Land Rover Defender 1998, a salvação da estatais, petrolíferas e elétricas do Brasil

Compartilhe

O Land Rover Defender 1998, foi o modelo que chegou para enfrentar o desafio que até o início da década de 1990, que o único utilitário produzido em série aqui no Brasil, o Toyota Bandeirante aguentava.

No final da década de 1980, com a expansão de linhas de dutos e estações de bombeamento da estatal Petrobras, e a ampliação e construção de hidrelétricas, eram em áreas extremamente remotas, gigantescos atoleiros, mata fechada, situações que somente um veículo com DNA Off-Road suportaria.

Com a falta de opções no mercado, as estatais optavam pelo Toyota Bandeirante 4X4, que por sinal cumpria muito bem o seu papel. Mas pela lei das licitações em empresas federais, não pode haver apenas um fornecedor por determinado período de tempo. Então a solução foi comprar Ford F-1000 4X4 e Chevrolet D-20 4X4, um erro fatal.

Tanto o modelo Ford como Chevrolet, foram desenvolvidos para regiões rurais e urbanas, ao se depararem com regiões como a estação de bombeamento Petrobras na floresta amazônica, ambos os modelos no trabalho do dia a dia, tinham a suspensão desprendida do bloco, e a cabine acabava se soltando em 6 meses de uso.

Em conversa com um engenheiro da Petrobras, que trabalhou na região amazônica na década de 1980, ele me relatou que, presenciou enormes cemitérios de F-1000 e D-20, seminovos, totalmente destruídos, por exaustão ao serviço nos gigantescos atoleiros.

Mas o Land Rover Defender 1998, chegou para fazer o trabalho sujo ao lado do Toyota Bandeirante, o modelo inglês, enfrentava os piores atoleiros possíveis, seguia firme e forte, sem abalos, além de oferecer conforto como ar-condicionado e direção hidráulica de série.

Desempenho

Estabilidade –  O conjunto, dava ao uma boa estabilidade, em estradas de chão batido, no asfalto cumpria bem o seu papel.

Motor –  Utilizando o motor 300 TDi 2.5 Turbo Diesel, era eficiente na cidade, bastante confiável e ideal para atoleiros.

Câmbio –  O câmbio manual de 5 marchas, era moderno e muito eficiente, principalmente para os padrões brasileiros.

Retomadas e ultrapassagens – Cumpria com seu papel para um utilitário Off-Road.

Consumo –  Para um motor 2.5 a Diesel de 4 cilindros, fazer 7,2 km/l era considerado dentro dos padrões para a época, mais detalhes na ficha técnica no final do post.

Acabamento Externo

Faróis –  Faróis redondos de lentes boleadas, embutidos com recuo;

Setas dianteiras – Redondas embutidas ao lado dos faróis;

Para – choques –  Em lâminas de aço carbono, com acoplamento de guincho motorizado e grade de ar externa;

Faróis de neblina – Não – Utiliza luzes de longo alcance, acopladas na grade frontal de proteção;

Grade de ar do motor – Em lâminas de aço na horizontal;

Retrovisores Externos – Com haste e ajuste manual;

Frisos – Não;

Rodas – De aço tradicionais da família Land Rover;

Maçanetas – Na cor grafite;

Logo – “Land Rover”, na tampa do motor;

Lanterna Traseira – Em cor única, com luz traseira de neblina;

Bagageiro – Opcional;

Teto Solar – Sim;

Limpador do vidro traseiro – Não;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com diversos mostradores em escala circular;

Conta – giros – Sim;

Acabamento do painel – Em aço e couro;

Volante – Espumado, com acabamento em couro de dois raios;

Sistema de som – Sim;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Sim;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Não;

Relógio – Analógico;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Manual basculante;

Sistema de travamento das portas – Mecânico;

Ajuste dos retrovisores externos – Manual;

Acabamento dos bancos – Em tecido, opcional para couro;

Acabamento das portas – Em vinil;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Sem acessórios;

Encosto de cabeça – Para dois passageiros nos bancos dianteiros;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Não;

Assoalho – Emborrachado – Opção para carpete;

Porta-malas –  Emborrachado – Opção para carpete;

Acabamento do painel – Em aço na cor da carroceria;

Ficha Técnica – Land Rover Defender 1998

Carroceria – Land Rover Jipe;

Porte – Médio;

Portas – 2;

Motor –  300 TDi 2.5 Turbo Diesel;

Cilindros – 4 em linha;

Posição – Longitudinal;

Combustível – Diesel;

Potência – 113 CV;

Peso Torque – 75,1 kg/kgfm;

Cilindrada – 2495 cm³;

Torque máximo – 27 kgfm a 1800 rpm;

Potência Máxima – 4000 rpm;

Tração – Integral permanente;

Alimentação –  Injeção direta;

Direção – Hidráulica;

Câmbio – Manual de 5 marchas com alavanca no assoalho;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Freio a disco ventilado nas rodas dianteiras e disco rígido nas rodas traseiras;

Peso – 2028 kg;

Suspensão dianteira – Eixo rígido – Mola helicoidal;

Suspensão traseira – Eixo rígido – Mola helicoidal;

Comprimento – 4599 mm;

Distância entre-eixos – 2794 mm;

Largura – 1790 mm;

Altura – 2035 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 20 Segundos;

Velocidade máxima – 129 km/h;

Consumo: Cidade 7,2 km/l – Estrada 8,9 km/l;

Autonomia: Cidade 576 km – Estrada 712 km;

Porta malas – N/D;

Carga útil – N/D;

Tanque de combustível – 80 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 572.952,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.joi

Deixe um comentário