Chevrolet Tigra 1.6 16V 1999 um compacto que alcançava quase 200 km/h

Compartilhe

Ele seguiu a mesma trajetória, de dezenas de outros modelos importados na década de 1990, Citroën AX GTi, Mazda MX3, Fiat Coupe, Chrysler Neon, Chevrolet Calibra, a lista é gigantesca.

Mas basicamente todos tiveram o mesmo fim. Embalados pelo sonho de um país, com mais de 200 milhões de habitantes, e com a economia crescente. As montadoras enxergaram todos os tipos de oportunidades.

Montadoras estrangeiras, tentaram até vender caminhões com motores dois tempos aqui no Brasil, em plena década de 1990. Pareciam motos Yamaha TT 180, com carroceria de carga.

Voltando a falar sobre o Chevrolet Tigra, que era um modelo extremamente eficiente, e com muita qualidade.

Importado da Espanha entre os anos de 1998 e 1999, era um compacto cupê, que utilizava a plataforma do Opel Corsa, basicamente a mesma mecânica do nosso Corsa GSi 1.6 16V.

O esportivo alcançava incríveis 195 km/h de velocidade final, e recheado de instrumentos, como ar-condicionado, direção hidráulica e trio elétrico, tudo isso por apenas R$ 68.000,00, em valores atualizados para o segundo semestre de 2020.

Foram emplacados apenas 2652 unidades, em 7 cores diferente: Amarelo Curry, Azul Arden, Azul Polarsea, Prata Star, Preto Schwarts, Verde Rio Verde, Vermelho Magma.

Hoje o Chevrolet Tigra, é um colecionável extremamente raro. O ponto negativo, fica para que tem um modelo que precisa de muita manutenção, o processo de restauração se torna um pouco lento, devida a poucas unidades que foram comercializadas na época.

Desempenho

Estabilidade –  O conjunto, carroceria, chassi e suspensão, dava ao carro uma ótima estabilidade, a Chevrolet mais uma vez conseguiu unir em um mesmo carro conforto e segurança.

Motor –  Utilizando o motor Chevrolet 1.6 16V, era robusto, e com um giro bastante estável em altas rotações.

Câmbio –  O câmbio manual de 5 velocidade, dava um ar todo esportivo ao carro, com relações curtas e engates precisos.

Retomadas e ultrapassagens – Com um motor elástico com muito fôlego, que respondia muito bem ao pedal do acelerador, era seguro e confiável.

Consumo –  Para um modelo esportivo com motor 1.6 16v, fazer na cidade 11,3 km/l era uma grande virtude.

Acabamento Externo

Faróis –  Com linhas que acompanham o desenho do carro;

Setas dianteiras – Embutidas no mesmo conjunto dos faróis;

Para – choques –  Envolventes na cor da carroceria;

Faróis de neblina – Sim;

Grade de ar do motor – Fina entrada de ar entre abaixo do capô, e na parte frontal do para-choque;

Retrovisores Externos – Panorâmicos com ajuste elétrico, pintados na cor da carroceria;

Frisos – Não;

Rodas – De liga-leve 185/60 R14;

Maçanetas – Embutidas na porta;

Logo – “Tigra”, abaixo da tampa do porta-malas;

Lanterna Traseira – Tricolor fumê com luz de ré;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Sim;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com mostradores em escala circular + computador de bordo;

Conta – giros – Sim;

Acabamento do painel – Em vinil na cor grafite;

Volante – Espumado de três raios;

Sistema de som – Sim;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Sim;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Não;

Relógio – Digital;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Elétrico;

Sistema de travamento das portas – Elétrico;

Ajuste dos retrovisores externos – Interno elétrico;

Acabamento dos bancos – Em tecido aveludado com estampa;

Acabamento das portas – Em vinil e tecido estampado;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Sim;

Banco traseiro – Com cinto de segurança de três pontos para dois passageiros;

Encosto de cabeça – Para dois passageiros com regulagem de altura nos bancos dianteiros;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Sim;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Acarpetado;

Ficha Técnica – Chevrolet Tigra 1.6 16V 1999

Carroceria – Cupê;

Porte – Compacto;

Portas – 2;

Motor –  Chevrolet Família I 1.6 16V;

Cilindros – 4 em linha;

Válvulas por cilindro – 4;

Posição – Transversal;

Combustível – Gasolina;

Potência – 100 cv;

Peso Torque – 70,5 kg/kgfm;

Cilindrada – 1598 cm³;

Torque máximo – 14,7 kgfm a 4000 rpm;

Potência Máxima – 6000 rpm;

Tração – Dianteira;

Alimentação – Injeção Multiponto;

Direção – Hidráulica;

Câmbio – Manual de 5 velocidades com alavanca no assoalho;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Freio a disco ventilado nas rodas dianteiras e tambor nas rodas traseiras;

Peso – 1037 kg;

Suspensão dianteira – Independente, McPherson – Mola helicoidal;

Suspensão traseira – Eixo de torção – Mola helicoidal;

Comprimento – 3920 mm;

Distância entre-eixos – 2440 mm;

Largura – 1590 mm;

Altura – 1330 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 10,4 Segundos;

Velocidade máxima – 195 km/h;

Consumo: Cidade 11,3 km/l – Estrada 15 km/l;

Autonomia: Cidade 520 km – Estrada 690 km;

Porta malas – 215 Litros;

Carga útil – Não informado;

Tanque de combustível – 46 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 68.000,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.

Deixe uma resposta