L’Automobile Ventura 1980, mais um fora de série que fez parte da nossa história

Compartilhe

Nas décadas de 1970 e 1980, com o mercado fechado para importações, era a vez das montadoras fora de série, Puma, Santa Matilde, Gurgel, MP Lafer, entre outras

L’Automobile, era uma montadora fora de série brasileira, localizada em São Paulo, mas foi criada e administrada por dois argentinos, Claudio Campuzzano e Guillermo Pardo. A empresa nunca conseguiu decolar em número de unidade emplacadas, além do esportivo “Ventura”, alguns modelos de Buggy e algumas réplicas de carros europeus foram produzidos, somados alcançavam entre 40 e 60 unidades vendidas por mês.

A unidade aqui da matéria, o L’Automobile Ventura 1980, utiliza a carroceria com um desenho esportivo, com dimensões e características que lembram o Puma GTB, além de lanternas traseira do Alfa Romeu, e faróis do Dodge Polara. A plataforma era Volkswagen Brasília, com o motor 1600 plano, do VW Variante.

No acabamento interno, oferecia a mesma tendência dos foras de série da época; painel com diversos mostradores, incluindo conta-giros, volante esportivo e painel com forração em couro.

Em 1981 sai do forno a versão L’Automobile ventura RS, utilizando a mecânica do Passat TS, com o motor BS 1.6. Mas não existe registros de quantas unidades foram comercializadas.

Desempenho

Estabilidade – O conjunto carroceria, chassi e suspensão, era relativamente eficiente, considerando a tecnologia da época. Em curvas de alta com o piso molhado era sempre bom o motorista ficar atendo a saídas de pista, mas em um país onde a grande maioria das vias eram de ruas estreitas de paralelepípedo ou de chão batido, ele tinha a suspensão ideal.

Motor – O motor Volkswagen Boxer 1600, era de manutenção descomplicada e de baixo custo, mas com o desempenho muito longe, pra um esportivo.

Câmbio – O câmbio da família VW 1600, chegou ao início da década de 1980, com uma estrutura mais robusta e engates mais eficientes.

Retomadas e ultrapassagens – Atendia as expectativas para um compacto da década de 1970, mas em pistas de mão dupla, coma carga máxima de peso, era sempre bom o motorista negociar bem as ultrapassagens.

Consumo – Para um motor 1600 de um modelo compacto, fazer, 10 km/l na cidade era uma ótima média, mais detalhes na ficha técnica.

Acabamento Externo

Faróis –  Quadrados, de lentes planas;

Setas dianteiras – Embutidas no para-choque;

Para – choques –  Na cor grafite;

Faróis de neblina – Não;

Grade de ar do motor – Entrada de ar forçado nos para-lamas traseiros;

Retrovisores Externos – De plástico preto, com ajuste manual;

Frisos – Não;

Rodas – De liga-leve;

Maçanetas – Embutidas na porta;

Logo – “L’Automobile Ventura” na tampa do motor;

Lanterna Traseira – Bicolor com luz de ré;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Opcional;

Limpador do vidro traseiro – Não;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com diversos mostradores em escala circular;

Conta – giros – Sim;

Acabamento do painel – Em couro preto;

Volante – Esportivo de três raios;

Sistema de som – Sim;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Não;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Não;

Relógio – Não;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Manual basculante;

Sistema de travamento das portas – Mecânico;

Ajuste dos retrovisores externos – Manual;

Acabamento dos bancos – Em courvin e veludo;

Acabamento das portas – Em courvin;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Sem acessórios;

Encosto de cabeça – Para dois passageiros embutidos nos bancos dianteiros;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Opcional;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Acarpetado;

Ficha Técnica – L’Automobile Ventura 1980

Carroceria – Cupê;

Porte – Compacto;

Portas – 2;

Motor –  Volkswagen Boxer 1600;

Cilindros – 4 opostos horizontalmente;

Válvulas por cilindro – 2;

Posição – Longitudinal;

Combustível – Gasolina;

Potência – 67 cv;

Peso Torque – 80,8 kg/kgfm;

Cilindrada – 1584 cm³;

Torque máximo – 12 kgfm a 3200 rpm;

Potência Máxima – 4600 rpm;

Tração – Traseira;

Alimentação –  Carburador;

Direção – Simples;

Câmbio – Manual de 4 velocidades com alavanca no assoalho;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Freio a disco sólido nas rodas dianteiras e tambor nas rodas traseiras;

Peso – 915 kg;

Suspensão dianteira – Independente, braços arrastados – Barra de torção;

Suspensão traseira – Independente, semi-eixos oscilantes – Barra de torção;

Comprimento – N/D mm;

Distância entre-eixos – 2400 mm;

Largura – N/D mm;

Altura – 1430 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 19,2 Segundos;

Velocidade máxima – 142 km/h;

Consumo: Cidade 10 km/l – Estrada 13 km/l;

Autonomia: Cidade 500 km – Estrada 650 km;

Porta malas – N/D Litros;

Carga útil – Não Informado;

Tanque de combustível – 46 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 178.308,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.joi

Deixe uma resposta