Fiat Spazio C 1984 a versão intermediária entre o Uno e o 147

Compartilhe

Em 1984 o moderno Fiat Uno já estava rodando nas ruas do Brasil, e a montadora italiana passou a ter três interessantes opções de hatch compacto no mercado.

Além do mais caro e moderno Fiat Uno, a montadora contava com o já conhecido Fiat 147, e seu derivado Fiat Spazio.

Na década de 1980, cheguei a dirigir um Fiat Spazio, e posso garantir para qualquer um, foi incrivelmente surpreendente. Para quem estava acostumado com os robustos e rápidos modelos da linha VW BX com motores AP, ao entrar no carro eu esperava algo lento, e bem desengonçado.

Mas ao andar e começar passar as marchas foi algo incrível, o carrinho era muito esperto, divertido de dirigir e sem medo de curvas. Mesmo o câmbio não sendo muito confortável, ele aceitava muito bem as trocas mais rápidas de marchas, e não fez feio na estrada quando cheguei a 120 km/h no sistema Anchieta imigrantes.

A versão Fiat Spazio C 1984 com motor 1300, passou a ser a opção intermediária entre o 147 e o Uno S.

Ele chegou ao mercado em 1982 como uma opção mais requintada do 147, com um acabamento diferenciado: Nova grade de ar do motor, conjunto faróis e setas maiores, nova tampa traseira, com vidro maior e laternas retangulares mais bem sinalizadas. O modelo também trazia repetidores de setas e para-choques envolventes.

O painel também tinha um desenho e mostradores mais modernos.

Desempenho

Estabilidade –  O conjunto, carroceria, chassi e suspensão Fiat, trazia bastante equilíbrio, mas os pneus muito finos que equipavam o carro, deixavam a desejar em curvas de alta.

Motor –  Utilizando o motor Fiasa de 60 cv, com torque máximo de 10 kgfm, era eficiente e muito ágil na cidade.

Câmbio –  O câmbio manual de 5 velocidades, ainda era o calcanhar de aquiles da montadora, houve uma evolução significativa desde a década de 1970, mas ainda era o nacional com as trocas de marchas mais desconfortáveis.

Retomadas e ultrapassagens – O conjunto motor e câmbio era bastante ágil, mas com 4 adultos e porta-malas cheio, era sempre bom o motorista ficar atento em ultrapassagens, o carro em subidas e retomadas acabava perdendo muito fôlego.

Consumo –  Para um motor de 4 cilindros a álcool de um carro de médio porte, fazer 7,3 km/l na cidade, estava dentro do esperado para os padrões da época.

Acabamento Externo

Faróis –  Quadrados de lentes planas;

Setas dianteiras – Embutidas no mesmo conjunto dos faróis;

Para – choques –  Envolventes na cor grafite;

Faróis de neblina – Não;

Grade de ar do motor – Embutida lâminas de plástico na horizontal;

Retrovisores Externos – Panorâmicos, com ajuste manual;

Frisos – Emborrachado em toda a extensão lateral do carro com o logo “1300”;

Rodas – Rodas de aço com calotas pretas 145/80 R13;

Maçanetas – Na cor grafite;

Logo – “Apazio CL” Na tampa do porta – malas;

Lanterna Traseira – Tricolor com luz de ré;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Opcional;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com mostradores em escala retangular;

Conta – giros – Não;

Acabamento do painel – Em vinil na cor grafite e beje;

Volante – Espumado de dois raios;

Sistema de som – Sim;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Não;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Não;

Relógio – Não;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Manual basculante;

Sistema de travamento das portas – Mecânico;

Ajuste dos retrovisores externos – Manual;

Acabamento dos bancos – Em tecido aveludado;

Acabamento das portas – Em vinil e tecido aveludado;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Sem acessórios;

Encosto de cabeça – Opcional para dois passageiros nos bancos dianteiros;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Opcional;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Acarpetado;

Ficha Técnica – Fiat Spazio C 1300 1983

Carroceria – Hatch;

Porte – Compacto;

Portas – 2;

Motor –  Fiasa 1300;

Cilindros – 4 em linha;

Válvulas por cilindro – 2;

Posição – Transversal;

Combustível – Álcool;

Potência – 60 cv;

Peso Torque – 81,1 kg/kgfm;

Cilindrada – 1297 cm³;

Torque máximo – 10 kgfm a 2600 rpm;

Potência Máxima – 5200 rpm;

Tração – Dianteira;

Alimentação –  Carburador;

Direção – Simples;

Câmbio – Manual de 5 velocidades com alavanca no assoalho;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Disco sólido nas rodas dianteiras e tambor nas rodas traseiras;

Peso – 811 kg;

Suspensão dianteira – Independente, McPherson – Mola helicoidal;

Suspensão traseira – Independente, McPherson – Feixe de molas semielípticas;

Comprimento – 3742 mm;

Distância entre-eixos – 2225 mm;

Largura – 1545 mm;

Altura – 1350 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 17 Segundos;

Velocidade máxima – 140 km/h;

Consumo: Cidade 7,3 km/l – Estrada 11 km/l;

Autonomia: Cidade 387 km – Estrada 583 km;

Porta malas – 350 Litros;

Carga útil – 400 kg;

Tanque de combustível – 53 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 48.191,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.

Deixe uma resposta