Dodge Dakota, a picape de elite do início dos anos 2000

Compartilhe

O início da década de 1990 marcou a abertura das fronteiras comerciais, e a chegada dos modelos de elite ao Brasil, e o Dodge Dakota V8 se tornou um dos utilitários importados mais desejados e bem sucedidos.

A Dodge se despediu do Brasil no final de 1978, em 1979 a Volkswagen assume o controle da produção dos modelos remanescentes, em 1981 encerra completamente o nome Dodge em nosso país. A montadora retorna em 1993/94, importando diferentes modelos de elite.

A importação da picape Dodge Dakota, começa em 1994, e logo vira febre entre os importados. O modelo era um utilitário com um visual inovador, e no quesito desempenho, se destacava muito bem na cidade e na estrada, com uma dirigibilidade e conforto muito próximos a um carro de luxo. Na zona rural não era muito diferente, a força do V8 5.2 de 232 cv, fazia toda a diferença.

Já no final da década de 1990 e início dos anos 2000, se tornou o utilitário de elite seminovo, mais comercializado no Brasil, era bastante comum ver unidades rodando nas ruas e estradas, tanto nos grandes centros como em cidades do itnerior.

O modelo até hoje entra no nicho de mercado de seminovos e usados de elite. Mas é um veículo de alto custo. Mesmo na configuração como usado, as manutenções preventivas e corretivas, são de alto custo, apenas ao alcance de pequenos empresários e profissionais liberais bem sucedidos.

Desempenho

Estabilidade –  O modelo importado, trazia uma nova proposta de suspensão, eficiente em estrada de chão batido, sem perder o conforto no asfalto.

Motor –  Utilizava o motor 5.2 V8, com aceleração de 0 a 100 em 9,8 segundos, era uma picape rápida e muito confiável, mas suas manutenções eram de alto custo, mesmo como usado ou seminovo.

Câmbio –  O câmbio automático de 4 marchas, trabalhava com trocas macias e precisas, e exigia pouca manutenção.

Retomadas e ultrapassagens – Era eficiente e seguro, mesmo com carga máxima de peso, praticamente não perdia o fôlego.

Consumo –  Para uma picape de grande porte com motor V8, um importado de alto custo, consumir 4,4 km/l na cidade, era o que menos preocupava o proprietário, mais detalhes na ficha técnica no final do post.

Acabamento Externo

Faróis –  De lentes planas retangular.

Setas dianteiras – Embutidas no mesmo conjunto dos faróis;

Para – choques –  Envolventes, na cor grafite;

Faróis de neblina – Sim;

Grade de ar do motor – Com moldura na cor da carroceria;

Retrovisor Externo – Panorâmico com ajuste elétrico interno;

Frisos – Não;

Rodas – De liga leve, tradicionais família Dodge;

Maçanetas – Embutidas na porta, na cor da carroceria;

Logo – “Dakota 5.2 R/T” nas portas;

Lanterna Traseira – Tricolor com luz de ré;

Bagageiro – Carroceria de aço;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Não;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com diversos mostradores, velocímetro em mph e km/h;

Conta – giros – Sim;

Acabamento do painel – Em vinil nas cores cinza e grafite;

Volante – Espumado de 4 raios;

Sistema de som – Sim;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Sim;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Sim;

Relógio – Digital no sistema de som;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Elétrico;

Sistema de travamento das portas – Elétrico;

Ajuste dos retrovisores externos – Elétrico;

Acabamento dos bancos – Em couro estilo poltrona;

Acabamento das portas – Em vinil e couro;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Sema acessórios;

Encosto de cabeça – Sim;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Sim;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Acarpetado;

Ficha Técnica – Dodge Dakota

Carroceria – Dodge Picape, cabine dupla;

Porte – Grande;

Portas – 2;

Motor –  5.2;

Cilindros – 8 em V

Posição – Longitudinal;

Peso Torque – 49,4 kg/kgfm;

Tração – Traseira;

Combustível – Gasolina;

Alimentação –  Injeção Multiponto;

Direção – Hidráulica;

Câmbio – Automático de 4 marchas, com alavanca na coluna de direção;

Embreagem – Conversor de torque;

Freios – Freio ABS a disco ventilado nas rodas dianteiras e tambor nas rodas traseiras;

Peso – 1974 kg;

Comprimento – 5463 mm;

Distância entre-eixos – 3327 mm;

Largura – 1816 mm;

Altura – 1741 mm;

Potência – 232 cv;

Cilindrada – 5218 cm³;

Torque máximo – 40 kgfm a 3200 rpm;

Potência Máxima – 4400 rpm;

Aceleração de 0 a 100 – 9,8 Segundos;

Velocidade máxima – 180 km/h;

Consumo: Cidade 4,4 km/l – Estrada 8,1 km/l;

Autonomia: Cidade 365 km – Estrada 672 km;

Porta malas – 1327 Litros;

Carga útil – 750 kg;

Tanque de combustível – 83 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 397.989,00.

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.

Deixe um comentário