Fusca 76, estilo VEB, rebaixado e com acessórios de época

Compartilhe

O Fusca 1976, ganha lente plana de série, ainda é líder absoluto de mercado e emplaca 206.098 unidades, em todas as suas versões. Mas alguns proprietários buscavam um algo a mais, e acabavam realizando um processo de customização que deixa o besouro mais atraente.

Desde a década de 1950, até os dias de hoje para muitos, ter um Fusca é muito mais que ter um carro, é um verdadeiro hobby. Durante a década de 1970 com as fronteiras do Brasil fechadas para importação, houve uma explosão de lojas de acessórios por todo o país, principalmente nos grandes centros.

Bastante diferente dos dias de hoje, onde se compra um modelo zero km, e raramente o proprietário submete seu carrinho de plástico, a algum processo de customização, com medo de perder a garantia de fábrica ou algum desconto da asseguradora. Durante as décadas de 1970 e 1980, customizar uma unidade zero km ou seminova de qualquer marca e modelo, era um verdadeiro estilo de vida.

Segue abaixo a lista dos itens de customização de época.

A unidade aqui da matéria o Fusca 1976, veio equipado de fábrica com motor 1300, e recebeu um leve preparo, saltando para o motor 1500. suspensão dianteira com kit Puma e suspensão traseira rebaixada no “facão”, podendo ser ajustada na altura original, rodas alargadas na traseira com pneus 195x60x15 e nas dianteiras meia tala com pneus 185x55x15, calotas abauladas 4 furos, som com toca fitas TKR (bluetooth instalado), amplificador com equalizador Tojo GR-600, ambos instalados no console central com acendedor de cigarros em inox com iluminação, módulo SD 800 e subwoofer no bagagito, tampão traseiro com alto falantes 6×9, volante Walrod XK original do modelo Bizorrão (acompanha original), parachoques com batentes e estribos em aço inox e rádio Motorádio 3 Faixas de época.

Desempenho – Na configuração original de fábrica

Estabilidade – O conjunto carroceria, chassi e suspensão, era considerado atualizado para a época, com um desempenho modesto em curvas de alta e em piso molhado.

Motor – O motor Volkswagen Boxer 1300, era de manutenção descomplicada, porém o custo das manutenções de um modelo zero km, não eram tão popular como pensamos.

Câmbio – O câmbio 4 marchas era eficiente de engates precisos, no início da década de 1970 todas as marchas já eram sincronizadas.

Retomadas e ultrapassagens – Atendia as expectativas para um compacto popular da década de 1970, mas com 4 adultos e porta malas cheio era sempre bom o motorista, negociar bem as ultrapassagens.

Consumo – Para um motor 1300 a gasolina de um modelo compacto, 8 km/l na cidade estava dentro do esperado, mais detalhes na ficha técnica no final do post.

Acabamento Externo

Faróis –  Redondos de lentes planas;

Setas dianteiras – Posicionadas sobre os para-lamas;

Para – choques –  Em lâminas de aço carbono cromados;

Faróis de neblina – Não;

Grade de ar do motor – Entrada de ar forçada sobre a tampa do motor;

Retrovisores Externos– Estilo raquete;

Frisos – Metálico em toda a extensão lateral;

Rodas –  rodas alargadas na traseira com pneus 195x60x15 e nas dianteiras meia tala com pneus 185x55x15, calotas abauladas 4 furos ;

Maçanetas – Cromadas;

Logo – “- ;

Lanterna Traseira – Em cor única;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Não;

Acabamento Interno e instrumentos

Painel – Com mostradores básicos em escala circular;

Conta – giros – Não;

Acabamento do painel – Em aço e vinil;

Volante – Do Fusca 1600 S;

Sistema de som – Sim, com toca fitas TKR (bluetooth instalado), amplificador com equalizador Tojo GR-600;

Ventilador – N/D;

Ar – condicionado – Não;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Não;

Relógio – Não;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Manual basculante;

Sistema de travamento das portas – Mecânico;

Ajuste dos retrovisores externos – Manual;

Acabamento dos bancos – Em courvin;

Acabamento das portas – Em Courvin;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Sem acessórios;

Encosto de cabeça – Não;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Não;

Assoalho – Emborrachado;

Porta-malas – Emborrachado;

Ficha Técnica – Fusca 76 – com motor 1300 – Na configuração original de fábrica

Carroceria – Sedã;

Porte – Compacto;

Portas – 2;

Motor –  Volkswagen Boxer 1300;

Cilindros – 4 opostos horizontalmente;

Válvulas por cilindro – 2;

Posição – Longitudinal;

Combustível – Gasolina;

Potência – 46 cv;

Peso Torque – 85,7 kg/kgfm;

Cilindrada – 1285 cm³;

Torque máximo – 9,1 kgfm a 2600 rpm;

Potência Máxima – 4600 rpm;

Tração – Traseira;

Alimentação –  Carburador;

Direção – Simples;

Câmbio – Manual de 4 velocidades com alavanca no assoalho;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Freio a tambor nas 4 rodas;

Peso – 780 kg;

Suspensão dianteira – Independente, braços arrastados – Barra de torção;

Suspensão traseira – Independente semi-eixo oscilante – Barra de torção;

Comprimento – 4026 mm;

Distância entre-eixos – 2400 mm;

Largura – 1540 mm;

Altura – 1500 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 30,9 Segundos;

Velocidade máxima – 118 km/h;

Consumo: Cidade 8 km/l – Estrada 12 km/l;

Autonomia: Cidade 328 km – Estrada 492 km;

Porta malas – 141 Litros;

Carga útil – Não informado;

Tanque de combustível – 41 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 65.978,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.

Deixe um comentário