fbpx
Pular para o conteúdo

Dodge Charger LS 73 a versão esporte fino do Muscle Car da Chrysler

Compartilhe

Com um visual mais comportado, a versão Dodge Charger LS 73, trazia direção hidráulica de série, opcional para ar-condicionado e teto em vinil. Utilizando o mesmo motor V8 LA 318, porém com 10 cv a menos de potência, e aceleração de 0 a 100 em 11 segundos, contra 9,5 segundos do irmão R/T, o Charger LS ainda era uma fera nas ruas.

O preço do modelo zero km nas concessionárias também era mais em conta em relação a versão mais esportiva, mas o preço das revisões preventivas e corretivas se equiparavam.

Desempenho

Estabilidade –  O conjunto, carroceria, chassi e suspensão, dava ao carro uma boa estabilidade, mesmo sendo um projeto desenvolvido no final da década de 1960, ainda era considerado atualizado para o início década de 1970, mas com um V8 em baixo do capô, somado a uma direção hidráulica pouco precisa e uma suspensão muito macia, era sempre bom o motorista ficar atento em curvas de alta.

Motor –  Utilizando o motor Dodge V8 LA 318 de 205 cv, era robusto, com um giro bastante estável em altas rotações, e muito confiável, mas o custo das manutenções preventivas e corretivas de um modelo 0 km, estavam apenas ao alcance da classe alta.

Câmbio –  O câmbio manual de 4 velocidades, exigia pouca manutenção e cumpria seu papel para um esportivo da época.

Retomadas e ultrapassagens – Com um motor bastante saudável, que respondia muito bem ao pedal do acelerador, mesmo com 5 adultos e porta malas cheio, era eficiente e seguro.

Consumo –  Para um V8 de 205 cv, fazer 5 km/l na cidade esta dentro do esperado para a época, mais detalhes na ficha técnica no final do post.

Acabamento Externo

Faróis –  Redondos duplos na horizontal de lentes boleadas, embutidos atrás da grade de ar do motor;

Setas dianteiras – Embutidas atrás da grade de ar do motor, repetidor de setas na parte superior dos para – lamas;

Para – choques –  Em largas lâminas de aço carbono cromados;

Faróis de neblina – Não;

Grade de ar do motor – Bipartida com moldura cromada embutida com recuo;

Retrovisores Externos – Redondos cromados, com ajuste interno;

Frisos – Adesivo em toda a extensão lateral e o logo “Charger” na lateral do para-lama traseiro;

Rodas – De aço tradicionais da família Dodge;

Maçanetas – Cromadas;

Logo – “DODGE”, na tampa do porta malas;

Lanterna Traseira – bicolor com luz de ré;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Não;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com mostradores em escala circular;

Conta – giros – Sim;

Acabamento do painel – Em vinil preto e aplique imitação de madeira Jacarandá;

Volante – De três raios com acabamento em couro costurado a mão;

Sistema de som – Sim;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Opcional;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Não;

Relógio – Não;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Manual basculante;

Sistema de travamento das portas – Mecânico;

Ajuste dos retrovisores externos – Ajuste mecânico interno;

Acabamento dos bancos – Em vinil;

Acabamento das portas – Em vinil com detalhes cromados;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Sem acessórios;

Encosto de cabeça – Para dois passageiros embutidos nos bancos dianteiros;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Não;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Acarpetado;

Ficha Técnica – Dodge Charger LS 1973

Carroceria – Cupé;

Porte – Grande;

Portas – 2;

Motor –  LA 318 5.2;

Cilindros – 8 em V;

Posição – Longitudinal;

Combustível – Gasolina;

Potência – 205 cv;

Peso Torque – 36,75 kg/kgfm;

Cilindrada – 5212 cm³;

Torque máximo – 41,5 kgfm a 2400 rpm;

Potência Máxima – 4400 rpm;

Tração – Traseira;

Alimentação –  Carburador;

Direção – Hidráulica;

Câmbio – Manual de 4 velocidades com alavanca no assoalho;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Freio a disco ventilado nas rodas dianteiras e tambor nas rodas traseiras;

Peso – 1525 kg;

Suspensão dianteira – Independente, Braços sobrepostos – Barra de torção;

Suspensão traseira – Eixo rígido – Feixe de mola semielipticas;

Comprimento – 4960 mm;

Distância entre-eixos – 2820 mm;

Largura – 1810 mm;

Altura – 1390 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 11 Segundos;

Velocidade máxima – 180 km/h;

Consumo: Cidade 5 km/l – Estrada 8 km/l;

Autonomia: Cidade 310 km – Estrada 496 km;

Porta malas – 436 Litros;

Carga útil – 400 kg;

Tanque de combustível – 62 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 308.564,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.joi

Carros antigos

Astra GSi 2003, chega ao mercado a fera 2.0 16V, alcançando mais de 200 km/h Gol Quadrado GTi, em 1992 a montadora comemorou 12 anos da carroceria BX Puma GTE 1977 o primeiro grande pico de vendas da montadora Porsche 911 L, a versão comercializada na terra do Tio Sam em 1968 Fiorino 96, com motor 1.5, Zero km um colecionável que nunca foi emplacado Caminhonetes antigas Ford sucesso em eventos de carros antigos MP Lafer carros fora de série com o legitimo chassi MP Honda SUV ZR V 2024 preço ficha técnica e equipamentos Fusca 96 Itamar Série especial última edição da geração refrigerada a ar Carro para o dia a dia Vectra 4 portas 2.2 8V excelente relação custo benefício

CONTATO Fale Com o Motor Tudo no Facebook.

Carros antigos