Karmann Ghia 1969, a geração de conversível, pós Willys Interlagos

Compartilhe

Ele chegou ao mercado brasileiro na carroceria conversível em 1967, já como modelo 1968, o Karmann Ghia 1969 já estava em sua segunda fornada, a unidade da matéria é o número 106 de 177 exemplares produzidos. Após o fim da produção do Willys Interlagos em 1966 o modelo alemão assume o mercado.

O projeto foi um verdadeiro marco na indústria automobilística brasileira, o segundo carro conversível produzido em solo nacional, feito que foi apenas repetido em abril de 1985, com o Ford Escort XR3, e em 1991 com o Kadett GSi Conversível.

Ente os anos de 1971 e 1984, o mercado brasileiro no segmento dos conversíveis, foi largamente dominado pelos fora de séries, Puma, Miura, Gurgel, Santa Matilde, entre outros. Carros de alto custo mas que tinham um mercado bastante prospero, tanto que chamou a atenção da Ford que entrou na Briga em 1985.

O preço médio de um Karmann Ghia Conversível zero km, em valores atualizados para o primeiro semestre de 2022, era de R$ 214.758,00, o processo de produção era mais complexo que os modelos convencionais, elevando o valor do carro para outro patamar.

Desempenho

Estabilidade – O conjunto carroceria do projeto, era relativamente eficiente, considerando a tecnologia da época. Em curvas de alta com o piso molhado era sempre bom o motorista ficar atendo a saídas de pista, principalmente na carroceria conversível.

Motor – O motor Volkswagen Boxer 1600, era de manutenção descomplicada e de baixo custo, mas em meses mais quentes, era necessário estar em dia com as manutenções de platinado e bobina.

Câmbio – O câmbio do VW chegou ao final da década de 1960, com uma estrutura mais robusta e engates mais eficientes.

Retomadas e ultrapassagens – Atendia as expectativas para um compacto da década de 1960, mas em pistas de mão dupla, coma carga máxima de peso, era sempre bom o motorista negociar bem as ultrapassagens.

Consumo – Para um motor 1600 de um modelo compacto, fazer, 7,5 km/l na cidade estava dentro do esperado para a época, mais detalhes na ficha técnica.

Acabamento Externo

Faróis –  Redondos, de lentes boleadas, embutidos em uma moldura cromada;

Setas dianteiras – Embutidas abaixo dos faróis;

Para – choques –  Cromados, em lâminas de aço carbono, estilo cabide;

Faróis de neblina – Não;

Grade de ar do motor – Entrada de ar forçado na tampa do motor;

Retrovisores Externos – Cromados de haste, estilo bracinho;

Frisos – Metálico em toda a extensão lateral;

Rodas – Rodas de aço tradicionais da família VW, com lindas calotas cromadas;

Maçanetas – Cromadas;

Logo – “Brasão wolfsburg” no capô dianteiro;

Lanterna Traseira – Bicolor;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Carroceria conversível;

Limpador do vidro traseiro – Não;

Acabamento Interno e Instrumentos

Conta – giros – Não;

Acabamento do painel – Em courvin preto e aplique em imitação de madeira jacarandá;

Volante – De plástico injetado de dois raios, com meia lua metálica, para acionamento da buzina e o Brasão wolfsburg ao centro;

Sistema de som – Opcional;

Ventilador – N/D;

Ar – condicionado – Não;

Ar –  quente – N/D;

Luz de leitura – Não;

Relógio – Analógico;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Manual basculante;

Sistema de travamento das portas – Mecânico;

Ajuste dos retrovisores externos – Manual;

Acabamento dos bancos – Em courvin;

Acabamento das portas – Em courvin;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Sem acessórios;

Encosto de cabeça – Não;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Não;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Acarpetado;

Ficha Técnica – Karmann Ghia 1969

Carroceria – Conversível;

Porte – Compacto;

Portas – 2;

Motor –  Volkswagen Boxer 1500;

Cilindros – 4 opostos horizontalmente;

Válvulas por cilindro – 2;

Posição – Longitudinal;

Combustível – Gasolina;

Potência – 65 cv;

Peso Torque – 79,2 kg/kgfm;

Cilindrada – 1584 cm³;

Torque máximo – 12 kgfm a 3000 rpm;

Potência Máxima – 4600 rpm;

Tração – Traseira;

Alimentação –  Carburador;

Direção – Simples;

Câmbio – Manual de 4 velocidades com alavanca no assoalho;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Freio a disco sólido nas rodas dianteiras e tambor nas rodas traseiras;

Peso – 950 kg;

Suspensão dianteira – Independente, braço arrastado – Barra de torção;

Suspensão traseira – Independente, semi-eixo oscilante – Barra de torção;

Comprimento – 4140 mm;

Distância entre-eixos – 2400 mm;

Largura – 1634 mm;

Altura – 1330 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 23,5 Segundos;

Velocidade máxima – 139 km/h;

Consumo: Cidade 7,5 km/l – Estrada 10,5 km/l;

Autonomia: Cidade 308 km – Estrada 431 km;

Porta malas – 141 Litros;

Carga útil – Não Informado;

Tanque de combustível – 41 Litros;

Valor atualizado Aproximado –  R$ 214.758,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.

Deixe um comentário