fbpx
Pular para o conteúdo

Caminhão Fenemê, o modelo D-11000 de 1966, a terceira geração

Compartilhe

O Caminhão Fenemê, ou FNM, marcou a história da indústria de caminhões no Brasil, pelo seu visual diferenciado, força, robustez e seu barulho inconfundível do motor a Diesel todo de alumínio. Não era o mais rápido e ágil, mesmo assim foi o preferido de uma grande porcentagem dos caminhoneiros autônomos e transportadoras no Brasil.

A primeira geração foi o FNM D-7.300 bicudinho, com mecânica Isotta Fraschini, foi a primeira empresa a produzir caminhões no Brasil.

A italiana Alfa Romeo comprou a fábrica no meio da década de 1950, e iniciou a segunda geração com o FNM D-9500. Na mesma época a empresa iniciou a comercialização de ônibus rodoviário e urbano.

A terceira geração o D-11000, também ficou conhecida e famosa, como caminhão bruto, por ter participado diretamente, no final da década de 1960 e início da década de 1970, da construção das rodovias, Belém-Brasília e da famosa Transamazônica, rodovia que até hoje não ficou pronta, mas já foi inaugurada e reinaugurada dezenas de vezes. Também se troneou o rei do adubo no litoral paulista, centenas de Fenemê novos e usados, entre as décadas de 1960, 1970 e início da década 1980, faziam o percurso de mais de 30 km entre as indústrias de Cubatão e o Porto de Santos. Com um frente de valores estratosféricos, deixando muitos autônomos literalmente ricos, ou se aposentando confortavelmente ainda no início da meia idade.

Acabamento Externo

Faróis –  Redondos de lentes boleadas, embutidos em uma moldura cromada;

Setas dianteiras – Posicionadas ao lado dos faróis;

Para – choques –  Em largas lâminas de aço carbono, na cor preto;

Faróis de neblina – Não – Mas era tradição utilizar luzes de longo alcance, sobre os para-choques;

Grade de ar do motor – Painel em alumínio, com frisos na horizontal;

Retrovisores Externos – Com haste, cromado;

Frisos – Não;

Rodas – De aço enraiadas, tradicionais caminhões FNM;

Maçanetas – Cromadas;

Logo – “Brasão da montadora”, na tampa do motor;

Lanterna Traseira – Em cor única;

Bagageiro – Não – Carroceria de madeira;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Não;

Acabamento interno e Instrumentos

Painel – Com mostradores em escala circular;

Conta – giros – N/D;

Acabamento do painel – Em aço;

Volante – De três raios, de plástico injetado;

Sistema de som – Não;

Ventilador – N/D;

Ar – condicionado – Não;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Não;

Relógio – Analógico;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Manual basculante;

Sistema de travamento das portas – Mecânico;

Ajuste dos retrovisores externos – Ajuste manual;

Acabamento dos bancos – Em courvin;

Acabamento das portas – Em courvin;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Sem acessórios;

Encosto de cabeça – Não;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Não;

Assoalho – Emborrachado;

Porta-malas –N/D;

Ficha Técnica – Caminhão Fenemê – Modelo D-11000 1966

Motor AR 1610 de 215 cv, em alumínio

Valor atualizado Aproximado – R$ 289.713,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.

Carros antigos

Astra GSi 2003, chega ao mercado a fera 2.0 16V, alcançando mais de 200 km/h Gol Quadrado GTi, em 1992 a montadora comemorou 12 anos da carroceria BX Puma GTE 1977 o primeiro grande pico de vendas da montadora Porsche 911 L, a versão comercializada na terra do Tio Sam em 1968 Fiorino 96, com motor 1.5, Zero km um colecionável que nunca foi emplacado Caminhonetes antigas Ford sucesso em eventos de carros antigos MP Lafer carros fora de série com o legitimo chassi MP Honda SUV ZR V 2024 preço ficha técnica e equipamentos Fusca 96 Itamar Série especial última edição da geração refrigerada a ar Carro para o dia a dia Vectra 4 portas 2.2 8V excelente relação custo benefício

CONTATO Fale Com o Motor Tudo no Facebook.

Carros antigos