Dodge Dart Sedan 1972 preto, o carro do executivo de bom gosto

Compartilhe

Na prática era um poderoso e luxuoso V8 sedã, que na versão Dodge Dart Sedan 1972, entregava direção hidráulica de série, câmbio de 3 marchas com alavanca na coluna de direção, rádio da marca Chrysler, devidamente embutido no painel de madeira, e opcional para ar-condicionado, a montadora utilizava materiais de primeira linha, tanto no acabamento interno como externo.

Ele nasceu em outubro de 1969, e com a acentuação e pontuação, que a regra da língua portuguesa permitia na época, o informativo no catálogo de vendas era assim. “Velocidade. Potência. Desempenho. Dodge Dart 1970. Acelere. A potência do motor vai se manifestar logo. Facilidade em arranque. Segurança nas curvas. Direção suave e firme. Freios fortes, para proteger tôda essa beleza. Essa beleza de linhas retas, de curvas harmoniosas. De côres modernas. Dodge Dart. Um estilo nôvo de automóvel. Os muitos anos de experiência da Chrysler. O carro de luxo brasileiro mais moderno que existe. Dodge Dart 1970.”

O projeto logo foi posicionado no mercado como um modelo de alto custo, que ficava entre as versões top de linha da família Ford Galaxie e a versão Gran Luxo do Opala. Com um desenho bem norte-americano, o Dodge Dart ganhou fama de carro com excelência em qualidade, uma lataria robusta e um motor que entregava 198 cv, com aceleração de 0 a 100 em 12 segundos.

Mas os modelos até 1972, ainda tinham seu calcanhar de Aquiles, que eram os freios a tambor nas 4 rodas, nada confortável ou seguro para um modelo com motor V8, pesando 1480 kg, os freios a disco ventilados, só chegaram em outubro de 1972 já como modelo 1973.

O Dodge Dart Sedan 1972 preto, era o direcionado para empresários e políticos de médio e alto escalão. Mas também ficou famoso no início da década de 1970, entre os chefes do jogo do bicho e empresários com fortes ligação com escolas de samba do Rio de Janeiro.

Desempenho

Estabilidade –  O conjunto, carroceria, chassi e suspensão, dava ao carro uma estabilidade relativa, mesmo sendo um projeto desenvolvido no final da década de 1960, ainda era considerado atualizado para o meio da década de 1970.

Mas com um V8 em baixo do capô, somado a uma direção hidráulica pouco precisa e uma suspensão muito macia, além de freios a tambor, era sempre bom o motorista ficar atento, para não ver o mundo girar.

Motor –  Utilizando o motor Dodge V8 LA 318 de 198 cv, era robusto e confiável, com um giro bastante estável em altas rotações. Mas o custo das manutenções preventivas e corretivas, de um modelo zero km, estavam apenas ao alcance da classe alta.

Câmbio –  O câmbio manual de 3 velocidades com alavanca na coluna de direção, tinha engates precisos e macios, mas exigia manutenções preventivas em dia, no engate da alavanca, entre a coluna de direção e a haste do câmbio.

Retomadas e ultrapassagens – Com um motor elástico com muito fôlego que respondia muito bem ao pedal do acelerador, era seguro e confiável, mesmo com 5 adultos e porta-malas cheio.

Consumo –  Para um modelo V8 pesando 1480 kg, fazer 5 km/l na cidade, estava dentro do esperado para um modelo de alto custo, mais detalhes na ficha técnica no final do post.

Acabamento Externo

Faróis –  Redondos de lentes boleadas, embutidos com recuo;

Setas dianteiras – Embutidas na grade de ar do motor;

Para – choques –  Em largas lâminas de aço carbono cromados;

Faróis de neblina – Não;

Grade de ar do motor – Com frisos na horizontal;

Retrovisores Externos – Redondos cromados;

Frisos – Fina faixa lateral adesiva – no final o Logo “Dart”;

Rodas – De aço tradicionais família Dodge Dart;

Maçanetas – Cromadas;

Logo – “Dodge”, na tampa do porta – malas;

Lanterna Traseira – Em cor única com luz de ré;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Não;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com mostradores em escala circular;

Conta – giros – Não;

Acabamento do painel – Metal e madeira;

Volante – De três raios, de plástico injetado, com arco interno cromado, para acionamento da buzina;

Sistema de som – Sim;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Opcional;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Não;

Relógio – Analógico, no centro do painel;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Manual basculante;

Sistema de travamento das portas – Mecânico;

Ajuste dos retrovisores externos – Manual;

Acabamento dos bancos – Em courvin e tecido plástico;

Acabamento das portas – Em couro e detalhes cromados;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Sem acessórios;

Encosto de cabeça – Não;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Não;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Acarpetado;

Ficha Técnica – Dodge Dart Sedan 1972

Carroceria – Sedan;

Porte – Grande;

Portas – 4;

Motor –  LA 318 5.2;

Cilindros – 8 em V;

Válvulas por cilindro – 2;

Posição – Longitudinal;

Combustível – Gasolina;

Potência – 198 cv;

Peso Torque – 35,7 kg/kgfm;

Cilindrada – 5212 cm³;

Torque máximo – 41,5 kgfm a 2400 rpm;

Potência Máxima – 4400 rpm;

Tração – Traseira;

Alimentação –  Carburador;

Direção – Hidráulica;

Câmbio – Manual de 3 velocidades com alavanca na coluna de direção;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Freio a tambor nas 4 rodas;

Peso – 1480 kg;

Suspensão dianteira – Independente, Braços sobrepostos – Barra de torção;

Suspensão traseira – Eixo rígido – Feixe de mola semielipticas;

Comprimento – 4960 mm;

Distância entre-eixos – 2820 mm;

Largura – 1810 mm;

Altura – 1390 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 12 Segundos;

Velocidade máxima – 175 km/h;

Consumo: Cidade 5 km/l – Estrada 8 km/l;

Autonomia: Cidade 310 km – Estrada 496 km;

Porta malas – 436 Litros;

Carga útil – 410 kg;

Tanque de combustível – 62 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 193.032,00 – Sem opcionais;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.joi

Deixe um comentário