Kombi Furgão Diesel, o projeto não deu certo, mas se tornou um clássico muito raro

Compartilhe

Em 1981 inicia projeto utilitários Diesel da Volkswagen, e o VW Kombi Furgão Diesel, foi a primeira fornada, inicialmente equipado com o motor BR 1.5, logo a montadora viu que faltava folego, no mesmo ano no lançamento do modelo picape Diesel, já recebeu o motor 1.6 refrigerado á agua.

A ideia da montadora no projeto Volkswagen Diesel, era ter todas as configurações da Kombi clipper, utilizando motores a Diesel, nas carrocerias, furgão, lotação e picape. Mas o projeto teve um erro fatal de engenharia, que selou o destino da Kombi Diesel.

Difícil de entender. Mesmo sendo o início da década de 1980, já existia tecnologia suficiente para desenvolver o projeto. Porém o sistema de refrigeração não funcionava como deveria, com o motor posicionado na parte traseira, e o radiador na parte dianteira, a troca de temperatura da água que refrigerava o sistema, não era feita com eficiência.

O resultado era potência limitada, e tempo de vida útil do motor menor do que o esperado. Mas hoje o VW Kombi Furgão Diesel, passou a ser um colecionável muito raro e valorizado, unidades devidamente conservados, ou que passaram por um processo de restauração de primeira linha, são adquiridas por colecionadores por valores entre, R$ 75.000,00 e R$ 120.000,00.

A unidade aqui da matéria é um VW Kombi Furgão Diesel 1982, em condições de zero km, Motor a diesel original, carro não restaurado com apenas 40.000 km originais, todos os vidros originais vw, faróis e lanternas originais, interior 100% original, nunca instalado rádio.

Desempenho

Estabilidade –  O conjunto, carroceria, chassi e suspensão, dava ao carro a estabilidade sugerida para um utilitário da década de 1970 / 1980, um equilíbrio modesto em curvas de alta e em pisos molhados.

Motor –  Utilizando o motor VW 1.6 refrigerado a água, a Diesel, era de desempenho modesto e tinha um tempo de vida útil comprometido pela falta de tecnologia no sistema de refrigeração.

Câmbio –  O câmbio manual de 4 velocidades, era de engates precisos e macios, mas com o motor posicionado na parte traseira, tinha lá suas limitações.

Retomadas e ultrapassagens – Para quem viveu as décadas de 1970 e 1980, sabe que nunca foi o ponto forte de todos as gerações Kombi, no modelo a Diesel ficava bem mais evidente, com aceleração de 0 a 100 em 57,8 segundos.

Consumo –  Esse era um dos pontos positivos do utilitário, 15,2 km/l na cidade.

Acabamento Externo

Faróis –  Redondos de lentes planas, embutidos em um moldura na cor grafite;

Setas dianteiras – Acima dos faróis;

Para – choques –  Em lâminas de aço carbono na cor grafite;

Faróis de neblina – Não;

Grade de ar do motor – Entrada forçada nas laterais dos para-lamas traseiros;

Retrovisores Externos – retangulares de plástico com haste;

Frisos – Não;

Rodas – De aço 185/80 R14;

Maçanetas – Cromadas;

Logo – “Diesel”, Na carenagem do radiador;

Lanterna Traseira – Tricolor com luz de ré tradicionais da família Kombi clipper;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Não;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com mostradores básicos em escala circular;

Conta – giros – Não;

Acabamento do painel – Em vinil e metal;

Volante – De dois de plástico injetado;

Sistema de som – Não;

Ventilador – N/D;

Ar – condicionado – Não;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Não;

Relógio – Não;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Manual basculante;

Sistema de travamento das portas – Mecânico;

Ajuste dos retrovisores externos – Manual;

Acabamento dos bancos – Em vinil;

Acabamento das portas – Em vinil;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Sem acessórios;

Encosto de cabeça – Não;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Não;

Assoalho – Emborrachado;

Porta-malas – Em madeira e aço;

Ficha Técnica – Kombi Furgão Diesel

Carroceria – Furgão;

Porte – Médio;

Portas – 4;

Motor –  VW 1.6 – refrigerado a água;

Cilindros – 4 em linha;

Posição – Longitudinal;

Combustível – Diesel;

Potência – 50 cv;

Peso Torque – 116,8 kg/kgfm;

Cilindrada – 1588 cm³;

Torque máximo – 9,5 kgfm a 3000 rpm;

Potência Máxima – 4500 rpm;

Tração – Traseira;

Alimentação –  ;

Direção – Simples;

Câmbio – Manual de 4 velocidades com alavanca no assoalho;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Freio a disco sólido nas rodas dianteiras e tambor nas rodas traseiras;

Peso – 1110 kg;

Suspensão dianteira – Independente, braço arrastado – Barra de torção;

Suspensão traseira – Independente, braço semi-arrastado – Barra de torção;

Comprimento – 4397 mm;

Distância entre-eixos – 2400 mm;

Largura – 1746 mm;

Altura – 1912 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 57,8 Segundos;

Velocidade máxima – 108 km/h;

Consumo: Cidade 15,2 km/l – Estrada 13,6 km/l;

Autonomia: Cidade 760 km – Estrada 680 km;

Porta malas – — Litros;

Carga útil – 1075 kg;

Tanque de combustível – 50 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 141.859,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.

Deixe um comentário