fbpx
Pular para o conteúdo

Santana 1987, na versão GLS, 4 portas automático, o máximo da montadora

Compartilhe

O Santana 1987, em sua versão top de linha, GLS na carroceria 4 portas e com câmbio automático, estava no topo do catálogo da montadora aqui no Brasil. Ganha força na briga contra o Chevrolet Monza e Ford Del Rey.

Em 1987, toda a linha Volkswagen Santana ganha novas nomenclaturas, CS para CL, CG para GL e CD para GLS. O modelo também recebe para-choques envolventes, e na versão top de linha, luzes de longo alcance ao lado dos faróis, melhorando o visual e a eficiência do conjunto de lentes.

O conjunto motor e câmbio, também ganhou a tenção da montadora, com pequenas mudanças no motor e uma nova relação no câmbio, deixaram o Santana mais robusto em baixas e médias rotações, mas os números na ficha técnica não alteraram.

Na briga contra o Chevrolet Monza e Ford Del Rey, o Santana 1987 se iguala pela primeira vez em número de unidades emplacadas o modelo da GM, ambos emplacaram algo próximo de 55.000 unidades. No mesmo ano, o preço da versão GLS era tão alto, que se igualou a versão intermediária do Opala.

Desempenho

Estabilidade – O VW Santana quadrado ainda utilizava a mesma estrutura desde 1984, bastante estável em curvas de alta e em retas, e em altas velocidades.

Motor – O eficiente e bem sucedido motor AP 1.8 a álcool ainda carburado, entregava 94 cv de força, com torque máximo de 15,2 kgfm a 3400 rpm.

Câmbio – No Brasil ainda não existia uma tecnologia tão eficiente como nos países de primeiro mundo, para câmbio automático. Mas entregava o conforto e desempenho sugerido para época.

Retomadas e ultrapassagens –  Seguro e muito eficiente.

Consumo – Para um modelo de médio porte de alto custo, com motor a álcool, fazer 6,2 km/l, estava dentro do esperado para a década de 1980.

Acabamento Externo

Faróis – Retangulares de lentes planas, com luzes de longo alcance embutidas no mesmo conjunto;

Setas dianteiras – Embutida no para choque;

Para – choques – Envolventes na cor grafite, com detalhes cromados;

Faróis de neblina – Não:

Grade de ar do motor – Na cor grafite com frisos na horizontal;

Retrovisores – Panorâmico, com ajuste elétrico interno;

Frisos – Emborrachado em toda a extensão lateral do carro, com detalhes cromados;

Rodas – De liga – leve 185/70 R13;

Maçanetas – Na cor grafite, com detalhes cromados ao centro;

Logo – “GLS”, na lateral dos para lamas dianteiros;

Lanterna Traseira – Tricolor com luz de ré;

Teto Solar – Opcional;

Bagageiro – Não;

Limpador do vidro traseiro – Não;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com mostradores em escala circular + conta – giros;

Acabamento do painel – Em vinil em tons grafite;

Volante – Espumado de quatro raios;

Sistema de som – Rádio toca fitas AM/FM, com armazenamento para fitas K7 no console da alavanca do câmbio de marchas;

Ventilador – De três velocidades;

Ar – condicionado – Opcional;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Sim;

Relógio – Digital;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Elétrico nas 4 portas;

Sistema de travamento das portas – Elétrico central;

Ajuste dos retrovisores externos – Elétrico;

Acabamento dos bancos – Em tecido aveludado;

Acabamento das portas – Em vinil, com detalhes aveludado;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Com apoio para o braço, sinto de segurança e de três pontos e apoio de cabeça para dois passageiros;

Encosto de cabeça – Para quatro passageiros;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Sim;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Acarpetado;

Ficha Técnica – Santana 1987 – Na versão GLS 4 portas

Carroceria – Sedã;

Porte – Médio;

Portas – 4;

Motor – VW AP 1.8;

Cilindros – 4 em linha;

Válvulas por cilindro – 2;

Posição – Longitudinal;

Tuchos – Mecânicos;

Tração – Dianteira;

Combustível – Álcool;

Alimentação –  Carburador;

Direção – Hidráulica;

Câmbio – Automático, alavanca no assoalho;

Embreagem – Conversor de torque;

Freios – Freio a disco sólido nas rodas dianteiras e tambor nas rodas traseiras;

Peso – 1080 kg;

Comprimento – 4537 mm;

Distância entre-eixos – 2550 mm;

Largura – 1695 mm;

Altura – 1402 mm;

Potência – 94 cv;

Cilindrada – 1781 cm³;

Peso toque – 71,1 kg/kgfm;

Torque máximo – 15,2 kgfm a 3400 rpm;

Potência Máxima – 5000 rpm;

Aceleração de 0 a 100 – 11,9 Segundos;

Velocidade máxima – 171 km/h;

Consumo: Cidade 6,2 km/l – Estrada 9,5 km/l;

Autonomia: Cidade 465 km – Estrada 713 km;

Porta malas – 394 Litros;

Carga útil – 485 kg;

Tanque de combustível – 75 Litros;

Valor atualizado Aproximado –  R$ 287.990,00.

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.

Carros antigos

Astra GSi 2003, chega ao mercado a fera 2.0 16V, alcançando mais de 200 km/h Gol Quadrado GTi, em 1992 a montadora comemorou 12 anos da carroceria BX Puma GTE 1977 o primeiro grande pico de vendas da montadora Porsche 911 L, a versão comercializada na terra do Tio Sam em 1968 Fiorino 96, com motor 1.5, Zero km um colecionável que nunca foi emplacado Caminhonetes antigas Ford sucesso em eventos de carros antigos MP Lafer carros fora de série com o legitimo chassi MP Honda SUV ZR V 2024 preço ficha técnica e equipamentos Fusca 96 Itamar Série especial última edição da geração refrigerada a ar Carro para o dia a dia Vectra 4 portas 2.2 8V excelente relação custo benefício

CONTATO Fale Com o Motor Tudo no Facebook.

Carros antigos