Ford Del Rey Ouro 1981, nasce o novo médio de luxo, e muda todo o mercado

Compartilhe

O Ford Del Rey Ouro 1981, era a versão top de linha do recém chegado médio de luxo da montadora americana, que determinou uma nova ordem no mercado dos modelos de médio e grande porte no Brasil.

O sucesso foi tão grande em seu lançamento, que nem mesmo os fãs mais otimista da montadora, esperavam um resultado tão positivo. O carro em suas duas versões Ouro e Prata, causou um grande frisson até mesmo nos críticos da Ford. Seu visual atraente e moderno para a época, aliado a um acabamento simplesmente fantástico, fizeram tanto as vendas como os preços dispararem.

1981 foi um ano que marcou definitivamente o fim da era dos Mescle Cars aqui no Brasil, os poderosos V8 se despediram do mercado, e o remanescente motor 6 cilindros da família Opala, aderiu a uma nova realidade, menos força bruta e uma melhor relação força X consumo.

Voltando a falar do Ford Del Rey Ouro 1981, o modelo chegou a ficar tão valorizado, que entre os anos 1981 e 1982, uma unidade zero km alcançou preços fora da realidade. A versão top de linha com todos os opcionais, beirava o valor das versões intermediárias da família Opala, como o Comodoro de 6 cilindros, que era um modelo de grande porte.

Outra curiosidade ainda no ano de lançamento do Ford Del Rey, foram os valores determinados pelas asseguradoras. Entre os modelos médios e compacto, era o seguro mais caro do Brasil ao lado do VW Voyage. O motivo, era que os dois modelos passaram a ser os mais furtados em todo território nacional.

Movimentação de mercado

A chegada e o sucesso imediato do Ford Del Rey em 1981, fez com que as demais montadoras se mexessem, a Chevrolet desembarca no Brasil em 1982 o Opel Ascona, na versão hatch rebatizado de Chevrolet Monza, na sequência a carroceria sedã. A própria Ford percebendo a nova tendencia, traz para o nosso país a metade do Ford Escort, utilizou por aqui basicamente a estrutura do Ford Corcel, com o mesmo motor, mas montado na posição transversal e utilizando ignição eletrônica.

Desempenho

Estabilidade –  Era um dos pontos fracos do modelo, a suspensão muito macia, dava ao carro muito conforto e uma ótima sensação de estar dentro de um navegador silencioso. Mas por outro lado, o modelo ficava instável em curvas de alta, e com 5 adultos os amortecedores alcançavam facilmente o ponto zero.

Motor –  Utilizando o motor Cléon Fonte 1.6 de 69 cv na versão a álcool, deixava o Ford Del Rey um passo atrás de seus concorrentes em força e agilidade.

Câmbio –  O câmbio manual de 5 velocidades, tinha engates precisos e macios, mas o engate da ré fazia muito barulho para um carro de luxo.

Retomadas e ultrapassagens – Com no máximo dois adultos, o conjunto motor e câmbio Cléon Fonte 1.6 era eficiente, mas com 4 adultos ou com carga máxima, perdia muito fôlego.

Consumo –  Para um motor de 4 cilindros e 69 cv, fazer 6,5 km/l estava dentro dos padrões para a época, mais detalhes na ficha técnica no final do post.

Acabamento Externo

Faróis –  Quadrados de lentes planas;

Setas dianteiras – Embutidas no mesmo conjunto dos faróis;

Para – choques –  Em lâminas de aço carbono cromados, e cantoneiras de plástico;

Faróis de neblina – Sim;

Grade de ar do motor – Com frisos na vertical;

Retrovisores Externos – Estilo satélite, com controle interno mecânico;

Frisos – Emborrachado com detalhes cromados em toda a extensão do carro;

Rodas – De aço tradicionais da família Del Rey/Corcel 185/70 R13;

Maçanetas – Cromadas;

Logo – “Del Rey”, Na tampa do porta-malas;

Lanterna Traseira – Tricolor com luz de ré;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Não;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com mostradores básicos em escala circular;

Conta – giros – Sim;

Acabamento do painel – Em vinil;

Volante – Espumado de dois raios;

Sistema de som – Sim;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Opcional;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Sim;

Relógio – Digital no teto;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Manual basculante – Opcional elétrico;

Sistema de travamento das portas – Mecânico – Opcional elétrico;

Ajuste dos retrovisores externos – Interno mecânico – Opcional elétrico;

Acabamento dos bancos – Em tecido aveludado;

Acabamento das portas – Em courvin;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Sim;

Banco traseiro – Sem acessórios;

Encosto de cabeça – Para dois passageiros com ajuste de altura nos bancos da frente;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Sim;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Acarpetado;

Ficha Técnica – Ford Del Rey Ouro 1981 – Na configuração com motor a álcool

Carroceria – Sedã;

Porte – Médio;

Portas – 4;

Motor –  Cléon Fonte 1.6;

Cilindros – 4 em linha;

Posição – Longitudinal;

Combustível – Álcool;

Potência – 69 cv;

Peso Torque – 85,00 kg/kgfm;

Cilindrada – 1555 cm³;

Torque máximo – 12,4 kgfm a 2800 rpm;

Potência Máxima – 4800 rpm;

Tração – Dianteira;

Alimentação –  Carburador;

Direção – Simples;

Câmbio – Manual de 5 velocidades com alavanca no assoalho;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Freio a disco sólido nas rodas dianteiras e tambor nas rodas traseiras;

Peso – 1054 kg;

Suspensão dianteira – Independente, Braços sobrepostos – Mola helicoidal;

Suspensão traseira – Eixo rígido – Mola helicoidal;

Comprimento – 4498 mm;

Distância entre-eixos – 2438 mm;

Largura – 1676 mm;

Altura – 1345 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 21,6 Segundos;

Velocidade máxima – 139 km/h;

Consumo: Cidade 6,5 km/l – Estrada 10 km/l;

Autonomia: Cidade 370,5 km – Estrada 570 km;

Porta malas – 328 Litros;

Carga útil – Não informado;

Tanque de combustível – 57 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 205.823,00 – Sem opcionais;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.

Deixe um comentário