fbpx
Pular para o conteúdo

VW Parati 1.5 1983 e a transição dos motores BR 1.5 para MD-270 1.6

Parati 1.5
Compartilhe

VW Parati 1.5 1983 e a transição dos motores BR 1.5 para MD-270 1.6. O SW compacto da Volkswagen nasceu em 1982, com uma plataforma bem mais atualizada que seus concorrentes, o Fiat Panorama e o Chevrolet Marajó.

O grande trunfo do utilitário família da Volkswagen, ou como muitos chamavam na época, Perua Voyage, era o marketing do motor BR 1.5 refrigerado a água, que fez sucesso no Volkswagen Passat desde seu lançamento em 1974.

Mas a partir de setembro de 1982, a Volkswagen coloca fim na produção em massa dos motores BR 1.5, toda a linha VW Passat 1982 já como modelo 1983 passa a ser exclusivamente equipada com o motor MD-270 1.6.

Já a família BX mais especificamente o Voyage e a Parati, passaram pelo processo de entressafra durante todo o primeiro semestre de 1983. Os motores BR 1.5 ainda equipavam as versões S e LS de série, mas já oferecia como opcional o motor MD-270 1.6.

Já a versão GLS do Volkswagen Parati foi oferecida de série com o motor BR 1.5 até setembro de 1982, a partir de outubro de 1982 já como modelo 1983, era oferecido de série com o motor MD-270 1.6.

O VW Parati 1.5 entregava 61 cv na gasolina e 68 cv no álcool, já o VW Parati com os motores MD 270 1.6, entregavam 81 cv no álcool e 78 cv na gasolina. Ainda em 1983 o VW Parati com unidades com os motores BR 1.5, conseguiam superar com uma certa folga o desempenho do Chevrolet Marajó 1.6.

O modelo Volkswagen 1.5 a gasolina alcançava velocidade final de 150 km/h e acelerava de 0 a 100 em 16,9 segundos. Já a perua compacta Chevrolet 1.6 a gasolina alcançava velocidade final de 142 km/h e acelerava de 0 a 100 em 18,2 segundos.

Parati 1.5

Ficha Técnica – Parati 1.5 – Ano 1983

Carroceria – VW SW; Porte – Compacto; Portas – 2; Motor – BR 1.5; Cilindros – 4 em linha; Posição – Longitudinal; Combustível – Álcool; Potência – 68 cv; Peso Torque – 85,5 kg/kgfm; Cilindrada – 1471 cm³; Torque máximo – 10,5 kgfm a 3200 rpm.

Potência Máxima – 5600 rpm; Tração – Dianteira; Alimentação – Carburador; Direção – Simples; Câmbio – Manual de 4 velocidades com alavanca no assoalho; Embreagem – Monodisco a seco; Freios – Freio a disco sólido nas rodas dianteiras e tambor nas rodas traseiras.

Peso – 880 kg; Suspensão dianteira – Independente, McPherson – Mola helicoidal; Suspensão traseira – Eixo torção – Mola helicoidal; Comprimento – 4069 mm; Distância entre-eixos – 2358 mm; Largura – 1622 mm; Altura – 1378 mm.

Aceleração de 0 a 100 – 15 Segundos; Velocidade máxima – 155 km/h; Consumo: Cidade 8,2 km/l – Estrada 11 km/l; Autonomia: Cidade 487 km – Estrada 659 km; Porta malas – 530 Litros; Carga útil – 500 kg.

Tanque de combustível – 47 Litros; Valor atualizado Aproximado – R$ 115.000,00; Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos.

Parati 1.5
Parati 1.5

Carros antigos

Caminhonete D10, a arma da GM para enfrentar o Ford F-1000 Elba carro – Chega ao Brasil o SW da família Uno, que tirou o sono dos SW Compacto VW e GM Fiat Oggi CSS 1.4 1984 conheça o Esportivo da Família 147 Vectra Elegance, em 2009 o médio de luxo da Chevrolet ainda causava frisson Toyota Paseo, conheça o cupê compacto da montadora japonesa Corsa 99, a versão Super do popular mais confortável da década de 1990 Opala 6 caneco, a versão standard de 1979 customizada Saveiro 96, o fim da bem sucedida geração quadrada se aproximava Chrysler Neon 2000, o início do fim, do médio de elite, hoje um raro colecionável Vectra 97, nunca restaurado, a versão CD 16V, com teto solar e câmbio automático

CONTATO Fale Com o Motor Tudo no Facebook.

Carros antigos