Ford A Phanton, o substituto do modelo T, na carroceria conversível

Compartilhe

Ford A Phanton, foi disponibilizado na carroceria conversível, mas o projeto “A” recebeu diversas carrocerias, como a tradicional picape, sedã cabine dupla, cupê e conversível. Mas sem dúvida o charme para a época do conversível, que hoje chamamos de cabriolet, era o mais desejados por esposas de magnatas e políticos bem sucedidos.

Uma unidade como a da nossa matéria, na cor verde, com detalhes preto e amarelo, custava aproximadamente R$ 60.000,00, “sem contar a taxa de transporte de navio para o Brasil”, em valores atualizados para o primeiro semestre de 2022.

Durante a década de 1920 nos Estados Unidos, mesmo em meio a crise econômica, a indústria automobilística prosperava, o pobre ficava cada vez mais pobre, a classe trabalhadora não tinha emprego, eram os reflexos da primeira guerra mundial que durou até 1918. Apesar de muitos empresários falirem, o rico continuou rico, e as vendas de automóveis continuaram em ascensão. Sem contar as exportações para diversos países ao redor do mundo.

Até o ano de 1932 quando foi descontinuado o Ford A Phanton, e toda a família do Projeto “A”, venderam 4.858.644 unidades. O exemplar aqui da matéria é do ano de 1929, equipado com o motor 3.3 de 4 cilindros e 40 cv.

Desempenho

Estabilidade – O conjunto carroceria, chassi e suspensão, era considerado atualizado para a década de 1920.

Motor – O motor Ford de 4 cilindros e 40 cv, era de manutenção descomplicada, porém o custo das manutenções de um modelo zero km, só estava ao alcance da classe alta.

Câmbio – O câmbio 3 marchas não era sincronizado, as trocas deveriam serem feitas, no tempo certo do motor.

Retomadas e ultrapassagens – Em uma época de estrada de chão batido e ruas estreitas de paralelepípedo, não era um item que preocupava muito o proprietário.

Consumo – 8 km/l na área urbana.

Acabamento Externo

Faróis –  Redondos de lentes boleadas, embutidos em uma moldura cromada;

Setas dianteiras – Sobre os para-lamas;

Para – choques –  Em lâminas de aço carbono cromados;

Faróis de neblina – Não;

Grade de ar do motor – Em formato de tela metálica;

Retrovisores Externos– Cromado estilo bracinho;

Frisos – Não;

Rodas – Rodas de aço tradicionais da família Ford;

Maçanetas – Cromadas;

Logo – “Ford” na tampa/indicador de temperatura do radiador;

Lanterna Traseira – Bicolor;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Não – Carroceria conversível;

Limpador do vidro traseiro – Não;

Acabamento interno e Instrumentos

Painel – Com mostradores básicos em escala circular;

Conta – giros – Não;

Acabamento do painel – Em aço na cor da carroceria e detalhes cromados;

Volante – De 4 raios;

Sistema de som – Não;

Ventilador – Não;

Ar – condicionado – Não;

Ar –  quente – Não;

Luz de leitura – Não;

Relógio – Não;

Acendedor de cigarros – ;

Cinzeiro – ;

Acionamento dos vidros – N/D;

Sistema de travamento das portas – Mecânico;

Ajuste dos retrovisores externos – Manual;

Acabamento dos bancos – Em couro;

Acabamento das portas – Em courvin;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Sem acessórios;

Encosto de cabeça – Não;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Não;

Assoalho – Emborrachado;

Porta-malas – Emborrachado;

Ficha Técnica – Ford A Phanton

Carroceria – Sedã;

Porte – Médio;

Motor – 3.3 refrigerado a água;

Potência – 40 cv;

Alimentação – Carburado Zenith, ferro fundido, ajuste manual e controle de afogamento no painel.

Câmbio – De 3 marchas não sincronizado;

Freios – A tambor nas 4 rodas;

Velocidade – 105 km/h;

Comprimento – 4191 mm;

Largura – 1702 mm;

Distância entre eixos – 2629 mm;

Peso – 1027 Kg;

Consumo – Urbano 8 km/l – Estrada 12 km/l;

Valor atualizado Aproximado –  R$ 60.000,00, “sem contar a taxa de transporte de navio para o Brasil”;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.

Deixe um comentário