Kombi luxo 1959 o primeiro veículo brasileiro com a 1ª marcha sincronizada

Compartilhe

Até 1958 ainda eram produzidas unidades com sistema de partida a manivela, e motor VW 1200 refrigerado a ar era importado, mas o VW Kombi luxo 1959, ganha upgrades significativos visando a nova década.

O último ano da década de 1950, o VW Kombi luxo se preparou para a inovações da década de 1960, ganha motor 1200 produzido em solo brasileiro, câmbio de 4 marchas totalmente sincronizado, e tubos de aço carbono de larga espessura no para – choque dianteiro.

Na área urbana principalmente nos grandes centros, os utilitários Chevrolet e Ford, não se encaixavam no perfil do pequeno e médio comerciantes, os custos de compra dos modelos zero km e as manutenções preventivas e corretivas estavam fora de cogitação.

Já o VW Kombi, se encaixava perfeitamente no perfil, tanto o preço do modelo zero km era mais em conta, como as manutenções preventivas e corretivas.

Desde o início de sua importação pelo Grupo Brasmotor Brastemp em 1950, a van de médio porte logo tomou as ruas da área urbana, principalmente os grandes centros e regiões metropolitanas.

Hoje um dos colecionáveis mais apaixonantes e caros do mercado brasileiro e europeu.

Desempenho

Estabilidade – O conjunto carroceria, chassi e suspensão, era relativamente eficiente, considerando a tecnologia da época. Em curvas de alta com o piso molhado era sempre bom o motorista ficar atendo a saídas de pista, mas em um país onde a grande maioria das vias eram de ruas estreitas de paralelepípedo ou de chão batido, ela tinha a suspensão ideal.

Motor – O motor Volkswagen Boxer 1200, entregava o desempenho suficiente para o transporte de passageiros na área urbana.

Câmbio –  O câmbio de 4 velocidades não era dos mais eficiente, cumpria bem seu papel como um utilitário, mas após 12 ou 24 meses de uso a alavanca do câmbio apresentava folga, encaixes imprecisos ou impossíveis.

Retomadas e ultrapassagens – Para um utilitário das décadas de 1950 / 1960, cumpria seu papel, mas com carga máxima de 810 kg, era bom negociar bem as ultrapassagens.

Consumo –  Para um motor de 4 cilindros ainda com tecnologia da década de 1940 fazer 5 ou 6 km/l na cidade era considerado dentro do esperado.

Acabamento Externo

Faróis –  Redondos de lentes boleadas, embutidos em uma moldura cromada.

Setas dianteiras – Estilo bananinha;

Para – choques –  Em aço carbono;

Faróis de neblina – Não;

Grade de ar do motor – Entrada de ar forçada pelas laterais;

Retrovisor Externo – Redondo cromado com haste;

Frisos – Não;

Rodas – Rodas de aço tradicionais da família Kombi e calotas cônicas cromadas;

Maçanetas – Cromadas;

Logo – ;

Lanterna Traseira – Em cor única;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Não;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com mostradores básicos em escala circular;

Conta – giros – Não;

Acabamento do painel – Em metal na cor da carroceria;

Volante – De plástico injetado de dois raios;

Sistema de som – Não;

Ventilador – Opcional;

Ar – condicionado – Não;

Ar –  quente – N/D;

Luz de leitura – Não;

Relógio – Não;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Manual de trilho horizontal;

Sistema de travamento das portas – Mecânico;

Ajuste dos retrovisores externos – Manual;

Acabamento dos bancos – Em vinil;

Acabamento das portas – Em cortiça;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Sem acessórios;

Encosto de cabeça – Não;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Não;

Assoalho – Emborrachado;

Porta-malas – Emborrachado.

Ficha Técnica – Kombi de luxo 1959 – 1200

Carroceria – Van;

Porte – Médio;

Portas – 4;

Motor –  VW Boxer 1200 refrigerado a ar;

Cilindros – 4 opostos horizontalmente;

Posição – Longitudinal;

Combustível – Gasolina;

Potência – 36 cv;

Peso Torque – N/D kg/kgfm;

Cilindrada – 1210 cm³;

Torque máximo – 8,7 kgfm a 2500 rpm;

Potência Máxima – 4300 rpm;

Tração – Traseira;

Alimentação –  Carburador;

Direção – Simples;

Câmbio – Manual de 4 velocidades com alavanca no assoalho;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Freio a tambor nas quatro rodas;

Peso – 1120 kg;

Suspensão dianteira – Independente, braço arrastado – Barra de torção;

Suspensão traseira – Independente semi eixo-oscilante – Barra de torção;

Comprimento – 4300 mm;

Distância entre-eixos – 2400 mm;

Largura – 1746 mm;

Altura – 1925 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 49 Segundos;

Velocidade máxima – 94 km/h;

Consumo: Cidade 5 km/l – Estrada 6,6 km/l;

Autonomia: Cidade 215 km – Estrada 283,8 km;

Porta malas – 750 Litros;

Carga útil – 810 kg;

Tanque de combustível – 43 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 68.213,00 – Com opcionais;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.

Deixe uma resposta