fbpx
Pular para o conteúdo

Omega 4.1 automático a versão top de linha no auge do sucesso

Omega 4.1 automático
Compartilhe

Omega 4.1 automático a versão top de linha no auge do sucesso em 1996, o bem sucedido projeto que substituiu o lendário Opala, ganha o título de absoluto, e mantem vivo o DNA Opaleiro.

Um grupo de seguidores das décadas de 1970, 1980 e início da década de 1990, que acabou transformando o projeto alemão Opel Rekord aqui no Brasil, em seu carro preferido em todas as suas versões. Curiosamente seu substituto o projeto Opel Omega, acabou caindo nas graças dos mesmos fãs, além de angariar toda uma nova geração na segunda metade da década de 1990.

Mesmo com o sucesso do absoluto, a montadora ainda precisava manter viva a dinastia de seu antecessor, em 1994/95 o antigo motor GM 4.1/S do Opala, foi enviado para Lotus, onde foi reformulado e atualizado, ganhou injeção eletrônica multiponto e outros acessórios eletrônicos.

É rebatizado de Powertech C41GE 4.1, gerando 168 cv de força, com torque máximo de 29,1 kgfm a 3200 rpm, alcançando velocidade de 212 Km/h, com muito equilíbrio e conforto. Aumentando a paixão da nação Chevrolet apaixonados por modelos de luxo no Brasil.

Ainda no meio da década de 1990, as versões top de linha da família Omega, se revezavam na versão CD, com as opções de motores 3.0 e 4.1, alguns itens de conforto também eram opções, como bancos em couro, para os padrões de hoje podemos considerar um absurdo, um veículo da alto custo onde bancos com revestimento diferenciado era somente como opção.

O exemplar da nossa matéria o Omega 4.1 automático, é do ano de 1996, equipado com o motor Powertech C41GE 4.1 (G) de 168 cv, torque máximo de 29,1 kgfm a 3200 rpm, velocidade final real de 212 km/h e aceleração de 0 a 100 de 10,5 segundos. Quanto ao consumo, na cidade fazia uma média de 5,8 km/l e na estrada 9,5 km/l.

Acabamento Externo

Faróis – Trapezoidais, com lentes de longo alcance;

Setas dianteiras – Embutidas no mesmo conjunto dos faróis;

Para – choques –  Envolventes na cor da carroceria, com friso emborrachado;

Faróis de neblina – Sim;

Grade de ar do motor – Com frisos na horizontal, com acabamento cromado;

Retrovisor Externo – Panorâmico com ajuste elétrico interno;

Frisos – Emborrachado em toda a extensão lateral, com detalhes cromado, acompanhando o acabamento dos para – choques;

Rodas – De liga leve, tradicionais família Omega, 195/65 R15;

Maçanetas – Embutidas na porta na cor da carroceria;

Logo – “CD” na lateral dos para – lamas dianteiros;

Lanterna Traseira – Tricolor fumê;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Sim;

Limpador do vidro traseiro – Não;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com mostradores digitais + Computador de bordo;

Conta – giros – Sim;

Acabamento do painel – Em vinil na cor cinza e grafite;

Volante – Espumado de 4 raios estilo executivo;

Sistema de som – Sim;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Sim;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Sim;

Relógio – Digital;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Elétrico nas quatro portas;

Sistema de travamento das portas – Elétrico central;

Ajuste dos retrovisores externos – Elétrico;

Acabamento dos bancos – Em tecido aveludado;

Acabamento das portas – Em vinil e tecido aveludado;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Com encosto de cabeça vazado e cinto de segurança de três pontos para dois passageiros;

Encosto de cabeça – Para quatro passageiros, vazados;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Sim;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Acarpetado;

Ficha Técnica – Omega 4.1 automático – Versão CD 1996

Carroceria – GM Sedã;

Porte – Grande;

Portas – 4;

Motor –  Powertech C41GE 4.1;

Cilindros – 6 em linha;

Válvulas por cilindro – 2;

Posição – Longitudinal;

Combustível – Gasolina;

Potência – 168 cv;

Peso Torque – 52,4 kg/kgfm;

Cilindrada – 4093 cm³;

Torque máximo – 29,1 kgfm a 3500 rpm;

Potência Máxima – 4500 rpm;

Tração – Traseira;

Alimentação –  Injeção Multiponto;

Direção – Hidráulica;

Câmbio – Automático de 4 com alavanca no assoalho;

Embreagem – Conversor de torque;

Freios – Freio ABS a disco ventilado nas rodas dianteiras e disco sólido nas rodas traseiras;

Peso – 1525 kg;

Suspensão dianteira – Independente, McPherson – Mola helicoidal;

Suspensão traseira – Independente, braços semi-arrastado – Mola helicoidal;

Comprimento – 4738 mm;

Distância entre-eixos – 2730 mm;

Largura – 1760 mm;

Altura – 1445 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 10,5 Segundos;

Velocidade máxima – 212 km/h;

Consumo: Cidade 5,8 km/l – Estrada 9,5 km/l;

Autonomia: Cidade 435 km – Estrada 713 km;

Porta malas – 520 Litros;

Carga útil – 460 kg;

Tanque de combustível – 75 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 378.000,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.

Omega 4.1 automático
Omega 4.1 automático

Carros antigos

Caminhonete D10, a arma da GM para enfrentar o Ford F-1000 Elba carro – Chega ao Brasil o SW da família Uno, que tirou o sono dos SW Compacto VW e GM Fiat Oggi CSS 1.4 1984 conheça o Esportivo da Família 147 Vectra Elegance, em 2009 o médio de luxo da Chevrolet ainda causava frisson Toyota Paseo, conheça o cupê compacto da montadora japonesa Corsa 99, a versão Super do popular mais confortável da década de 1990 Opala 6 caneco, a versão standard de 1979 customizada Saveiro 96, o fim da bem sucedida geração quadrada se aproximava Chrysler Neon 2000, o início do fim, do médio de elite, hoje um raro colecionável Vectra 97, nunca restaurado, a versão CD 16V, com teto solar e câmbio automático

CONTATO Fale Com o Motor Tudo no Facebook.

Carros antigos