fbpx
Pular para o conteúdo

PT Cruiser Classic, um modelo retrô estilo Plymouth Coupé de 1930 a 1940

Compartilhe

O PT Cruiser, nasceu nos E.U.A, no ano 2000, desenhado pelo estilista norte americano Bryan Nesbitt, equipado com o motor 2.4 16V de 140 cv, e nos E.U.A com opção para 2.4 de 180 cv Turbo. Já no ano seguinte passou a ser importado para o Brasil.

Aqui em terras brasileiras, foi imediatamente posicionado pela montadora como um sedã, mas algumas revistas digitais o classificam como um hatch de porte médio, em outros países recebeu outros posicionamentos, como hatchback e utilitário minivan.

Independe da classificação da carroceria, o modelo causou um grande frisson em todos os países que foi comercializado. O lindo visual retrô, aliado a marca de elite Chrysler, despertaram a curiosidade dos amantes de carros. Mas com o preço acima de seus principais concorrentes, como o VW Golf, as vendas no Brasil foram bastante modestas apenas 7.600 unidades emplacadas.

O modelo ainda disponibilizava a carroceria conversível/Cabriolet, e teve sua versão GT. A versão aqui da matéria o PT Cruiser Classic, apesar de ser equipado 2.4 de 16V e 143 cv, recebeu durante o início dos anos 2000, algumas críticas em relação ao seu desempenho, com velocidade final real de 171 km/h e aceleração de 0 a 100 em 10,3 segundos, por ser uma marca de elite, respectivamente um modelo de alto custo, se esperava um melhor desempenho.

Porém o modelo sobrava em conforto, e em equipamentos de luxo e segurança, equipado com controle de tração e estabilidade, piloto automático, 4 airbags e computador de bordo.

Plymouth Coupé 1940

Desempenho

Estabilidade –  Tradicionalmente a Chrysler, consegue unir em uma mesma suspensão, conforto e segurança, aliado o sistema de controle de tração e estabilidade.

Motor –  Utilizava o motor 2.4 de 16V, com aceleração de 0 a 100 em 10,3 segundos, era uma modelo médio confiável, mas suas manutenções eram de alto custo, literalmente ao alcance de poucos.

Câmbio –  O câmbio automático de 4 marchas, trabalhava com trocas macias e precisas, e exigia pouca manutenção.

Retomadas e ultrapassagens – Era eficiente e seguro, mesmo com carga máxima de peso, praticamente não perdia o fôlego.

Consumo –  Para de médio porte de elite e de alto custo, consumir 7 km/l na cidade, era o que menos preocupava o proprietário, mais detalhes na ficha técnica no final do post.

Acabamento Externo

Faróis –  De lentes boleadas, acompanhando as linhas do carro.

Setas dianteiras – Embutidas no mesmo conjunto dos faróis;

Para – choques –  Envolventes, na cor da carroceria;

Faróis de neblina – Não – O modelo utiliza luzes de longo alcance embutidas no mesmo conjunto das lentes dos faróis;

Grade de ar do motor – Com o desenho tradicional da família Chrysler;

Retrovisor Externo – Panorâmico com ajuste elétrico interno;

Frisos – Não;

Rodas – De liga leve, 255/55 R16;

Maçanetas – Cromadas;

Logo – “Classic 2.4” na tampa do porta-malas;

Lanterna Traseira – Bicolor com luz de ré;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Sim;

Interno e Instrumentos

Painel – Com diversos mostradores em escala circular + Computador de bordo e piloto automático;

Sensores de estacionamento traseiro – Sim;

Conta – giros – Sim;

Acabamento do painel – Em tons cinza;

Volante – Em couro de 4 raios;

Sistema de som – Sim;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Sim;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Sim;

Relógio – Analógico;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Elétrico;

Sistema de travamento das portas – Elétrico central;

Ajuste dos retrovisores externos – Elétrico;

Acabamento dos bancos – Em couro;

Acabamento das portas – Em vinil;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Com encosto de cabeça e cinto de segurança de três pontos para todos os passageiros;

Encosto de cabeça – Para 5 passageiros com regulagem de altura;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Sim;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Acarpetado;

Ficha Técnica – PT Cruiser Classic

Carroceria –  Chrysler – Hatch;

Porte – Médio;

Portas – 4;

Motor –  2.4;

Cilindros – 4 em linha;

Válvulas por cilindro – 2;

Posição – Transversal;

Peso Torque – 70,8 kg/kgfm;

Tração – Dianteira;

Combustível – Gasolina;

Alimentação –  Injeção Multiponto;

Direção – Hidráulica;

Câmbio – Automático de 4 marchas, com alavanca na coluna de direção;

Embreagem – Conversor de torque;

Freios – Freio ABS a disco ventilado nas rodas dianteiras e disco sólido nas rodas traseiras;

Peso – 1585 kg;

Comprimento – 4290 mm;

Distância entre-eixos – 2616 mm;

Largura – 1705 mm;

Altura – 1601 mm;

Potência – 143 cv;

Cilindrada – 2429 cm³;

Torque máximo – 22,4 kgfm a 4000 rpm;

Potência Máxima – 5200 rpm;

Aceleração de 0 a 100 – 10,3 Segundos;

Velocidade máxima – 171 km/h;

Consumo: Cidade 7 km/l – Estrada 11 km/l;

Autonomia: Cidade 399 km – Estrada 627 km;

Porta malas – 538 Litros;

Carga útil – 392 kg;

Tanque de combustível – 57 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 213.859,00.

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.

Carros antigos

Caminhonete D10, a arma da GM para enfrentar o Ford F-1000 Elba carro – Chega ao Brasil o SW da família Uno, que tirou o sono dos SW Compacto VW e GM Fiat Oggi CSS 1.4 1984 conheça o Esportivo da Família 147 Vectra Elegance, em 2009 o médio de luxo da Chevrolet ainda causava frisson Toyota Paseo, conheça o cupê compacto da montadora japonesa Corsa 99, a versão Super do popular mais confortável da década de 1990 Opala 6 caneco, a versão standard de 1979 customizada Saveiro 96, o fim da bem sucedida geração quadrada se aproximava Chrysler Neon 2000, o início do fim, do médio de elite, hoje um raro colecionável Vectra 97, nunca restaurado, a versão CD 16V, com teto solar e câmbio automático

CONTATO Fale Com o Motor Tudo no Facebook.

Carros antigos