Mitsubishi Eclipse 2.0 GST 16V Turbo 1995 com câmbio manual um importado que deu certo

Compartilhe

Durante a febre dos importados no início da década de 1990, o Mitsubishi Eclipse, foi um dos modelos que veio para ficar, agradou o público em geral, e se tornou o carro das maiores celebridades brasileiras

A unidade aqui da matéria é um Mitsubishi Eclipse 2.0 GST 16V Turbo 1995 com câmbio manual, equipado com o confiável e robusto motor 4G63T – 2.0 16V TurboCompressor, alcançava sem esforço, velocidade final real de 224 km/h, com aceleração de 0 a 100 em 7,1 segundos.

O modelo desde o início de sua importação para o Brasil, entrou na lista dos importados mais emplacados, mesmo sendo um modelo de elite, de alto custo. Jogadores de Futebol, cantores atores, políticos e empresários de médio e alto escalão, eram regularmente vistos na mídia dirigindo um modelo.

O visual, esportivo com um ar futurista, aliado, a um excelente desempenho, o carro ainda vinha equipado com, controle de tração, controle automático de velocidade, Air bag duplo, Ar condicionado, Direção hidráulica, Travas elétricas, Vidros elétricos, Alarme, Rádio e CD Player, Rodas de liga leve, Retrovisores elétricos, Volante com Regulagem de Altura e Computador de bordo.

Mas tudo que é bom e tem qualidade, também tem um preço a altura, a unidade zero km não chegaria a sua garagem, por menos de R$ 182.702,00, em valores atualizados para o primeiro semestre de 2021.

Desempenho

Estabilidade –  O conjunto, carroceria, chassi e suspensão, era muito eficiente e equilibrado, aliado ao controle de tração, conseguia unir segurança e conforto, a altura de modelos de elite.

Motor –  Utilizando o motor japonês 4G63T 2.0 Turbo de 213 cv e 16 válvulas, com aceleração de 0 a 100 de 7,1 segundos, era robusto e muito ágil.

Câmbio –  O câmbio manual de 5 marchas, era de engates precisos, e relações curtas. Mas o pedal da embreagem era muito duro para um modelo de elite.

Retomadas e ultrapassagens – Com bastante fôlego e respostas imediatas ao pedal do acelerador, era seguro e eficiente .

Consumo –  Mesmo com um motor Turbo 2.0 16V, conseguia fazer bons 9 km/l na cidade.

Acabamento Externo

Faróis –  Com linhas acompanhando o desenho da carroceria, faróis e luzes de longo alcance embutidos em um mesmo conjunto de lentes;

Setas dianteiras – Embutidas dentro do conjunto de lentes dos faróis;

Para – choques –  Envolventes na cor da carroceria;

Faróis de neblina – Sim;

Grade de ar do motor – Em lâminas de plástico na horizontal, embutida discretamente abaixo do para – choque;

Retrovisores Externos – Panorâmicos, com ajuste elétrico interno;

Frisos – Não;

Rodas – Rodas de liga-leve 205/55 R16 – Na configuração original de fábrica;

Maçanetas – Na cor da carroceria;

Logo – “GS-T” Na tampa do porta – malas;

Lanterna Traseira – Em cor única, com luz de ré posicionada no para – choque;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Sim;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com mostradores em escala circular em km/h e mph;

Conta – giros – Sim;

Acabamento do painel – Em vinil na cor cinza e grafite;

Volante – Espumado de 4 raios;

Sistema de som – Sim;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Sim;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Sim;

Relógio – Não;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Elétrico;

Sistema de travamento das portas – Elétrico;

Ajuste dos retrovisores externos – Elétrico;

Acabamento dos bancos – Em fino tecido aveludado;

Acabamento das portas – Em couro;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Bipartido, com cinto de segurança de três pontos para dois passageiros;

Encosto de cabeça – Para dois passageiros;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Sim;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Acarpetado;

Ficha Técnica – Mitsubishi Eclipse 2.0 GST 16V Turbo 1995

Carroceria – Cupê;

Porte – Médio;

Portas – 2;

Motor –  4G63T 2.0 Turbocompressor;

Cilindros – 4 em linha;

Válvulas por cilindro – 4;

Posição – Transversal;

Combustível – Gasolina;

Potência – 213 cv;

Peso Torque – 43,8 kg/kgfm;

Cilindrada – 1997 cm³;

Torque máximo – 29,6 kgfm a 3000 rpm;

Potência Máxima – 6000 rpm;

Tração – Dianteira;

Alimentação –  Injeção Multiponto;

Direção – Hidráulica;

Câmbio – Manual de 5 marchas com alavanca no assoalho;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Freio ABS a disco ventilado nas rodas dianteiras e disco sólido nas rodas traseiras;

Peso – 1295 kg;

Suspensão dianteira – Independente, braços sobrepostos – Mola helicoidal;

Suspensão traseira – Independente, multibraço – Mola helicoidal;

Comprimento – 4374 mm;

Distância entre – eixos – 2510 mm;

Largura – 1745 mm;

Altura – 1293 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 7,1 Segundos;

Velocidade máxima – 224 km/h;

Consumo: Cidade 9 km/l – Estrada 12,4 km/l;

Autonomia: Cidade 540 km – Estrada 744 km;

Porta malas – 241 Litros;

Carga útil – Não informado;

Tanque de combustível – 60 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 182.702,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.joi

Deixe uma resposta