Escort XR3 1983 chega ao mercado o novo esportivo da Ford

Diferente de tudo que já havia passado no mercado nacional, ele tinha um visual simplesmente fantástico, em uma época onde os pés de boi dominavam o mercado

O Escrot XR3 1983 na verdade já chegou ao mercado como modelo 1984, lançado no segundo semestre daquele ano, o modelo tinha um visual esportivo inovador, estávamos acostumados com esportivos de médio porte como Corcel II GT e Passat TS, que ofereciam desempenho a altura, mas com visual esportivo muito longe do novo modelo da Ford.

Em 1983 eu ainda era um adolescente, e lembro-me quando vi pela primeira vez o modelo, na minha cabeça era algo muito além da realidade que vivíamos, bonito e futurístico, por dentro e por fora, acredito que a mesma sensação tinham todas as pessoas que visualizavam o XR3 pela primeira vez.

Em 1981 o DEL Rey havia chegado ao mercado, que já causou um grande frisson no mercado, o mesmo aconteceu no segundo semestre de 1982 com a chegada do Monza hatch, mas o XR3 oferecia um algo a mais, seu desenho moderno para o nosso mercado, equipado com itens esportivos como, aerofólio traseiro, grandes retrovisores panorâmicos, frola de neblina, luz de longo alcance, rodas de liga leve exclusivas e por dentro um painel que mais parecia uma espaçonave, outros equipamentos opcionais, como ar – condicionado e direção hidráulica, devam a esportivo da Ford mais força no mercado.

Entre 1983 e 1986, o Escrot XR3 e as demais versões, L, GL e Ghia, deixaram o Escort entre os 5 carros mais vendidos, salvando a Ford Brasil de um eventual fechamento.

Mecânica e desempenho

Ao invés de trazer da Europa o atualizado motor Ford Kent de 85 CV de força, levando o carro de 0 a 100 em apenas 9,6 segundos, robusto e muito eficiente, a montadora optou em manter o motor Renault Cléon Fonte, dando a ele um novo upgrade e renomeando de CHT 1.6, algumas modificações surtiram efeito, montado na posição transversal, passou a ter um torque mais firme e suave,
novo comando mais robusto, coletor de admissão de maior fluxo e carburador com nova configuração e nova giclagem, além do novo sistema de ignição eletrônica e alternador de alta capacidade, mesmo assim o XR3 ia de 0 a 100 em média em 14 segundos.

Outro ponto negativo era o câmbio, de relações muito longas, engates barulhentos e não muito precisos para um esportivo.

A estrutura europeia, adaptada ao mercado nacional, recebeu uma suspensão muito macia, e pouco eficiente, deixando o carro pouco estável em curvas de de alta, e em retas em velocidades acima de 130 KM/h.

Na cidade o desempenho era de um modelo compacto 1.6, relativamente ágil e gostoso de dirigir, com pedais de embreagem, freio e acelerador, macios e muito eficientes.

Acabamento externo

Frente com faróis chanfrados, embutidos em um mesmo conjunto com as setas;

Grade de ar com frisos na horizontal na cor preto;

Para – choques em lâminas de aço carbono na cor do carro, com friso frontal emborrachado;

Cantoneiras de plástico preto, nos pra – choques dianteiros e traseiros;

Luzes de longo alcance redondas na parte superior do para choque dianteiro;

Faróis de neblina retangulares, na parte inferior do para – choque dianteiro;

Rodas de liga – leve exclusivas da família XR3, 185/60 R14;

Retrovisores panorâmicos com controle mecânico interno;

Fino friso adesivo vermelho em toda a extensão lateral;

Maçanetas pretas;

Teto solar;

Aerofólio traseiro preto;

Limpador de vidro traseiro;

Lanterna traseira tricolor, frisada;

Logo XR3, na tampa do porta – malas.

Acabamento Interno

Painel com mostradores e um visual moderno, com conta – giros;

Botões de comando, dos faróis, limpadores, e outras funções, bem posicionados;

Volante esportivo, anatômico de dois raios;

Relógio digital;

Acendedor de cigarros;

Cinzeiro embutido no painel;

Acionamento do teto solar manual;

Ventilador de três velocidades;

Ar – quente;

Ar – condicionado opcional;

Vidros elétricos;

Travas elétricas;

Ajuste dos retrovisores interno mecânico;

Desembaçador elétrico do vidro traseiro;

Acabamento de bancos e portas em tecido aveludado em tons cinza, com detalhes em vermelho;

Encosto de cabeça no banco dianteiro com regulagem de altura;

Assoalho e porta malas acarpetados.

Ficha Técnica – Escort XR3 1983

Carroceria hatch;

Porte Médio;

2 portas;

Motor Cléon Fonte / CHT 1.6;

Cilindros 4 em linha;

Transversal;

Tuchos mecânicos;

Tração Dianteira;

Combustível álcool;

Carburador;

Direção Simples;

Câmbio manual de 5 marchas;

Embreagem monodisco a seco;

Freios a disco ventilado nas rodas dianteiras e tambor nas rodas traseiras;

Peso 934 KG;

Potência 81,7 CV;

Potência Máxima 5600 RPM;

De 0 a 100 – 13,9 Segundos;

Velocidade máxima 162 KM/h;

Consumo Consumo na Cidade 6,8 KM/L – Estrada 11 KM/L;

Porta malas 250 Litros;

Carga útil 382;

Tanque de combustível 48 Litros;

Preço atualizado Não informado;

Valor atualizado aproximado se refere apenas a uma estimativa de quanto o carro custaria hoje Zero Km na concessionária.

Motor Tudo – Escort XR3 1983

Carros Clássicos Brasil – Escort XR3

Deixe uma resposta