal, para o bolso do consumidor, aliado a dificuldade das manutenções, natural de todo importado recém chegado ao Brasil. Fizeram com que o modelo tivesse um número de unidades emplacadas bastante modesto.

Desempenho

Estabilidade –  Como todo bom projeto japonês, entregava muito conforto e segurança na área urbana, mas em curvas de alta, e em retas em altas velocidades, o carro balançava um pouco, em virtude de uma suspensão muito macia, mas nada que comprometesse a estabilidade.

Motor –  O motor Suzuki 1.6 16V com injeção multiponto, entregava bons 99 cv, era silencioso, e respondia muito bem ao pedal do acelerador.

Câmbio –  O câmbio manual de 5 velocidades, oferecia engates macios e precisos, mesmo em trocas rápidas se mantinha eficiente.

Retomadas e ultrapassagens – Para uma versão intermediária 1.6, atendia as expectativas da época, ágil e com um boa resposta em ultrapassagens.

Consumo –  Para um motor de 4 cilindros 1.6 multiválvulas a gasolina, fazer 9,5 km/l na cidade, estava dentro do esperado para a época.

Acabamento Externo

Faróis –  Faróis retangulares de lentes planas;

Setas dianteiras – Embutidas no mesmo conjunto dos faróis;

Para – choques –  Envolventes na cor da carroceria com frisos emborrachados;

Faróis de neblina – Opcional;

Grade de ar do motor – Em formato de colmeia, com moldura cromada e o logo “Suzuki” ao centro;

Retrovisores Externos – Estilo panorâmico com ajuste elétrico interno;

Frisos – Emborrachados em toda a extensão lateral do carro;

Rodas – Rodas de aço 175/70 R13;

Maçanetas – Na cor grafite;

Logo – “Baleno GLX”, na tampa do porta-malas

Lanterna Traseira – Tricolor com luz de ré;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Não;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com mostradores em escala circular;

Conta – giros – Sim;

Acabamento do painel – Em vinil em tom cinza e grafite;

Volante – Espumado de três raios;

Sistema de som – Sim;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Sim;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Não;

Relógio – Digital;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Elétrico;

Sistema de travamento das portas – Elétrico;

Ajuste dos retrovisores externos – Elétrico;

Acabamento dos bancos – Em tecido plástico;

Acabamento das portas – Em vinil e tecido;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Com encosto de cabeça e cinto de segurança de três pontos para dois passageiros;

Encosto de cabeça – Para quatro passageiros;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Sim;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Acarpetado;

Ficha Técnica – Suzuki Baleno GLX 1998 1.6 16V

Carroceria – Sedã;

Porte – Compacto;

Portas – 2;

Motor –  1.6 Multiválvulas;

Cilindros – 4 em linha;

Válvulas por cilindro – 4;

Posição – Trasnversal;

Combustível – Gasolina;

Potência – 99 cv;

Peso Torque – 70,8 kg/kgfm;

Cilindrada – 1590 cm³;

Torque máximo – 13 kgfm a 3200 rpm;

Potência Máxima – 6000 rpm;

Tração – Dianteira;

Alimentação –  Injeção Multiponto;

Direção – Hidráulica;

Câmbio – Manual de 5 velocidades com alavanca no assoalho;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – A disco ventilado nas rodas dianteiras e tambor nas rodas traseiras;

Peso – 920 kg;

Suspensão dianteira – Independente, McPherson – Mola helicoidal;

Suspensão traseira – Independente, braços sobrepostos – Mola helicoidal;

Comprimento – 4200 mm;

Distância entre – eixos – 2380 mm;

Largura – 1690 mm;

Altura – 1390 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 11 Segundos;

Velocidade máxima – 175 km/h;

Consumo: Cidade 9,5 km/l – Estrada 13 km/l;

Autonomia: Cidade 485 km – Estrada 663 km;

Porta malas – 381 litros;

Carga útil – Não informado;

Tanque de combustível – 51 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 71.059,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.joi

Deixe uma resposta