fbpx
Pular para o conteúdo

Chevrolet Bonanza, um derivado do fora de série Brasinca Passo Fino

Compartilhe

O utilitário fechado, nasceu de um projeto em parceria da Chevrolet com a fora de série Brasinca. A chegada do Chevrolet D-20 serviu como base para a criação de alguns utilitários fora de série, que chamaram a atenção da montadora americana. O Brasinca Mangalarga, com a carroceria mais estendida e 4 portas, e o Brasinca Passo Fino, com a carroceria mais curta e 2 portas, os dois projetos foram tão bem sucedidos, que serviram de base para a criação da nova Chevrolet Veraneio e Chevrolet Bonanza.

O interessante foi que, a Chevrolet após a criação de seus novos utilitários, permitir que a Brasinca continuasse a produzir seus exemplares simultaneamente. A diferença entre os projetos ficavam por conta dos instrumentos de série, que no fora de série, vinham em maior quantidade, e no material utilizado para fabricação das carrocerias, a GM utilizava aço em toda a estrutura, já a Brasinca partes em aço, fibra de vidro ou plast vidro.

Voltando a falar sobre o Chevrolet Bonanza, o modelo nasceu em 1989, e foi produzido até 1994, em uma época onde os serviços públicos utilizavam em massa, chassi D-20 e C-20, para montar ambulância e carros de resgate, muitas unidades Bonanza também foram destinados a órgãos públicos.

O modelo era basicamente um Chevrolet Veraneio encurtado, com requintes de um SUV de luxo, tecnicamente não era posicionado como SUV ou Van, era uma picape/Caminhonete fechada. A unidade aqui da matéria é um Bonanza DELuxe 1993, na plataforma C-20 gasolina, com motor 4.1 de 6 cilindros.

Desempenho

Estabilidade –  O conjunto do projeto, dava ao carro uma boa estabilidade, atendendo as expectativas para um utilitário da década de 1990.

Motor –  Utilizando o motor Chevrolet 4.1 de 6 cilindros a gasolina, era robusto, confiável e com um giro bastante estável em altas rotações.

Câmbio –  O câmbio manual de 5 marchas com alavanca no assoalho, tinham engates precisos e macios, exigindo pouca manutenção.

Retomadas e ultrapassagens – Com carga ou sem carga, era muito seguro e eficiente.

Consumo –  Para um utilitário de alto custo e grande porte a gasolina, fazer em média 4,7 km/l na cidade, estava dentro do esperado para a época, mais detalhes na ficha técnica no final do post.

Acabamento Externo

Faróis –  Trapezoidais de lentes planas;

Setas dianteiras – Embutida no mesmo conjunto dos faróis;

Para – choques –  Em aço carbono na cor da carroceria, com friso emborrachado;

Faróis de neblina – Não – Utiliza luzes de longo alcance na mesma lente dos faróis;

Grade de ar do motor – Com na cor grafite;

Retrovisores Externos – Estilo panorâmico, com ajuste elétrico interno;

Frisos – Faixa adesiva, em toda a extensão lateral;

Rodas – De liga – leve 255/80 R15;

Maçanetas – Na cor grafite;

Logo – “DELuxe”, na lateral do para-lama traseiro;

Lanterna Traseira – Tricolor na vertical com luz de ré;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Opcional;

Limpador do vidro traseiro – Sim;

Acabamento interno e Instrumentos

Painel – Com diversos mostradores em escala circular;

Conta – giros – Sim;

Acabamento do painel – Em vinil;

Volante – De espumado de dois raios;

Sistema de som – Sim;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Sim;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Não;

Relógio – Digital;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Elétrico;

Sistema de travamento das portas – Elétrico;

Ajuste dos retrovisores externos – Elétrico;

Acabamento dos bancos – Em tecido aveludado;

Acabamento das portas – Em courvin e carpete;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Sim;

Banco traseiro – Sem acessórios;

Encosto de cabeça – Vazado para dois passageiros;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Sim;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Acarpetado;

Ficha Técnica – Chevrolet Bonanza – DeLuxe 1993

Carroceria – Caminhonete fechada;

Porte – Médio;

Portas – 2;

Motor –  4.1 cód 250;

Cilindros – 6 em linha;

Posição – Longitudinal;

Combustível – Gasolina;

Potência – 121 cv;

Peso Torque – 67,8 kg/kgfm;

Cilindrada – 4092 cm³;

Torque máximo – 29 kgfm a 2000 rpm;

Potência Máxima – 3800 rpm;

Tração – Traseira;

Alimentação –  Carburador;

Direção – Hidráulica;

Câmbio – Manual de 5 marchas com alavanca no assoalho;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Freio a disco ventilado nas rodas dianteiras e tambor nas rodas traseiras;

Suspensão dianteira – Independente, Braços sobrepostos – Mola helicoidal;

Suspensão traseira – Eixo rígido – Feixe de molas semielípticas;

Comprimento – 4500 mm;

Distância entre – eixos – 2590 mm;

Largura – 1990 mm;

Altura – 1780 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 18 Segundos;

Velocidade máxima – 145 km/h;

Consumo: Cidade 4,7 km/l – Estrada 7 km/l;

Autonomia: Cidade 414 km – Estrada 616 km;

Porta malas – 1620 Litros;

Peso – 1965 kg;

Carga útil – 855 kg;

Tanque de combustível – 88 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 233.789,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.

Carros antigos

Caminhonete D10, a arma da GM para enfrentar o Ford F-1000 Elba carro – Chega ao Brasil o SW da família Uno, que tirou o sono dos SW Compacto VW e GM Fiat Oggi CSS 1.4 1984 conheça o Esportivo da Família 147 Vectra Elegance, em 2009 o médio de luxo da Chevrolet ainda causava frisson Toyota Paseo, conheça o cupê compacto da montadora japonesa Corsa 99, a versão Super do popular mais confortável da década de 1990 Opala 6 caneco, a versão standard de 1979 customizada Saveiro 96, o fim da bem sucedida geração quadrada se aproximava Chrysler Neon 2000, o início do fim, do médio de elite, hoje um raro colecionável Vectra 97, nunca restaurado, a versão CD 16V, com teto solar e câmbio automático

CONTATO Fale Com o Motor Tudo no Facebook.

Carros antigos