Fiat 147 C 1300 1986 versão customizada no ano de despedida

Compartilhe

O compacto que trouxe a Fiat para o Brasil, ganha uma leve customização de seu proprietário no ano de despedida, com bancos em courvin, trava e vidros elétricos, além de rodas de liga-leve.

Ele chegou em 1976 e se despediu do mercado com a versão Fiat 147 C 1300 1986, o compacto italiano trouxe algumas inovações para o Brasil, pouco conhecidas na época, veja a lista abaixo.

– Primeiro carro brasileiro com motor transversal dianteiro;

– E 1979, foi o primeiro carro a álcool fabricado em série em todo o mundo;

– Primeiro carro brasileiro com coluna de direção articulada;

– Estreio no Brasil, o desembaçador elétrico traseiro, um novidade em nosso mercado;

– A novidade do estepe no compartimento do motor, dando mais espaço ao porta-malas;

– A versão Europa de 1980, foi o primeiro carro brasileiro a utilizar para-choques envolventes de plástico polipropileno;

A Fiat, literalmente foi uma montadora corajosa e empreendedora, conseguiu montar uma fábrica de carros populares, em um país de terceiro mundo, sob um regime militar, com as fronteiras comerciais fechas, e ainda construiu uma eficiente rede de concessionárias em todo o país. E não se intimidou com a poderosa Volkswagen que dominava em quase 90% o mercado dos compactos.

A unidade aqui da matéria é um Fiat 147 C 1300 1986, customizado pelo proprietário, com vidros e travas elétricas, rodas de liga-leve e bancos em courvin.

Desempenho

Estabilidade –  O conjunto do projeto do Fiat 147, trazia bastante equilíbrio, mas os pneus muito finos que equipavam o carro, deixavam a desejar em curvas de alta.

Motor –  Utilizando o motor Fiasa de 60 cv, com torque máximo de 10 kgfm a 2600 rpm, era eficiente e muito ágil na cidade.

Câmbio –  O câmbio manual de 5 velocidades, ainda era o calcanhar de aquiles da montadora, houve uma evolução significativa desde a década de 1970, mas ainda era o nacional com as trocas de marchas mais desconfortáveis.

Retomadas e ultrapassagens – O conjunto motor e câmbio era bastante ágil, mas com 4 adultos e porta-malas cheio, era sempre bom o motorista ficar atento em ultrapassagens, o carro em subidas e retomadas acabava perdendo muito fôlego.

Consumo –  Para um motor de 4 cilindros a álcool de um carro de médio porte, fazer 7,3 km/l na cidade, estava dentro do esperado para os padrões da época.

Acabamento Externo

Faróis –  Quadrados de lentes planas;

Setas dianteiras – Embutidas no mesmo conjunto dos faróis;

Para – choques –  Em aço carbono na cor grafite;

Faróis de neblina – Não;

Grade de ar do motor – Em lâminas de plástico na horizontal;

Retrovisores Externos – Panorâmicos, com ajuste manual;

Frisos – Emborrachado em toda a extensão lateral do carro com o logo “1300”;

Rodas – Originalmente Rodas de aço com calotas pretas 145/80 R13 – A unidade da matéria foi customizada com rodas de liga-leve;

Maçanetas – Na cor grafite;

Logo – “Fiat 147 C” Na tampa do porta – malas;

Lanterna Traseira – Tricolor com luz de ré;

Bagageiro – Não;

Teto Solar – Não;

Limpador do vidro traseiro – Não;

Acabamento Interno e Instrumentos

Painel – Com mostradores em escala quadrada;

Conta – giros – Não;

Acabamento do painel – Em vinil na cor grafite;

Volante – Espumado de dois raios;

Sistema de som – Opcional;

Ventilador – Sim;

Ar – condicionado – Não;

Ar –  quente – Sim;

Luz de leitura – Não;

Relógio – Não;

Acendedor de cigarros – Sim;

Cinzeiro – Sim;

Acionamento dos vidros – Elétrica;

Sistema de travamento das portas – Elétrica;

Ajuste dos retrovisores externos – Manual;

Acabamento dos bancos – Em courvin;

Acabamento das portas – Em vinil;

Luz de Sinalização no rodapé das portas – Não;

Banco traseiro – Sem acessórios;

Encosto de cabeça – Opcional para dois passageiros nos bancos dianteiros;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro – Opcional;

Assoalho – Acarpetado;

Porta-malas – Acarpetado;

Ficha Técnica – Fiat 147 C 1300 1986

Carroceria – Hatch;

Porte – Compacto;

Portas – 2;

Motor –  Fiasa 1300;

Cilindros – 4 em linha;

Válvulas por cilindro – 2;

Posição – Transversal;

Combustível – Álcool;

Potência – 60 cv;

Peso Torque – 78,9 kg/kgfm;

Cilindrada – 1297 cm³;

Torque máximo – 10 kgfm a 2600 rpm;

Potência Máxima – 5200 rpm;

Tração – Dianteira;

Alimentação –  Carburador;

Direção – Simples;

Câmbio – Manual de 5 velocidades com alavanca no assoalho;

Embreagem – Monodisco a seco;

Freios – Disco sólido nas rodas dianteiras e tambor nas rodas traseiras;

Peso – 789 kg;

Suspensão dianteira – Independente, McPherson – Mola helicoidal;

Suspensão traseira – Independente, McPherson – Feixe de molas semielípticas;

Comprimento – 3712 mm;

Distância entre-eixos – 2225 mm;

Largura – 1545 mm;

Altura – 1350 mm;

Aceleração de 0 a 100 – 17 Segundos;

Velocidade máxima – 140 km/h;

Consumo: Cidade 7,3 km/l – Estrada 11 km/l;

Autonomia: Cidade 387 km – Estrada 583 km;

Porta malas – 350 Litros;

Carga útil – 426 kg;

Tanque de combustível – 53 Litros;

Valor atualizado Aproximado – R$ 46.589,00;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária – Não possui nenhum parâmetro real do mercado atual.

O Motor Tudo, NÃO trabalha com nenhum tipo de comércio de carros, apenas faz matérias sobre a história de carros clássicos brasileiros.joi

Deixe um comentário