Opala SS 6 1976 o primeiro ano do motor 250-S de 171 cv e tuchos mecânicos

Compartilhe

O ano de 1976 coloca fim a geração dos motores 250 de 140 cv e tuchos hidráulicos, nas versões esportivas da família Opala SS 6, nasce uma nova geração, mais rápida, econômica, alcançando 190 km/h, com um giro bastante estável

A nova geração do Opala SS 6 1976, na verdade chegou no final de 1975, já como modelo 1976, e trouxe a solução para alguns problemas, que o motor de 6 cilindros apresentava. Com 140 cv de força e tuchos hidráulicos, em altas rotações o motor entregava um nível de vibração, maior que o desejado pela montadora, e um desempenho abaixo da concorrência.

Outro problema, era em competições, transformar o motor 6 cilindros, era um trabalho árduo para as equipes, sem contar o marketing, e o baixo desempenho nas ruas, em relação aos concorrentes, Ford Maverick GT V8 e Dodge R/T.


A nova geração de motores 6 cilindros da Chevrolet, com tuchos mecânicos, e 171 cv, trouxe uma tecnologia bastante interessante. Deixou o Opala SS 6, como o esportivo mais rápido e mais econômico do mercado, entregando o melhor equilíbrio entre, força, velocidade e consumo.

Veja abaixo a tabela de comparação de desempenho e consumo

Opala SS6 1976 171 cvVelocidade final 190 km/h – Consumo 6 km/l Urbano – 8 km/l estrada;

Opala SS6 1975 140 cvVelocidade final 174 km/h – Consumo 5 km/l Urbano – 7,5 km/l estrada;

Ford Maverick GT V8 1976 197 cvVelocidade final 182 km/h – Consumo 4,5 km/l Urbano – 6 km/l estrada;

Dodge Charger R/T V8 1976 215 cvVelocidade final 180 km/h – Consumo 5 km/l Urbano – 8 km/l estrada;

Desempenho – Opala SS 6 1976

Estabilidade –  O conjunto, carroceria, chassi e suspensão, dava ao carro uma boa estabilidade, mesmo sendo um projeto desenvolvido no final da década de 1960, recebeu diversos upgrades no passar dos anos, e ainda era considerado atualizado para o final da década de 1970.

Motor –  Utilizando o motor Chevrolet 4100, com a nova configuração, era robusto, confiável e com um giro bastante estável mesmo em altas rotações. Mas o custo das manutenções preventivas e corretivas de um modelo 0 km, ainda eram considerados de alto para os padrões do Brasil.

Câmbio –  O câmbio manual de 4 velocidades era um dos pontos fortes do carro, o casamento perfeito com um motor robusto e nervoso.

Retomadas e ultrapassagens – Com um motor elástico com muito fôlego, que respondia muito bem ao pedal do acelerador, era seguro e confiável.

Consumo –  Era o Muscle Car mais econômico na segunda metade da década de 1970, fazendo 6 km/l na cidade.

Acabamento Externo

Faróis –  Redondos de lentes boleadas, embutidos em uma moldura na cor preto;

Setas dianteiras – Embutidas nos para-lamas;

Para – choques –  Em lâminas de aço carbono cromados;

Faróis de neblina – Sim;

Grade de ar do motor – Com frisos na horizontal e vertical, e o logo “SS” no centro da grade;

Retrovisores Externos – Redondos cromados;

Frisos – Faixa esportiva em toda a extensão lateral;

Rodas – Esportivas tradicionais família Opala SS;

Maçanetas – Cromadas;

Logo – “Chevrolet SS 6”, na lateral dos para – lamas dianteiros;

Lanterna Traseira – Bicolor, dupla, posicionadas na horizontal;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Não;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com mostradores em escala circular;

Conta – giros – Sim;

Acabamento do painel – Em vinil e aço na cor grafite;

Volante – Esportivo de três raios;

Sistema de som – Sim;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Opcional;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Não;

Relógio – Não;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Manual basculante;

Sistema de travamento das portas – Mecânico;

Ajuste dos retrovisores externos – Manual externo;

Acabamento dos bancos – Em vinil;

Acabamento das portas – Em vinil e detalhes cromados;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Sem acessórios;

Encosto de cabeça – Embutidos nos bancos dianteiros;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Não;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Emborrachado;

Ficha Técnica – Opala SS 6 1976

Carroceria – Cupê;

Porte – Grande;

Portas – 2;

Motor –  4.1 Cód 250-S;

Cilindros – 6 em linha;

Válvulas por cilindro – 2;

Posição – Longitudinal;

Combustível – Gasolina;

Potência – 171 cv;

Peso Torque – 36,1 kg/kgfm;

Cilindrada – 4093 cm³;

Torque máximo – 32,5 kgfm a 2600 rpm;

Potência Máxima – 4800 rpm;

Tração – Traseira;

Alimentação –  Carburador;

Direção – Hidráulica;

Câmbio – Manual de 4 velocidades com alavanca no assoalho;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Freio a disco sólido nas rodas dianteiras e tambor nas rodas traseiras;

Peso – 1172 kg;

Suspensão dianteira – Independente, Braços sobrepostos – Mola helicoidal;

Suspensão traseira – Eixo rígido – Mola helicoidal;

Comprimento – 4671 mm;

Distância entre-eixos – 2667 mm;

Largura – 1758 mm;

Altura – 1359 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 11,7 Segundos;

Velocidade máxima – 190 km/h;

Consumo: Cidade 6 km/l – Estrada 8 km/l;

Autonomia: Cidade 324 km – Estrada 432 km;

Porta malas – 430 Litros;

Carga útil – Não informado;

Tanque de combustível – 54 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 335.658,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.

Deixe um comentário