Mercedes Benz 280 S 1975, um sedã de luxo que alcançava 190 km/h com muito equilíbrio e conforto

Compartilhe

Em 1975 no Brasil também tínhamos modelos de grande porte, que alcançavam 190 km/h de velocidade final real, Dodge Charger, Opala com motores 6 cilindros de 171 cv, mas a diferença para o Mercedes Benz 280 S 1975, era que o modelo alemão, entregava equilíbrio em curvas de alta e uma excelente velocidade de cruzeiro, se mantendo por longos períodos em velocidades acima de 160 km/h oscilações.

No programa de TV, do canal por assinatura History Channel, a Garagem de Jay Leno, o protagonista do programa, ao lado de um piloto de testes, pilotam um Dodge Charger americano V8, e ficaram impressionados com a força do carro, mas ao mesmo tempo assustados com a falta de equilíbrio dos Muscle Cars da década de 1970, no Brasil não era diferente com os nosso modelos de 6 e 8 cilindros, muita força, e pouco equilíbrio.

Já o modelo alemão, mais precisamente o Mercedes Benz 280 S 1975, ou Mercedes antiga, conseguia unir conforto, equilíbrio e segurança a frente dos americanos, mas essa diferença de norte-americanos e europeus é cultural, a prova esta nas categorias de automobilismo.

A formula Indy, categoria estadunidense, prima pela força bruta dos motores e velocidade final, em circuitos ovais. Já a categoria europeia Formula 1, culturalmente, busca o equilíbrio do carro em circuitos mistos.

Voltando a falar da unidade aqui da matéria, o Mercedes Benz 280 S 1975, o modelo vem na carroceria W116, equipado com o eficiente motor 2.8 de 6 cilindros de 160 cv, 2 carburadores Solex 4 A 1, freios a disco ventilado nas rodas dianteira e disco sólido nas rodas traseiras, com velocidade final real de 190 km/h e câmbio de 4 marchas. No acabamento interno, forração couro marrom na portas, bancos em couro e fino tecido aveludado, painel em couro e madeira, ar-condicionado e direção hidráulica de série, opcional para trio elétrico.

Observação – A Mercedes Benz 280 S 1975, já fez parte da geração de modelos que não poderiam serem importados para o Brasil, ano em que as fronteiras comerciais foram fechadas. Uma unidade nos dias de hoje, em solo brasileiro em ótimo estado de conservação, realmente é uma raridade.

Desempenho

Estabilidade –  O conjunto do projeto, dava ao carro uma ótima estabilidade, a Mercedes-Benz incrivelmente conseguia unir, maciez e eficiência, em uma mesma suspensão, mesmo em piso de chão batido, se mantinha dentro do esperado.

O motor – Equipado com o motor 2.8 cód M 110 V 28 / 110.922 de 6 cilindros, e 2746 cm3, era eficiente e confiável. Resistente e com um tempo de vida útil que chamava a atenção para os padrões da época.

Câmbio –  O câmbio manual de 4 marchas, formava com o motor um conjunto elástico e muito eficiente, tanto na estrada quanto na cidade.

Retomadas e ultrapassagens – Mesmo sendo um modelo que pesava 1610 kg, era confiável e eficiente mesmo com carga máxima de peso, não perdia fôlego nem desempenho.

Consumo –  Para um motor de 6 cilindros, fazer 6 km/l na cidade, estava dentro do esperado para a época, mais detalhes na ficha técnica no final do post.

Acabamento Externo

Faróis –  Retangulares de lentes planas, com luzes de longo alcance, embutidas na mesma lente;

Setas dianteiras – Embutidas no mesmo conjunto dos faróis;

Para – choques –  Cromados, com frisos emborrachados;

Faróis de neblina – Não – Utiliza luzes de longo alcance;

Grade de ar do motor – Cromada, tradicional Mercedes-Benz sedã e SW;

Retrovisores Externos – Panorâmicos cromado, com controle mecânico interno;

Frisos – Fino friso lateral, emborrachado, com detalhe cromado;

Rodas – De liga leve tradicionais família Mercedes Benz;

Maçanetas – Cromadas, com detalhes em grafite;

Logo – “280 S”, Na tampa do porta–malas;

Lanterna Traseira – Tricolor frisadas, com luz de ré;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Não;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com diversos mostradores em escala circular;

Conta – giros – Não;

Acabamento do painel – Em couro e madeira;

Volante – Espumado de quatro raios;

Sistema de som – Sim;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Sim;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Sim;

Relógio – Analógico;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Manual basculante – Opcional acionamento elétrico;

Sistema de travamento das portas – Mecânico – Opcional Elétrico;

Ajuste dos retrovisores externos – Interno mecânico – Opcional elétrico;

Acabamento dos bancos – Em couro e fino tecido aveludado;

Acabamento das portas – Em couro com detalhes cromados;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Com apoio para os braços – Opcional para encosto de cabeça para dois passageiros;

Encosto de cabeça – Para 2 passageiros com regulagem de altura;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Não;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Acarpetado;

Ficha Técnica – Mercedes Benz 280 S 1975

Carroceria – Sedã – W116 ;

Porte – Grande;

Portas – 4;

Motor –  2.8 Cód M 110 V 28 / 110.922;

Cilindros – 6 em linha;

Válvulas por cilindro – 2;

Posição – Longitudinal;

Combustível – Gasolina;

Potência – 160 cv;

Peso Torque – N/D kg/kgfm;

Cilindrada – 2746 cm³;

Torque máximo – 26 kgfm a 4000 rpm;

Potência Máxima – 5500 rpm;

Tração – Traseira (RWD);

Alimentação –  2 carburadores Solex 4 A 1;

Direção – Hidráulica;

Câmbio – Manual de 4 marchas com alavanca no assoalho;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – A disco ventilado nas rodas dianteira e sólido nas rodas traseiras;

Peso – 1610 kg;

Suspensão dianteira – Coil springs. Double wishbones. Anti-roll bar;

Suspensão traseira – Coil springs. Semi-trailing arm. Trailing arm. Anti-roll bar;

Comprimento – 4960 mm;

Distância entre-eixos – 2865 mm;

Largura – 1870 mm;

Altura – 1425 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 11,5 Segundos;

Velocidade máxima – 190 km/h;

Consumo: Cidade 6 km/l – Estrada 9 km/l;

Autonomia: Cidade N/D km – Estrada N/D km;

Porta malas – N/D Litros;

Carga útil – Não informado;

Tanque de combustível – 96 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 327.450,00 – Lembrando que era o primeiro ano das fronteiras comerciais fechadas no Brasil pelo regime militar. Então não esta incluso as estratosféricas taxas para liberação de importação, e os abusivos valores para liberação de documentação, se considerámos todo o pacote, a unida zero km, vinda da Europa, chegaria ao Brasil por um valor acima de R$ 1.000.000,00; “Valores atualizados para o primeiro semestre de 2021”.

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.joi

Deixe uma resposta