Omega CD 4.1 1995 Com painel digital muito luxo e conforto a mais de 200 KM/h

O Chevrolet Omega ao desembarcar no Brasil em 1992 apresentou novas tecnologias de segurança e aerodinâmica ainda não vistas por aqui, mas não convenceu muito com suas duas primeiras versões de motores, 2.0 o mesmo que equipava a linha Monza, e o 3.0 importado, mas em 1995 a história mudou

Em 1995 a Chevrolet apresenta o Omega CD 4.1, a montadora americana enviou para Lotus o motor 4.1 S do Opala, onde foi reformulado e atualizado, ganhou injeção eletrônica multi ponto e outros acessórios eletrônicos, gerando 168 CV de força e chegando a 215 Km/h, com muito equilíbrio e conforto.

Mas não era apenas a substituição do motor 3.0 pelo rejuvenescido 4.1 que fez o Omega CD ser o sonho de consumo de muita gente, o lindo e eficiente painel digital era um atrativo a parte. Sem dúvida em 1995 o grande diferencial do omega ainda era a quantidade de itens de luxo e segurança que o carro oferecia, freios a disco nas quatro rodas anti-blocante “ABS”, computador de bordo, CD player, destravamento automático em emergência entre outros.

Desempenho

Força e agilidade com muito equilíbrio, o Omega CD 4.1 era um veículo de grande porte de luxo, muito equilibrado e estável, com uma velocidade de cruzeiro capaz de ser mantida por longos períodos, mesmo atingindo velocidades acima de 160 Km/h se mantinha muito estável em retas.

Com uma aerodinâmica bastante avançada para a época, e uma suspensão macia e muito eficiente, entrar em curvas de alta velocidade com um Omega era sinônimo de segurança e conforto, mesmo com piso molhado.

O Motor que já era eficiente na geração Opala, ficou mais estável e silencioso, a palavra estradeiro, ganhou novo sentido com o modelo 4.1 1995.

Imagens Pastore Car Collection.

Imagens Pastore Car Collection.


Acabamento Externo.

Para-choques envolventes.

Faróis de neblina embutidos no para-choque dianteiro.

Faróis com regulagem elétrica acoplado a luzes de longo alcance.

Retrovisores panorâmicos, aerodinâmicos com aquecedor e controle elétrico interno.

Rodas de liga leve exclusivas da família Omega.

Logo CD na lateral do carro.

Friso emborrachado com friso cromado em toda a extensão da lateral.

Lanternas traseiras retangulares, elegantes e muito eficientes.

Imagens Pastore Car Collection.

Imagens Pastore Car Collection.

Imagens Pastore Car Collection.

Imagens Pastore Car Collection.

Imagens Pastore Car Collection.


Acabamento interno.

Comando de ajuste interno elétrico dos faróis.

Vidros elétricos com controle anti-esmagamanto

Travas elétricas com destravamento de segurança automático.

Teto solar elétrico.

Bancos de couro.

Acabamento das portas em couro e detalhes em imitação de madeira.

Encosto de cabeça vazado nos bancos dianteiros e traseiros.

Bancos com regulagem lombar.

Computador de bordo.

Painel Digital completo, moderno e muito eficiente, até mesmo para os padrões de hoje.

Ar-condicionado digital.

Porta luvas climatizado.

CD Player.

Imagens Pastore Car Collection.

Imagens Pastore Car Collection.

Imagens Pastore Car Collection.

Imagens Pastore Car Collection.

Imagens Pastore Car Collection.

Imagens Pastore Car Collection.

Imagens Pastore Car Collection.

Imagens Pastore Car Collection.


Ficha Técnica – Omega CD 4.1 1995

Carroceria sedã;

Porte grande;

4 portas;

Motor Powertech C41GE 4.1;

Cilindros 6 em linha;

Longitudinal;

Tuchos Hidráulicos;

Tração traseira;

Combustível Gasolina;

Injeção Multiponto;

Direção Hidráulica;

Câmbio manual de 5 marchas;

Embreagem monodisco a seco;

Freios a disco ventilados nas rodas dianteiras e disco sólido nas rodas traseiras;

Peso 1449 KG;

Potência 168 CV;

29,1 kgfm a 3500 rpm;

Potência Máxima 4500 RPM.

De 0 a 100 – 9,7 Segundos;

Velocidade máxima 215 KM/h;

Consumo Consumo na Cidade 6 KM/L – Estrada 9,7 KM/L;

Porta malas 452 Litros;

Carga útil 480;

Tanque de combustível 75 Litros;


Imagens Pastore Car Collection.

Imagens Pastore Car Collection.

Imagens Pastore Car Collection.

Imagens Pastore Car Collection.


Motor Tudo – Chevrolet Omega CD 4.1 1995.

Carros dos anos 90 – Carros Clássicos brasileiros.

Please follow and like us:

17 comentários sobre “Omega CD 4.1 1995 Com painel digital muito luxo e conforto a mais de 200 KM/h”

  1. Ômega CD 4.1…. o melhor!!! Queria um Diplomata 4.1 92….

  2. omega gls 2.0 é bom?….tem valor de revenda?….quais as vantagens e desvantagens dessa versão?

    1. Ola Tiago, todo carro antigo requer muita atenção e manutenções preventivas constantes, principalmente modelos de grande porte e com muita parafernália eletrônica.
      É um modelo com muita qualidade e que estando com as manutenções em dia se torna uma excelente aquisição, mas NÃO compre pensando que as despesas são as mesmas de um modelo compacto 1.0.
      Quanto ao valor de revenda, é bastante relativo, se for um modelo placa preta colecionável pode valer dezenas de milhares de reais, mas se for um modelo comum usado no dia a dia, a revenda pode ter um valor muito baixo ou quase insignificante, principalmente se já estiver perto de fazer retífica de motor ou câmbio.

  3. Olá pessoas boa tarde……sempre tive opala qdo saiu de linha….. logo comprei um ômega cd completo e realmente era outro carro…..deixou saudades

  4. Olá nem sei se estou no lugar certo se não estiver me desculpa.Bem eu tenho um ômega 4.1 1995 e acabei de comprar um sítio tem 09 km de estrada de terra e não tenho como comprar um outro carro por enquanto será que pode andar nele na terra? Com muita prudência é claro. Marcio

    1. Não é o ideal para um carro com mais de 20 anos de uso, ainda mais com componentes eletrônicos, mas sendo viagens de fim de semana e não diárias, fazendo as manutenções preventivas em tempos mais reduzidos, como a constante troca de todos os filtros,ar ,óleo e combustível, não haverá problemas.
      Talvez o cuidado maior seja com a suspensão traseira, as borrachas e outros itens se desgastam muito rápido e começa a bateção.

  5. Olá amantes do clássico Omega. Atualmente, possuo um Omega,4.1, completo, tudo funcionando perfeitamente na cor VERDE só pra consta no documento, pois,a cada ângulo a cor muda, tornando-se um camaleão. Já ofereceram valores pra comprar bem acima da Fipe, mas, minha paixão não admite que me separe dele. Um Omega, mesmo para os dias de hoje, ainda é ABSOLUTO!! Parabéns a exposição feita destes belos exemplares de veículos clássicos de ótima qualidade.

  6. Desculpe redator, mas o 3.0 era muito mais moderno, eficiente, elástico, estradeiro e econômico que esse 4.1, que foi reinventado porque o 3.0 alemão era caro pra GM e o 4.1 era ultrapassado pra sibstitii-lo, revitalizaram na lotus mas nunca convenceram os verdadeiros amantes do ômega. Existem duas fases distintas pra os admiradores, os 3.0 pra os fãs do ômega e os 4.1 pra os saudosistas do opala, só quem teve um 3.0 sabe a nave que foi aquilo.

  7. Um excelente carro ! Acabamento de primeira..

    1. Concordo, como dizia no comercial Absoluto.

        1. Olá pessoas boa tarde……sempre tive opala qdo saiu de linha….. logo comprei um ômega cd completo e realmente era outro carro…..deixou saudades

  8. Painel digital era o máximo. Ótima matéria

    1. Olá amantes do clássico Omega. Atualmente, possuo um Omega,4.1, completo, tudo funcionando perfeitamente na cor VERDE só pra consta no documento, pois,a cada ângulo a cor muda, tornando-se um camaleão. Já ofereceram valores pra comprar bem acima da Fipe, mas, minha paixão não admite que me separe dele. Um Omega, mesmo para os dias de hoje, ainda é ABSOLUTO!! Parabéns a exposição feita destes belos exemplares de veículos clássicos de ótima qualidade.

Deixe uma resposta