fbpx
Pular para o conteúdo

Renault Twingo 1995 um compacto com jeitão de subcompacto

Compartilhe

Ele foi apresentado no salão de Paris em 1992, posicionado na Europa como um mini ou subcompacto, equipado com motores 1.2 e 1.3, em 1993 já como modelo 1994, desembarcou no Brasil para participar da farra dos populares 1.0

No Brasil foi posicionado como compacto, mas na prática era um subcompacto com distância entre eixos, menor que de um Fusca, com 2347 mm. O modelo tinha um preço atrativo, com um desempenho igual ou um pouco a frente dos modelos 1.0 produzidos em solo brasileiro.

Com linhas mais arredondadas, e um painel que trazia uma nova proposta, com desenho ovalado, com mostradores digital que ficavam alocado em uma fina moldura retangular, para muitos uma evolução, para outros uma ideia que dificultava a visualização de algumas leituras principalmente no trânsito.

Na prática o Renault Twingo 1995, acabou sendo um sucesso de vendas no Brasil, não chegou a emplacar o mesmo número de unidades de um Uno Mille ou Gol 1.0, mas vendeu o suficiente para manter a montadora viva em nosso país durante a década de 1990, era bastante comum ver o carrinho nas ruas, principalmente dos grandes centros diversas unidades rodando.

Desempenho

Estabilidade –  Com um estrutura moderna, era muito eficiente em curvas de alta e em retas em altas velocidades mesmo com o piso molhado, o ponto negativo ficava para os finos pneus 145, que gerava um certo desconforto.

Motor –  Utilizando o motor Cleon C3G 1.2 de 55 cv, com aceleração de 0 a 100 de 14 segundos, era confiável, mas o custo das manutenções não tinham nada de popular.

Câmbio –  O câmbio manual de 5 velocidade, era de engates muito precisos, mas em viagens de longa distância por ser um motor com pouco fôlego, exigia trocas constantes, que causava um certo desconforto ao motorista.

Retomadas e ultrapassagens – O motor Renault Cleon C3G 1.2 se comportava muito bem, sem falhas, mas com 3 adultos e porta-malas cheio era sempre bom ficar atento em ultrapassagens em pista de mão dupla, pois a perda de fôlego ficava evidente.

Consumo –  Para um motor 1.2 de 4 cilindros a gasolina, de um carro que pesava menos de 800 kg, fazer 11 km/l na cidade, estava dentro do esperado.

Acabamento Externo

Faróis –  Com lentes ovaladas;

Setas dianteiras – Embutidas a baixo dos faróis;

Para – choques –  Envolventes na cor grafite;

Faróis de neblina – Não;

Grade de ar do motor – Em lâminas de plástico na horizontal na cor grafite;

Retrovisores Externos – Panorâmico com ajuste elétrico interno;

Frisos – Não;

Rodas – Rodas de aço 145/80 R13;

Maçanetas – Embutidas na cor grafite;

Logo – “Twingo” na tampa do porta malas;

Lanterna Traseira – Tricolor com luz de ré;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Sim;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com mostradores básicos digital + Check control;

Conta – giros – Não;

Acabamento do painel – Em vinil na cor cinza;

Volante – Espumado de 2 raios;

Sistema de som – Sim;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Sim;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Não;

Relógio – Digital;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Elétrico;

Sistema de travamento das portas – Elétrico;

Ajuste dos retrovisores externos – Elétrico;

Acabamento dos bancos – Em tecido plástico;

Acabamento das portas – Em vinil;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Rebatível, bipartido e com encosto de cabeça para dois passageiros embutidos no encosto;

Encosto de cabeça – Para quatro passageiros, sendo nos bancos dianteiros, com ajuste de altura;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Sim;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Acarpetado.

Ficha Técnica – Renault Twingo 1995

Carroceria – Hatch;

Porte – Subcomapcto;

Portas – 2;

Motor –  Cleon C3G 1.2;

Cilindros – 4 em linha;

Válvulas por cilindro – 2;

Posição – Transversal;

Combustível – Gasolina;

Potência – 48,5 cv;

Peso Torque – 84,0 kg/kgfm;

Cilindrada – 1239 cm³;

Torque máximo – 9,4 kgfm a 2800 rpm;

Potência Máxima – 5300 rpm;

Tração – Dianteira;

Alimentação –  Injeção monoponto;

Direção – Simples;

Câmbio – Manual de 5 velocidades com alavanca no assoalho;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Freio a disco sólido nas rodas dianteiras e tambor nas rodas traseiras;

Peso – 790 kg;

Suspensão dianteira – Independente, McPherson – Mola helicoidal;

Suspensão traseira – Eixo de torção – Mola helicoidal;

Comprimento – 3433 mm;

Distância entre-eixos – 2347 mm;

Largura – 1630 mm;

Altura – 1423 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 14 Segundos;

Velocidade máxima – 150 km/h;

Consumo: Cidade 11 km/l – Estrada 15 km/l;

Autonomia: Cidade 440 km – Estrada 600 km;

Porta malas – 168 Litros;

Carga útil – 385 kg;

Tanque de combustível – 40 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 46.113,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.joi

Carros antigos

Astra GSi 2003, chega ao mercado a fera 2.0 16V, alcançando mais de 200 km/h Gol Quadrado GTi, em 1992 a montadora comemorou 12 anos da carroceria BX Puma GTE 1977 o primeiro grande pico de vendas da montadora Porsche 911 L, a versão comercializada na terra do Tio Sam em 1968 Fiorino 96, com motor 1.5, Zero km um colecionável que nunca foi emplacado Caminhonetes antigas Ford sucesso em eventos de carros antigos MP Lafer carros fora de série com o legitimo chassi MP Honda SUV ZR V 2024 preço ficha técnica e equipamentos Fusca 96 Itamar Série especial última edição da geração refrigerada a ar Carro para o dia a dia Vectra 4 portas 2.2 8V excelente relação custo benefício

CONTATO Fale Com o Motor Tudo no Facebook.

Carros antigos