Dodge Polara Gran Luxo 1.8 1978 ele tinha tudo para dar certo mas….

Compartilhe

Ele desembarcou no Brasil em 1973, equipado com motor 1.8 de 4 cilindros e um acabamento impecável, chegou com pinta de quem iria desbancar o Ford Corcel e o VW Passat que iniciaria suas vendas no ano seguinte

Mas um erro no projeto no sistema de alimentação, e o péssimo controle de qualidade na hora da montagem, transformaram o sonho em pesadelo. O Carburador solex 32 dava ao carro fôlego de Fusca 1500, o Dodginho tinha muita dificuldade para fazer uma ultrapassagem, em um modelo VW 1600 como o TL ou Variant, e era facilmente superado pelo Ford Corcel 1.4.

No início de 1974 o Dodge 1800, recebe o carburador Lucas, que rendeu uma significativa melhora, mas nos meses seguintes, chegaria o carburador ideal, o japonês Hitachi. Finalmente o modelo sai da pacata aceleração de 0 a 100 em 20,3 segundos, para ótimos 14,6 segundos, ganha um torque mais robusto, e as falhas do motor em baixas e médias rotações desaparecem.

A versão Dodge Polara Gran Luxo 1.8 1978, já havia também recebido upgrade em toda a parte elétrica, era o fim das panes repentinas do motor, problemas de infiltração entre outros também já haviam sido resolvidos. Finalmente o modelo se tornou um concorrente a altura do Ford Corcel e VW Passat.

Um carro com motor 1.8, com velocidade final de 158 km/h, e aceleração da 0 a 100 em 14,6 segundos, com controle de qualidade em dia, e um acabamento interno impecável, além do preço abaixo do badalado Passat, era a receita perfeita para o sucesso.

Mas os erros do passado, deixaram a imagem do médio da Dodge queimada, as vendas não alavancaram, e para piorar a situação, em 1979 a Volkswagen compra os direitos do grupo Dodge/Chrysler no Brasil. Em 1980 já como modelo 1981, a última versão do Polara, intitulada GLS (Gran Luxo Sport), que era uma versão esporte fino, equipada com diversos avanços tecnológicos para a época, como carburador miniprogressivo de corpo duplo, sistema de ventilação com aquecedor, rádio toca-fitas, antena elétrica e pneus radiais entre outros acessórios, sai da linha de montagem, colocando fim no carro que nasceu para dar certo.

Desempenho

Estabilidade –  O conjunto, carroceria, chassi e suspensão, dava ao carro uma boa estabilidade, a Dodge incrivelmente conseguia unir, maciez e eficiência em uma mesma suspensão.

O motor – Equipado com o motor 1.8 a gasolina, entregava ótimos 93 cv com torque máximo de 15,5 kgfm a 3500 rpm, o custo das manutenções, nas concessionárias eram bastante salgados.

Câmbio –  O câmbio manual de 4 marchas, era de engates macios e precisos, atendendo as expectativas da época.

Retomadas e ultrapassagens – Pesando menos de um tonelada, era rápido e eficiente, com aceleração de 0 a 100 em 14,6 segundos.

Consumo –  Para um motor 1.8 carburado a gasolina fazer 9 km/l na cidade, era um grande feito para a época, mais de talhes na ficha técnica no final da matéria.

Acabamento Externo

Faróis –  Retangular de lentes planas;

Setas dianteiras – Posicionadas no mesmo conjunto dos faróis;

Para – choques –  Em lâminas de aço carbono cromados;

Faróis de neblina – Não;

Grade de ar do motor – Em lâminas na horizontal na cor grafite;

Retrovisores Externos – Metálico com ajuste manual;

Frisos – Fino friso metálico, em toda a extensão do rodapé do carro;

Rodas – De aço tradicionais da família Dodge;

Maçanetas – Cromadas;

Logo – “Polara Gran Luxo”, Na lateral dos para-lamas dianteiros;

Lanterna Traseira – Bicolor com luz de ré;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Não;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com mostradores em escala circular;

Conta – giros – Não;

Acabamento do painel – Em vinil e aço;

Volante – Espumado de quatro raios, revestido em couro;

Sistema de som – Original da marca Chrysler;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Não;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Não;

Relógio – Não;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Manual basculante;

Sistema de travamento das portas – Mecânico;

Ajuste dos retrovisores externos – Manual;

Acabamento dos bancos – Em tecido plástico;

Acabamento das portas – Em courvin e carpete;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Sem acessórios;

Encosto de cabeça – Não;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Não;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Em tecido feltro ou emborrachado;

Ficha Técnica – Dodge Polara Gran Luxo 1.8 1978

Carroceria – Cupê;

Porte – Médio;

Portas – 2;

Motor –  1.8;

Cilindros – 4 em linha;

Válvulas por cilindro – 2;

Posição – Longitudinal;

Combustível – Gasolina;

Potência – 93 cv;

Peso Torque – 62,7 kg/kgfm;

Cilindrada – 1799 cm³;

Torque máximo – 15,5 kgfm a 3500 rpm;

Potência Máxima – 5000 rpm;

Tração – Traseira;

Alimentação –  Carburador;

Direção – Simples;

Câmbio – Manual de 4 marchas com alavanca no assoalho;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Freio a disco sólido nas rodas dianteiras e tambor nas rodas traseiras;

Peso – 972 kg;

Suspensão dianteira – Independente, McPherson – Mola helicoidal;

Suspensão traseira – Eixo rígido – Mola helicoidal;

Comprimento – 4125 mm;

Distância entre-eixos – 2489 mm;

Largura – 1587 mm;

Altura – 1376 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 14,6 Segundos;

Velocidade máxima – 158 km/h;

Consumo: Cidade 9 km/l – Estrada 11 km/l;

Autonomia: Cidade 450 km – Estrada 660 km;

Porta malas – 316 Litros;

Carga útil – Não informado;

Tanque de combustível – 60 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 101.201,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.joi

Deixe uma resposta