Opala Comodoro 4 portas 1977 Beleza ao extremo

A versão top de linha da família Opala na versão 4 portas, esbanjava glamour e elegância na cor marrom monterrey

Com um lindo acabamento interno na cor marrom, ar – condicionado, toca fitas AM/FM, câmbio de machas na coluna de direção, e equalizador tojo, que era um verdadeiro luxo para a época, o Opala Comodoro 4 portas 1977, além de ser um o carro de luxo mais equilibrado da época, entregava vários instrumentos de luxo, de série e opcionais.

No final da década de 1970, o mercado dos carros de luxo de grande porte, já estava bem definido quanto a posição entre os mais emplacados, A família Dodge Dart, estava em uma fase difícil para conseguir vender seus veículos, o Ford Galaxie / Landau, era o preferido do alto escalão político nacional, o Opala se tornou o carro de luxo da classe média e alta nacional, dominando amplamente a tabela entre os mais vendidos dentro do segmento.

Como já sitei em outros posts, o grande diferencial da família Opala, era o equilíbrio, entre potência e consumo, a melhor relação custo benefício do mercado, quanto a dirigibilidade a situação era a mesma, era o modelo que entregava a melhor estabilidade dentro do seu segmento.

Desempenho

O motor Chevrolet 2.5 de 4 cilindros, código 151, entregava bons 98 CV de força, chegando a 155 Km/h reais de velocidade final, era o carro nacional de melhor equilíbrio entre força e consumo.

Mesmo em altas rotações o motor se mantinha estável sem passar vibrações para o interior do carro, esse era um dos pontos fortes da marca, estável e silencioso, mesmo em altas velocidades.

Na cidade conseguia ser bem ágil, para um modelo tão pesado, indo facilmente de 0 a 100 em 17 segundos.

O consumo ficava dentro do esperado para um carro de grande porte a gasolina, que pesava mais de 1100 KG, em média 8 KM/L na cidade.

A estrutura da carroceria Opala, tinha um peso muito bem distribuído, mesmo em curvas de alta, entregava uma ótima relação entre segurança e conforto.

Acabamento Externo

Frente com faróis redondos de lentes boleadas, embutidos com recuo em uma moldura de alumínio na cor do carro.

Grade de ar de alumínio com frisos na horizontal e a gravata Chevrolet ao centro.

Seta dianteira em lente bipartida, localizados nos para – lamas dianteiros.

Teto na cor beje.

Para – choques em lâminas de aço cromados.

Logo “Chevrolet” no capô.

Friso adesivo preto em toda a extensão do carro.

Logo “Comodoro” na lateral do para – lama traseiro.

Retrovisor cromado redondo, pequeno e pouco eficiente.

Maçanetas cromadas.

Rodas de aço tradicionais família Chevrolet, com lindas calotas cromadas.

Pneus com faixa branca.

Lanternas traseiras redondos na horizontal, com luz de ré.

Logo “Chevrolet” na tampa do porta mala.

Acabamento Interno

Painel em vinil e fundo de aço, na cor marrom, com mostradores em escala circular.

Volante de plástico injetado, de dois raios.

Rádio toca fitas AM/FM com equalizador tojo.

Ventilador.

Ar – quente.

Ar – condicionado.

Acendedor de cigarros e cinzeiro embutido no painel.

Acabamento das porta em couro marrom com detalhes cromados.

Acabamento dos bancos em tecido aveludado.

Acionamento dos vidros manual basculante.

Assoalho e porta malas acarpetados.

Ficha Técnica – Opala Comodoro 4 portas 1977 2.5 4 cilindros

Carroceria sedã;

Porte Grande;

4 portas;

Motor Chevrolet Cód 151 2.5;

Cilindros 4 em linha;

Longitudinal;

Tuchos Hidráulicos;

Tração traseira;

Combustível Gasolina;

Carburador;

Direção Simples – Opcional para hidráulica.

Câmbio manual de 3 marchas;

Embreagem monodisco a seco;

Freios a disco sólido nas rodas dianteiras e tambor nas rodas  traseiras;

Peso 1180 KG;

Potência 98 CV;

19,8 kgfm a 2600 rpm.

Potência Máxima 4800 RPM;

De 0 a 100 – 17 Segundos;

Velocidade máxima 155 KM/h;

Consumo na Cidade 8 KM/L – Estrada 11 KM/L;

Autonomia: Cidade 520 KM – Estrada 715 KM.

Porta malas 430 Litros;

Carga útil – não informado;

Tanque de combustível 54 Litros;

Motor Tudo – Opala Comodoro 4 portas 1977

Carros Clássicos Brasil – Opala Comodoro

Deixe uma resposta