fbpx
Pular para o conteúdo

Monza sedan, 1985 fase 1, na versão SL/E, uma das últimas unidades produzidas

Compartilhe

O Monza sedan, 1985 fase 1, na versão SL/E, da nossa matéria impressiona pelo incrível estado de conservação, foi uma das últimas unidades a sair da linha de montagem, dando lugar, ao modelo 1985 fase 2, que trazia um novo acabamento interno e externo.

O líder em venda começou sua escalada em 1984, com 70577 unidades emplacadas, em 1985 saltou para 75240 unidades comercializadas. Surpreendeu por ser um modelo de luxo de médio porte, de custo intermediário a assumir o posto de carro nacional mais vendido, posição historicamente no Brasil, que pertencia apenas aos compactos populares.

O exemplar da nossa matéria é um Monza SL/E 1.8 a álcool 1985 série 1, carroceria 2 portas, na cor Bege Champagne Metálico, que ainda mantém os 4 amortecedores originais GM AC Delco Monroe datados de 2/6/1985 e permanecem com perfeita ação e sem vazamentos.

Para quem não viveu a época, a diferença do Monza sedan, 1985 fase 1, para o Monza 1985 fase 2, era o acabamento interno e externo, na segunda fase ganhou novos bancos estilo anatômicos, nova grade de ar do motor, retrovisores maiores e de melhor visualização, e painel com mostradores melhor localizados.

Desempenho

Estabilidade –  O conjunto do projeto, dava ao carro uma ótima estabilidade, a Chevrolet conseguia unir em uma mesma suspensão maciez e segurança.

Motor –  Utilizando o motor Chevrolet 1.8 a álcool, era confiável, rápido e com o nível de ruído interno e externo mais baixo do mercado.

Câmbio –  O câmbio manual de 5 velocidades, tinha engates macios e precisos, mesmo em trocas mais rápidas de marcha se mantinha eficiente.

Retomadas e ultrapassagens – Utilizando um motor 1.8 a álcool, respondia muito bem ao pedal do acelerador, mesmo com carga máxima de peso 460 kg, era seguro e eficiente em ultrapassagens.

Consumo –  Para um modelo médio que pesava 1075 kg, com motor a álcool, fazer 7,5 km/l na cidade era uma boa média, mais detalhes na ficha técnica no final do post.

Acabamento Externo

Faróis –  Chanfrados de lentes planas;

Setas dianteiras – Embutidas no mesmo conjuntos dos faróis;

Para – choques –  Em lâminas de aço carbono na cor grafite, com detalhe cromado;

Faróis de neblina – Não;

Grade de ar do motor – Com diversas lâminas de plástico na horizontal;

Retrovisores Externos – Panorâmico;

Frisos – Emborrachado em toda a extensão lateral com detalhe cromado e o logo “Monza SL/E”;

Rodas – Rodas de liga – leve 185/70 R13 tradicionais da família Monza;

Maçanetas – Cromadas;

Logo – “1.8” na tampa do porta malas;

Lanterna Traseira – Bicolor com luz de ré;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Não;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com mostradores básicos em escala circular;

Conta – giros – Não;

Acabamento do painel – Em vinil na cor preto;

Volante – Espumado de quatro raios;

Sistema de som – Sim;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Opcional;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Não;

Relógio – Digital;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Manual basculante;

Sistema de travamento das portas – Mecânico – Opcional elétrico;

Ajuste dos retrovisores externos – Interno mecânico – Opcional elétrico;

Acabamento dos bancos – Em tecido aveludado;

Acabamento das portas – Em vinil e carpete;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Sim;

Banco traseiro – Sem acessórios;

Encosto de cabeça – Para dois passageiros embutidos nos bancos dianteiros;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Sim;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Acarpetado;

Ficha Técnica – Monza sedan, 1985 fase 1, na versão SL/E

Carroceria – Sedã;

Porte – Médio;

Portas – 4;

Motor –  Chevroelt Família II 1.8;

Cilindros – 4 em linha;

Posição – Transversal;

Combustível – Álcool;

Potência – 96 cv;

Peso Torque – 71,19 kg/kgfm;

Cilindrada – 1796 cm³;

Torque máximo – 15,1 kgfm a 3000 rpm;

Potência Máxima – 5600 rpm;

Tração – Dianteira;

Alimentação –  Carburador;

Direção – Hidráulica;

Câmbio – Manual de 5 velocidades com alavanca no assoalho;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Freio a disco sólido nas rodas dianteiras e tambor nas rodas traseiras;

Peso – 1075 kg;

Suspensão dianteira – Independente, McPherson – Mola helicoidal;

Suspensão traseira – Eixo de torção – Mola helicoidal;

Comprimento – 4366 mm;

Distância entre-eixos – 2574 mm;

Largura – 1668 mm;

Altura – 1358 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 13,1 Segundos;

Velocidade máxima – 157 km/h;

Consumo: Cidade 7,4 km/l – Estrada 11 km/l;

Autonomia: Cidade 451,4 km – Estrada 671 km;

Porta malas – 410 Litros;

Carga útil – 460 kg;

Tanque de combustível – 61 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 173.154,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.

Carros antigos

Caminhonete D10, a arma da GM para enfrentar o Ford F-1000 Elba carro – Chega ao Brasil o SW da família Uno, que tirou o sono dos SW Compacto VW e GM Fiat Oggi CSS 1.4 1984 conheça o Esportivo da Família 147 Vectra Elegance, em 2009 o médio de luxo da Chevrolet ainda causava frisson Toyota Paseo, conheça o cupê compacto da montadora japonesa Corsa 99, a versão Super do popular mais confortável da década de 1990 Opala 6 caneco, a versão standard de 1979 customizada Saveiro 96, o fim da bem sucedida geração quadrada se aproximava Chrysler Neon 2000, o início do fim, do médio de elite, hoje um raro colecionável Vectra 97, nunca restaurado, a versão CD 16V, com teto solar e câmbio automático

CONTATO Fale Com o Motor Tudo no Facebook.

Carros antigos