fbpx
Pular para o conteúdo

Caminhonete C14, chega a nova geração de utilitários Chevrolet

Compartilhe

A Caminhonete C14, chegou ao mercado em 1964, para substituir a primeira geração de utilitários da montadora comercializados em terras brasileiras, basicamente utilizando a mesma mecânica com alguns upgrades para melhorar a relação força consumo.

Junto com a C14, também foram comercializados a picape C-15, com maior comprimento do chassi, a C-1414, de cabine dupla, e C-1416, que alguns anos depois seria rebatizada de “Veraneio”, as nomenclaturas permaneceram até o ano de 1974 quando a frota foi rebatizada pela montadora como C10, D10 e posteriormente com o proálcool A10.

No mercado, disputou palmo a palmo com o Ford F-100, equipado com o poderoso motor V8, que por um lado entregava força bruta, mas era um beberrão compulsivo, já a Caminhonete C14, utilizava o motor de 6 cilindros 4.3, com uma relação força e consumo bem mais aceitável.

A unidade aqui da nossa matéria é um Chevrolet C14 do ano de 1967, na cor amarela, devidamente restaurada em padrão classe “A”, com acabamento interno em couro, além da elegante alavanca de marchas na coluna de direção.

Desempenho

Estabilidade –  O conjunto do projeto, dava ao utilitário uma boa estabilidade, mesmo sendo um projeto desenvolvido no início da década de 1960, atendia as expectativas para uma picape média.

Motor –  Utilizando o motor Chevrolet 261 de 151 cv, era robusto, confiável e com um giro bastante estável em altas rotações.

Câmbio –  O câmbio manual de 3 marchas com alavanca na coluna de direção, tinham engates precisos e macios, mas exigia manutenção preventiva constante na alavanca de trocas de marcha.

Retomadas e ultrapassagens – Sem carga era ágil e eficiente, mas com a carga máxima de peso, era sempre bom ficar atento em ultrapassagens em vias de mão dupla.

Consumo –  Para um utilitário de médio porte com motor de 6 cilindros, fazer em média 5 km/l na cidade, era um grande feito para a época, mais detalhes na ficha técnica no final do post.

Acabamento Externo

Faróis –  Redondos de lentes boleadas, embutidos na moldura da grade de ar do motor;

Setas dianteiras – Posicionadas abaixo dos faróis;

Para – choques –  Em lâminas de aço carbono, cromados;

Faróis de neblina – Não;

Grade de ar do motor – Cromada;

Retrovisores Externos – Com haste;

Frisos – Não;

Rodas – De de aço tradicionais dos utilitários Chevrolet, com lindas calotas cromadas;

Maçanetas – Cromadas;

Logo – “C-14”, na lateral do para-lama dianteiro;

Lanterna Traseira – Em cor única;

Bagageiro – Não – Picape carroceria de aço;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Não;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com mostradores básicos em escala circular;

Conta – giros – Não;

Acabamento do painel – Em aço, na cor da carroceria;

Volante – De dois raios, com meia lua metálica para acionamento da buzina;

Sistema de som – Opcional – Rádio Chevrolet;

Ventilador – N/D;

Ar – condicionado – Não;

Ar –  quente – N/D;

Luz de leitura – Não;

Relógio – Não;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Manual basculante;

Sistema de travamento das portas – Mecânico;

Ajuste dos retrovisores externos – Manual;

Acabamento dos bancos – Em couro;

Acabamento das portas – Em couro;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Sem acessórios;

Encosto de cabeça – Não;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Não;

Assoalho – Emborrachado;

Porta-malas – Carroceria em aço e assoalho com forração em madeira;

Ficha Técnica – Caminhonete C14 – Do ano de 1967

Carroceria – Picape;

Porte – Grande;

Portas – 2;

Motor –  4.3 Cód 261;

Cilindros – 6 em linha;

Posição – Longitudinal;

Combustível – Gasolina;

Potência – 151 cv;

Peso Torque – 48,9 kg/kgfm;

Cilindrada – 4278 cm³;

Torque máximo – 32,1 kgfm a 2400 rpm;

Potência Máxima – 3800 rpm;

Tração – Traseira;

Alimentação –  Carburador;

Direção – Simples;

Câmbio – Manual de 3 velocidades com alavanca na coluna de direção;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Freio a tambor nas 4 rodas;

Peso – 1570 kg;

Suspensão dianteira – Independente, Braços sobrepostos – Mola helicoidal;

Suspensão traseira – Eixo rígido – Feixe de molas semielípticas;

Comprimento – 4828 mm;

Distância entre – eixos – 2920 mm;

Largura – 1980 mm;

Altura – 1745 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 25 Segundos;

Velocidade máxima – 130 km/h;

Consumo: Cidade 5 km/l – Estrada 6 km/l;

Autonomia: Cidade 440 km – Estrada 528 km;

Porta malas – 750 Litros;

Carga útil – 750 kg;

Tanque de combustível – 88 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 245.990,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.

Carros antigos

Fusca Oval, a geração CKD importada em parceria com a Brasmotor e a VW Gol GTS 87 o único ano com painel quadrado e um preço muito salgado Porsche 911 verde, o Carrera RS Clone 78, ganha motor 3.3, e novo sistema de alimentação Chevrolet Master 85, a geração JB de 1939 exportada para o Japão Vectra GSi, 2.0 16V SFi, alcançava 210 km/h e ainda fazia na cidade 10,6 km/l Fusca branco, capim e formiga é o que mais tem no Brasil, era um ditado da década de 1970 Caminhonete D10, a arma da GM para enfrentar o Ford F-1000 Elba carro – Chega ao Brasil o SW da família Uno, que tirou o sono dos SW Compacto VW e GM Fiat Oggi CSS 1.4 1984 conheça o Esportivo da Família 147 Vectra Elegance, em 2009 o médio de luxo da Chevrolet ainda causava frisson

CONTATO Fale Com o Motor Tudo no Facebook.

Carros antigos